Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O mendigo filósofo

- Que merda! Meu pneu está furado! Amigo, ô meu amigo! Hei...
- O que é?
- Será que tu pode dá uma forcinha aqui?
- Não.
- Por que, não?
- Não está vendo que estou ocupado?
- Mas você é um mendigo.
- Sou, é? Defina “mendigo”.
- Como "defina mendigo", meu amigo. Só estou precisando de uma ajudinha para trocar o pneu aqui do carro.
- Em primeiro lugar, não fui, não sou, e nunca serei seu amigo. Em segundo, o que eu ganharia te ajudando?
- Bom, eu te descolo uma comidinha...
- Tu realmente acha que eu me vendo por uma “comidinha”?
- Então porque estás vivendo nas ruas?
- Vivo nas ruas para ajudar as pessoas a sair delas.
- E pra isso você precisa passar fome, dormir no frio, usar roupas rasgadas e não ter uma higiene pessoal?
- Tu, por acaso, já ajudou alguém de verdade?
- Claro que já!
- Quem?
- Minha mãe. Ela estava doente há algum tempo, eu a ajudei.
- Que tipo de doença?
- Pneumonia.
- Isso não é doença!
- Como não?
- Tu por acaso é um pai de santo?
- Não...
- Então não ajudou ninguém. Quando me refiro a ajuda, me refiro a passar sentir na pele o que as pessoas pelas quais você quer ajudar sentem. Não posso ajudar gente das ruas se eu não morar nas ruas. Precisamos nos tornar acessível e ao mesmo tempo inacessível.
- Como assim?
- Me tornei acessível às ruas, e inacessível para todo meu âmbito social. Abandonei tudo por um mundo melhor.
- Tu só podes ser um louco!
- Isso é o que as pessoas insanas acham das sensatas.
- Tu se considera sensato?
- Mais do que tu.
- Já chega, vou pedir ajuda para outra pessoa, com licença!
- A ajuda que tu precisas é social.
- Sou muito bem sociável.
- Se és sociável porque não perguntou meu nome?
- O que uma coisa tem haver com a outra?
- Se tu perguntasse o meu nome eu te ajudaria.
- Tudo bem, qual é o seu nome?
- Eu não lembro.
- Como alguém pode esquecer do próprio nome!
- Isso não é nada, tem pessoas que esquecem que sou gente.
- Para min tu és gente.
- Passei a ser porque eu era o único na rua capaz de te ajudar com o pneu furado.
- Ta, chega.
- Um dia a vida vai dizer a mesma coisa para ti.
- O quê? Do que está falando?
- Um dia tu morrerás.
- Sim, natural, todos nós.
- Mas há pessoas, que como tu, vive a vida inteira morta, e quando estão prestes a morrer de verdade, querem aprender a viver. Viva o quanto é tempo.
- Para um mendigo tu saca muito bem de metáforas.
- Não me considero um mendigo. Isso é um rotulo hipócrita.
- Hipócrita?
- Sim, hipócrita.
- Não sei onde estava com a cabeça quando fui pedir ajuda para ti.
- Quer um conselho?
- Que conselho?
- Pegue uma pneumonia.
- O quê?
- Assim tu vai entender do que estou falando.
- Eu não vou pegar nenhuma pneumonia!
- Então tu nunca saberás como poderia ter ajudado sua mãe.
- Olha, será que tu podes parar de dar conselhos filosóficos e me ajudar com o carro?
- Não.
- Tudo bem, eu faço sozinho.
- Gostei de ver, atitude individualista.
- Tu podes me deixar em paz?
- Não.
- E porque, não?
- Porque o seu carro não está com o pneu furado.
- Como não está?
- Você é mesmo um tolo, ajudo pessoas que, de fato, precisam ser ajudadas. Seu carro é o detrás.
Luan Iglesias
Enviado por Luan Iglesias em 04/12/2007
Código do texto: T764120

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar "Autoria de Luan Iglesias") e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luan Iglesias
Estância Velha - Rio Grande do Sul - Brasil, 29 anos
72 textos (29312 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 21:01)
Luan Iglesias