Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Lenda da Caverna

    Diante da fogueira que crepitava entre as árvores do Bosque da Caverna, estavam quatro jovens que tinham por volta de vinte e poucos anos. Eram eles: Sérgio, Bruna, Tiago e Mônica, sendo que estes dois últimos eram namorados e Sérgio nutre uma paixão secreta por Bruna que o considera apenas um bom amigo. É o primeiro acampamento deles e também a primeira noite. Nesse dia não terão a companhia da lua, decidiram então fazer uma fogueira e com ela acesa começaram a conversar. Contaram causos verdadeiros, piadas, e por fim Sérgio que pouco falou decidiu contar uma lenda de família. A lenda conta sobre o mistério da caverna que batizou o nome do bosque. Entre os familiares de Sérgio apenas o bisavô acreditava que é verdade, afinal aconteceu com o seu pai que quando jovem resolveu explorar o bosque. O tataravô de Sérgio que se chamava Leandro, estava andando pelo bosque quando passou perto da caverna, mas não entrou, só que ouviu algo vindo de lá e quando estava quase se distanciando decidiu voltar e ver que barulho era aquele. A cada passo que dava em direção a caverna, Leandro escutava a voz sussurrando um nome e quando chegou de fato na entrada da caverna ouviu nitidamente o seu nome. A voz parecia ser de homem, dizia Sérgio que ouviu essa lenda do bisavô. Leandro assustado perguntou quem era e não teve resposta, a voz então perguntou:
_ Qual o seu maior sonho? – novamente em tom de sussurro.
_ Meu maior sonho? – estranhou Leandro – Meu maior sonho é ter uma família feliz. – disse ele que naquele tempo não namorava ainda.
_ Lindo sonho. O meu maior sonho é ter os cem diamantes brutos que estão nessa caverna, mas eu não consigo ter-los, mas continua sendo meu sonho.
_ Cem pedras de diamante? – assustou-se Leandro.
_ Isso! Eu ficaria muito rico e teria tudo que quisesse. Faço-lhe uma proposta: vamos trocar nossos sonhos? Você fica com os diamantes e eu terei uma família feliz e perfeita. – ofereceu a voz.
_ Trocar os sonhos? Não sei, acho melhor não. Você pode estar mentindo. – recusou Leandro.
_ Como quiser. Fique então com seu sonho. – conformou-se a voz que nada mais disse depois daquilo e Leandro foi embora para sua casa depois daquele estranho incidente e nunca mais voltou também. No dia seguinte ele ainda pensava no episódio do bosque e achou que fosse uma alucinação. Muitos anos depois ele ouviu uma estória semelhante a sua, de um cara que estava no bosque e nunca mais voltou, desapareceu por completo. Leandro acreditava que o cara resolveu trocar os sonhos e acabou ficando preso dentro da caverna enquanto que a voz misteriosa se libertou.
_ Essa é a lenda da caverna. – finalizou Sérgio que olhou para todos ao seu redor e estes estavam abismados com o que acabaram de ouvir. Para quebrar o silêncio Tiago soltou uma enorme gargalhada e depois falou:
_ Voz misteriosa da caverna que pede pra trocar os sonhos! Que estória mais maluca, seu tataravô é louco, por acaso ele foi internado naquele tempo?
_ Deixa de ser idiota Tiago! – disse Mônica lhe dando um beliscão.
_ Sinistra essa estória, mas não consigo acreditar nisso. – disse Bruna.
_ Não estou pedindo pra acreditarem, aliás, eu também tenho minhas dúvidas sobre isso ter acontecido. – confessou Sérgio.
_ Mas o Sérgio foi bem claro, ele disse que era uma lenda de família. – disse Mônica.
_ Mas será que só houve esses dois casos? E se houve mais e ninguém quis contar? – perguntou Bruna.
_ Nunca mais ouvi falar dessa estória. A gente pode ir até a caverna e quem sabe escutamos alguma voz misteriosa. – propôs Sérgio.
_ Nem a pau que eu vou nessa caverna. – esbravejou Tiago.
_ Você tá com medo Tiago? – perguntou Sérgio.
_ Medo coisa nenhuma. Não quero fazer papel de bobo, se eu for nessa caverna é porque vou estar acreditando nessa estória maluca que contou. – defendeu-se Tiago.
_ Se você não acredita então pode passar normalmente por lá. – retrucou Sérgio.
_ Você não vai conseguir me convencer.
Após Tiago ter dito isso fez se um silêncio inexplicável. Um olhava para o outro e nada se dizia até que se ouviu um sussurro. As garotas ficaram com medo e os garotos ficaram atentos. O sussurro voltou pronunciando o nome de cada um, mas quem ouviu o seu próprio nome não ouviu o nome dos outros. As garotas gritaram e os garotos se levantaram e olharam ao seu redor. Depois de ter dito os nomes, a voz perguntou qual o maior sonho de cada um. Involuntariamente eles foram dizendo:
_ Sonho em namorar a Bruna. – disse Sérgio.
_ Sonho em ser uma atriz de sucesso. – disse Bruna que é estudante de Teatro.
_ Sonho em me casar com Tiago. – disse Mônica.
_ Sonho em viajar sozinho para Europa e depois morar lá. – disse Tiago.
_ Sonho em ser muito rico e ter tudo o que quiser. – disse a voz para cada um.
Depois de todos terem dito o seu sonho, a voz voltou a falar e propôs o seguinte: quem acertasse de quem era o sonho que eles escutaram após terem falado o seu sonho, terão o sonho realizado no momento certo, e quem não acertasse seria castigado. Quem começou a dizer foi Sérgio que tinha ouvido dois sonhos.
_ O sonho que escutei foi o da Mônica. – acertou Sérgio.
_ Eu escutei o sonho da Bruna. – acertou Mônica
_ Esse sonho é do Tiago. – acertou Bruna.
_ Esse com certeza é do Sérgio. – errou Tiago, pois tinha ouvido o sonho que a Voz tinha dito.
Depois que a estranha voz se foi, tudo voltou ao normal e foram dormir na barraca que tinham armado. Durante a noite, Tiago saiu da barraca e foi caminhar pelo bosque e depois de muito caminhar passou em frente à caverna e resolveu entrar dentro dela. No seu bolso carregava uma lanterna e quando a ligou lá dentro deparou-se com centenas de pedras de diamante bruto. Foi até o fim da caverna e quando colocou na mão um diamante sua vida se acabou naquele instante, tinha se transformado numa pedra de diamante, assim como os outros diamantes que estavam ali e que um dia foram pessoas que desejaram apenas a riqueza material. Tiago é agora a Voz que quer ficar livre dessa riqueza maldita.

08/03/06
Miguel Rodrigues
Enviado por Miguel Rodrigues em 08/03/2006
Código do texto: T120697
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Rodrigues
Barueri - São Paulo - Brasil, 33 anos
1434 textos (42676 leituras)
6 e-livros (1681 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 13:48)
Miguel Rodrigues