Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Imoralidades de Lolita

Pela primeira vez, depois de muito tempo, Lolita sabia o que era sentir ódio. Nunca odiou tanto uma mulher como a sua colega. Pela primeira vez, Lolita experimentava o gosto de um sentimento voraz e insólito, capaz de deter qualquer um na sua promiscuidade. Até que odiar alguém não partia do pressuposto de matar. O ódio vem em camadas finas e pesadas. Pesadas de amor. Lolita, acima de tudo e todos, amava muito aquela mulher. Ela podia sentir o desejo importunando-a. Pela primeira vez, Lolita se aproximara de uma colega para ter relações sexuais. Assumir seu lado bissexual era além de incabível para o presente momento de sua vida como imoral. Sua família é fruto do que os nazistas chamavam de traidores. A moralidade era um conceito pré-fabricado perante Lolita. E isso não fez com que ela agisse na contramão, ao menos não em primeira instância. Lembrava da noite passada em que beijava os doces lábios de sua colega. Sentia-se completamente molhada, mas não só pelo prazer constante e sim pelo gosto de estar realizando atos imorais. Isso a atraia. O fato de ela massagear os seios de sua colega e depois beija-la por inteira fez com que Lolita refletisse sobre sua essência dorsal.

Na juventude namorou um rapaz viciado em sexo. Os amigos o chamavam de discípulo de Freud. Para esse rapaz, sem sexo a vida não teria sentido. Tudo levava ao sexo. O ser humano se reproduz através do sexo, e a reprodução segue a mesma linha. Porque o sexo dá prazer, e tudo que dá prazer é experimentado involuntárias vezes, sujeito ao vício. Para Lolita, sexo era questão de tempo. Uma vez que ela não experimentara do prazer carnal. Seu namorado adorava provoca-la passando a mão por debaixo de sua saia, tocando seus seios fartos. O namoro terminou porque Lolita não agüentava a pressão do tal discípulo de Freud. A partir daquele momento Lolita passou a repudiar todo e qualquer homem.

Na infância Lolita brincava de boneca como qualquer menina. O que ela não lembrava era que usava duas delas. Duas bonecas que através de suas mãos se beijavam. O particular era que Lolita não recordava de sorte alguma que aos cinco anos perguntara para mãe o porquê que duas mulheres não podiam se beijar. Sua mãe lhe disse que era imoral. E tudo que se torna imoral não é digno de sobrevivência. Sua mãe queimou as bonecas e Lolita imediatamente foi chorando para o quarto.

Por fim, Lolita odiava aquela mulher não somente por ela ser sua colega de trabalho; não somente pela imoralidade que cometiam quase todas as noites no escritório de seu pai. E que por mais imoral que fosse, resultava em um prazer jamais gozado na relação com um homem. Lolita odiava aquela mulher por ela também ser sua irmã. A sociedade disciplinadora e ao mesmo tempo indisciplinada não permitiria a escolha de Lolita. Embora ela já nascesse com o desejo aflorado, sua família nunca a perdoaria. “Tudo que se torna imoral não é digno de sobrevivência”. Por um segundo Lolita lembrava das palavras de sua mãe.

Já faz dez anos que Lolita se matou. Morreu depois de pensar que não poderia mais viver cometendo imoralidades, que não eram suas.
Luan Iglesias
Enviado por Luan Iglesias em 04/12/2007
Código do texto: T764074

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar "Autoria de Luan Iglesias") e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luan Iglesias
Estância Velha - Rio Grande do Sul - Brasil, 29 anos
72 textos (29287 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 04:27)
Luan Iglesias