Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Severina Branca (vendo uma velha prostituta)

     Tantos amores lhe marcaram o passado e hoje, triste prostituta, é desvalida de amor - até o próprio.

     Ela que quando dançava deixava todos encandeados e quando falava embreagava os amantes com seus sentimentos exclusos. Era como a lua: para todos que estavam na rua. Era como a música: proporcionava emoções passageiras. Era como a bebida: enganava os sentimentos - essa era Severina Branca, que hoje é Severina em vida e Branca em esperanças.

     Desvalida do amor perjura, declama versos ao lheu e se recorda de seus cabarés, desconhecendo se neles viveu ou morreu. Só sabe ela que a vida hoje lhe é um cabaré falido que insiste em existir mesmo em ruínas.

     A vida dá golpes, que por inesperados são fatais à fragilidade humana. Ninguém prevê o manhã com exatidão, ninguém fala do futuro como se falasse de coisas óbvias e certas. A existência, no seu amanhã, nos reserva algo que as mentes pecaminosas desconhecem por excelência.

     Não há sentimento que o tempo não desgaste, se desconhece afeição que a brisa maneira dos anos não agrida. Ontem fora alegrias e glamurias, hoje, em desventura, é tristeza e escarnecimento e amanhã se dará o final de todas as antíteses, contrastes e traições que o futuro guardou para uma vida Severina.
ERASMO SIQUEIRA
Enviado por ERASMO SIQUEIRA em 18/11/2005
Código do texto: T73005
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ERASMO SIQUEIRA
São José do Egito - Pernambuco - Brasil, 37 anos
10 textos (927 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 08:37)