Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A política de um chofer

O chofer olha através do espelho retrovisor e vê Victor fumando um charuto, dá mais uma olhada discreta e agora vê aquela fumaça se aglomerando no vidro traseiro. Arranca o automóvel.
- Para o aeroporto. – Diz Victor.
A cada quarteirão percorrido o chofer não se contém, insiste em controlar os movimentos de Dr. Victor pelo retrovisor. O Sinal fecha. Victor, de cabeça baixa, lendo a Folha de São Paulo, dirigiu a palavra ao Chofer:
- Diga-me, Luis. O que você acha de minha mulher?
Ele estranha a pergunta delicada de Dr. Victor. Por que diabos ele perguntaria isso.
- Acho-a uma mulher bastante interessante.
Victor insiste:
- Bastante interessante?
O sinal abre:
- Sim. Gosto muito de D. Soninha, ela sempre foi muito afável comigo.
- Entendo.
Luis, o chofer, diminui a velocidade, troca marcha e conclui:
- O senhor é um homem de sorte Dr. Victor.
- Acho que não entendi. – Agora é Victor que observa o chofer pelo espelho.
Com os olhos fixos no pára-brisa, esse responde:
- Me refiro a sua esposa. Uma mulher e tanto.
Apaga o charuto:
- Como pode ter tanta certeza?
- Não tenho, apenas acho.
- Talvez você tenha razão, ela geme como ninguém na cama.
As palavras de Victor não constrangiam o chofer, e ele notou isso. Audaciosamente vai mais além:
- O que achas das coxas de minha mulher, Luis?
O chofer acelera, entra na avenida do aeroporto, aumenta gradativamente a velocidade. Victor larga o jornal, de certo ponto se assusta, coloca suas mãos no banco dianteiro para se segurar, embora estivesse usando cinto. Olha pelo retrovisor e observa o chofer imóvel, aumentando a velocidade. Esse responde agora esquecendo do espelho, visando somente o pára-brisa:
- O senhor quer saber mesmo o que eu acho da sua esposa, Dr. Victor?
Ele se assusta, arregala os olhos:
- Por que está indo tão rápido Luis? – Com a respiração alterada, Dr. Victor era obeso, sofria de problemas graves do coração. O chofer responde:
- Acho D. Soninha muito gostosa, acho ela uma delícia, Dr. Victor! Uma delícia! E sabe do que mais, Dr. Victor? Eu já transei com tua esposa inúmeras vezes bem de baixo do seu nariz!
- Do que você está falando, diminua a velocidade! – Ofegante, suando frio.
- O senhor precisa entender de uma coisa, Dr. Victor, o dinheiro não pode comprar tudo, o dinheiro não compra o amor! Só porque o senhor é milionário não quer dizer que pode ter todos aos seus pés! – Victor não fala mais nada. Está escorado no banco dianteiro, assustado, quase passando mal. Ele replica:
- Luis, por favor, diminua a velocidade! Nós vamos morrer!
Nesse momento o chofer fecha um cavalo de pau, entra numa avenida deserta de chão batido. Victor não reconhece a atitude de seu motorista que durante anos fora inteiramente fiel. O chofer responde:
- Não, Dr. Victor. Não. É o senhor quem vai morrer. – Com uma voz calma e fria.
Victor tenta abrir a porta, mas todas estão travadas. Assim como os vidros. Era uma armadilha. Victor sentiu que a morte o tocaria naquele momento. O chofer freia desleixadamente deslizando pelo chão batido. O carro pára. Luis desce do carro, se apossa de uma pistola semi-automática, abre a porta traseira, e puxa Dr. Victor arrastando-o pelo chão. Ele implora:
- Por favor! Não me mate!
- Ora, Dr. Victor! Não sujaria minhas mãos com um porco como o senhor!
Victor começa a chorar de medo e nervosismo, ofegante, suando, todo sujo, seu terno estava completamente fedido. O chofer não hesita:
- O senhor fede Dr. Victor. E sabe o que acho das coxas de sua mulher? São as coxas mais lindas que já conheci! As coxas mais gostosas que já toquei!
- Por que está fazendo isso?
Luis coloca a pistola na boca de Victor:
- Mas não sou eu Dr. Victor. Olhe para o lado.
De longe e com uma pistola na sua boca, Victor vê uma Mercedes prata se aproximando, o carro pára defronte ao automóvel dele. Desce Soninha, toda voluptuosa, com aquele charme irresistível. Ela Sorri. Victor não entende nada.
Ela anda alguns passos, pára defronte a Victor:
- Eu nunca amei você. – Victor fecha os olhos para morrer.
Nesse momento Soninha saca uma outra pistola da sua calça justa, mira no crânio de Victor, e rapidamente vira seu braço a um metro à direita e atira no chofer. Atira de novo. E de novo. E de novo. Foram três tiros no peito e um na cabeça de Luis, o chofer, que cai espirrando sangue. Victor não acredita no que acaba de ver. Não está entendendo mais nada. Por um momento ele estava a um passo da morte e agora vira cúmplice de um crime. Ele fica mudo. Soninha ajoelha-se, e implora:
- Me perdoe Victor. – Coloca a pistola em sua cabeça.
Victor se assusta e grita:
- Soninha, não!
O barulho do tiro perfurando o crânio de Soninha foi assustador e ao mesmo tempo doloroso. A mulher que mais amou agora esta morta junto com seu chofer.

