Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ONDE ESTÁ O DINHEIRO?

Reizinho era o cara das multidões. O leitor há de se lembrar de um conhecido com as mesmas características. Em tudo que é canto aparece um exemplar desses. Rodeado de mulheres, rodeado de amigos, rodeado de admiradores, rodeado de crianças… chega a dar tonteira!
Então, certa feita, o camarada retornou de um concurso público e, com a extrema confiança que lhe era peculiar, bradou para a rua ouvir que logo-logo estaria empregado num banco de grande porte. Alguns o olharam com certa inveja bem típica do ser humano, numa situação dessas; outros dividiram a felicidade do momento com alguma sinceridade.
— ‘Bora tomar umas, galera! — convocou.
— Tu vai pagar?
— De graça, até injeção na testa!
— ‘Bora povo!
Uma multidão começou a acompanhar o falastrão. Com a dose de confiança que ele ia despejando no caminho, não teve uma alma viva que não o seguisse em busca da cachaçada prometida. Os leitores que bebem sabe como é a procissão (que me perdoem os religiosos, mas parece que são fiéis tentando pagar uma promessa).
Então, seguiram até o bar do seu Rômulo. Ajeita cadeiras pra lá, arruma uma mesa pra cá. Neguinho monta aquela mesa de doze lugares e pronto. Uma grade foi, imediatamente, colocada próxima aos clientes vip. Seu Rômulo conhecia já o ritual: foi logo limpando as mesas, pegando quatro cervejas e entregou um cardápio pro caso daqueles que não conseguem beber sem beliscar.
— E aí, Reizinho? A gente vai ter bebedeira todo dia?
— Calma! Não é bem assim, não! Devagar…
— E você passou mesmo?
— Claro que passei, Vaninha! Passei para parar em você, hoje à noite!
Risos ao monte. Tudo era motivo de festejo. E qualquer fala mais efusiva dava lugar para um brinde. As coisas seguiam muito bem e a cervejada já estava ultrapassando os limites da sobriedade, quando Reizinho foi até o banheiro e botou a mão no bolso para ver quanto tinha de dinheiro. Para quê?
‘’Vixe Maria! Não tenho nada! Onde deixei minha carteira? Pensei que tinha trazido! Será que perdi?’’. Não podia, no entanto, revelar esse segredo a ninguém. Se o fizesse, estaria ferindo a sua popularidade. E isso ele não permitiria de jeito nenhum! ‘’Tenho que pensar em uma estratégia muito boa pra não ficar na pior! Desse jeito, Vaninha, Lurdinha, Deise, Márcia… não vou conseguir pegar mais ninguém’’.
Resolveu voltar para o lugar, já com uma expressão facial bem preocupada. Os que o conheciam há tempo poderiam notar. Tinha que mudar as feições o mais rápido possível. Era hora de exercitar a sua cara-de-pau infalível.
— E aí, Duda? Vamos jogar palitinho?
— Vamos sim! — em pouco tempo, vários rapazes se juntaram à dupla.
Começaram. Conforme foram avançando no jogo, Reizinho, percebendo a sua sorte, determinou:
— Quem for perdendo vai pagando a cerveja, certo?
— Vamos nessa!
— Eu não vou pagar uma!
A empolgação tomou conta daqueles homens bem alcoolizados. E não é que tudo começou a tomar um rumo esperado pelo esquecido? Ele não perdia uma e os amigos iam pagando as próximas cervejas. Mas, o problema era: e as que ele já tinha bebido?
Então pensou num jeito. Arrumou um desentendimento com um conhecido:
— Você tá roubando, cara!
— Não tou!
— Tá!
E por aí vai… o barraco começou, as garrafas foram derrubadas e por pouco o pau não come! Resultado: todo mundo saiu resmungando e ficou Reizinho e o dono do bar.
— Olha, seu Rômulo! A gente acerta amanhã, tá?
— Vê lá, hein? É só desta vez!
E ficou por isso mesmo. Mas não na frente dos amigos. Tinha que manter as aparências. Não é isso que a maioria quer, leitores?
Ticco Serpa
Enviado por Ticco Serpa em 05/01/2006
Código do texto: T94618
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ticco Serpa
Salvador - Bahia - Brasil, 39 anos
10 textos (2652 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:41)
Ticco Serpa