Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUANDO CONHECI UMA FADA

QUANDO CONHECI UMA FADA.

Será que fadas existem? Se elas existem como devem ser? Talvez loiras, cabelos cor de mel e macios como seda, com voz suave, plana no ar como um beija-flor, brilham como uma estrela, feliz e abençoada. Aparecem do nada na vida de simples mortais e transformam a realidade em magia, para depois sumirem deixando que a magia tome conta do imaginário e a ilusão de um sonho que nunca mais desperta. Eu conheci uma fada. Depois que se foi deixou uma marca que nunca será apagada, nunca será esquecida e sempre será amada. Só pode ser uma fada! Alguns chamam de sincronicidade, outros de coincidência, outros de destino. Mas as coisas foram acontecendo como se houvesse um roteiro a ser seguido, como se a direção desta peça estivesse sendo executada, os atores principais eram os protagonistas de uma vida real, escrevendo suas próprias histórias ou uma ficção de fadas e duendes, o roteiro foi seguido e a história teve início, meio e fim.

Como explicar o encontro com uma pessoa iluminada, onde sua luz própria era capaz de tocar fundo no coração de uma pessoa que estava pronta para recebê-la. Esta fada apareceu surgindo do nada, cumpriu o que estava traçado e voltou para onde deveria estar, mas seu toque transformou a vida de Marcos. Marcos era uma pessoa pacata, tranqüila e achava que já havia encontrado todas as pessoas significativas na sua vida, por isto nunca mais se deixou envolver com ninguém, pensava que na vida as chances foram surgidas e aproveitadas por ele, que seu destino era terminar como começou solitário. Mas esqueceu de um pequeno detalhe, avisar isto ao seu coração, que com uma flecha de cupido foi atingido no meio por um torpedo chamado Ana. Ela surgiu do nada, iluminou sua vida, fez sentir-se o homem mais feliz do mundo, transformou-a e a paz reinou novamente na sua mente, alguns chamam isto de amor, outros de paixão, eu prefiro chamar de magia. Porque foi isto que aconteceu, foi uma magia. Ele ocupava sua mente com o trabalho e com meios de agradá-la, levava café na cama, viam filmes juntos deitados na cama, faziam amor por noites intermináveis, tomavam banhos juntos, faziam tudo o que um casal que se ama faz, esta era sua maior felicidade, dar prazer a sua “fada”. Mas assim como num filme, o início foi um mar de rosas e a trama de uma história foi traçada, como todo filme que se preze tem além do início, meio e fim.
O meio desta história foram acontecimentos intermináveis de amor exaltado pelas duas partes, em todos os momentos, foi um dos melhores momentos da vida de Marcos, o convívio com esta fada fez chegar ao extremo de ir ao inferno para manter a felicidade o que com certeza não valeu o preço final, que foi deixar que o final chegasse o mais rápido possível. Marcos aprendeu que a felicidade não é um bem material, ela não tem posse, são momentos, são instante que devem ser percebido durante o tempo em que se está vivendo, para que este momento seja prolongado o máximo possível. Às vezes o que acontece é que como estes instantes são raros, nunca estamos preparados para diagnostica-los, por esta razão que passam por nossas vidas e só percebemos o que aconteceu quando já não mais o possuímos. Para saber identificar a magia de uma fada, devemos estar abertos para recebê-los, devemos escancarar o coração e viver estes momentos sem ter-mos medo, com a máxima intensidade, ir-mos no limite da razão e da loucura, só assim poderemos identificar o grandioso amor que está pronto para ser saboreado, ou a magia de uma fada.
Será que foi o destino que uniu Marcos a esta fada, fazendo com que tivesse um filho lindo, forte e esperto, numa idade em que fadas não podem mais ter filhos, porque corre risco de vida, mas a gravidez foi perfeita, ela esbanjou saúde e trabalhou até na véspera do parto, isto tudo aconteceu logo depois dela perder um filho e um pedaço da ponte que serve de ligação para que o milagre da vida aconteça, a trompa. Realmente foi um milagre, ou um destino, ou a sincronicidade, seja lá o nome que possa ser dado, mas Marcos sempre preferiu chamar de magia, talvez da vida, talvez de Deus.
Assim como ela surgiu, também se foi, apesar de sempre manterem contato, por causa da semente que personificou o amor dos dois. Esta fada transformou a vida de Marcos que hoje está sempre aberto a novos momentos como este, sabe que não há necessidade de buscar a felicidade, ela acontece sem que ninguém tenha que fazer nada apenas deixá-la acontecer.

“A minha fada.”

Voe até onde possa voar
Brilhe até onde possa brilhar
Viva até onde possa viver.
Obrigado por ensinar-me
Que na vida não é preciso
Correr atrás de ninguém para amar
E sim esperar.
Porque ela sempre chegará até você
Desde que você esteja preparado para reconhecê-la.


Ricardo Muzafir.
30/04/06 ---- 18:20



Ricardo Muzafir
Enviado por Ricardo Muzafir em 01/05/2006
Código do texto: T148298
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Muzafir
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 48 anos
28 textos (1623 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 10:31)
Ricardo Muzafir