(Silêncio)

Victor acorda das lembranças e volta ao consultório.

- Foi isso mesmo que aconteceu? – pergunta o Dr. Rafael Prado, psicólogo particular do Dr. Victor.
- Sim, foi isso mesmo.
- Você precisa mais do que nunca superar isso, Victor. Sei que este fato é muito dramático na sua vida, porém já faz mais de quatro anos.
- Mas não consigo, Doutor. É como se o espírito de Soninha voltasse a todo o momento para me assombrar e relembrar desse fato.
- Olha, Victor. A época de eleições esta aí. Você vai se candidatar a senador, certo?
Victor não responde, Dr. Rafael repete:
- Certo, Victor?
- Certo.
- Por tanto, um futuro senador não pode conviver com fantasmas. Este caso, como você mesmo falou já foi abafado pela polícia, ninguém sabe dessa história e você não pode deixar que ela venha à tona depois de tanto tempo.
- Você está certo Doutor, eu preciso mesmo relaxar. Época de eleições me deixa nervoso, talvez por isso eu esteja relembrando desse fato.
- Isso, Victor! Você tem que entender que é você que vai ao problema, e não o contrário. Se você quiser esquecer, consegue.
- Tudo bem, Doutor. Nosso tempo já está acabando, não é? Agradeço sua atenção.
- Que isso Victor, sempre que precisar, pode vir aqui, não cobrarei consulta de você.
Levanta-se do estofado:
- Muito obrigado Dr. Rafael. Essas suas palavras sempre me ajudam.
- Fico feliz em saber.
- Abraço Doutor, até mais ver.
- Até mais, Victor.

Ele sai do consultório do Dr. Rafael realizado. Passa pela secretária de saia curta e coxas grossas, Victor sempre foi viciado em coxas, olha discretamente e a cumprimenta, chama o elevador e desce. Quando sai do prédio, Luis, o chofer, está o esperando no carro. Victor entra como de costume pela porta de trás, e ao seu lado, sentada, está Soninha, sua esposa. Ela pergunta:
- Então, meu amor, como foi lá?
- Ele acreditou em tudo, a primeira parte do plano já deu certo.
- Ótimo, por isso que eu te amo. (Se beijam)
Victor ordena:
- Para o aeroporto.
Victor apanha a Folha de São Paulo para ler enquanto o carro se locomove. Pelo espelho o chofer olha para dona Soninha e abre um vasto sorriso. E Soninha, discretamente, pisca com o olho direito.
Luan Iglesias
Enviado por Luan Iglesias em 03/12/2007
Código do texto: T763342

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar "Autoria de Luan Iglesias") e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luan Iglesias
Estância Velha - Rio Grande do Sul - Brasil, 29 anos
72 textos (29279 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 16:13)
Luan Iglesias