Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COMO DOIS ANIMAIS

COMO DOIS ANIMAIS

Encontraram-se numa balada, estavam dançando embriagados pelo ritmo quente, inebriante e delirante quando seus corpos se tocaram de leve, mas suficiente para que sentissem, ambos, uma sensação estranha, deliciosa. Agora propositalmente se roçaram: uma, duas, tantas e tantas vezes, ela para sentir um calor, leve ardência no ponto em que sua pele era tocada ao passo que ele sentia como um sopro de brisa ou o contato macio de uma pluma. Então ficaram de vez, dançaram a noite toda embalados por aquela sensação estranha. Os olhos azuis dela, quase transparentes, não conseguiam se desgrudar daqueles olhos negros,  poderosos e dominadores.
Eles tinham que descobrir o porquê dessa força estranha que os impelia como se tivessem que se unir, e assim, na madrugada fria, ao hálito da primavera, como duas criaturas livres, se entregaram e se amaram ao relento, como dois animais.
No seu jeito rude ele sentia que ela era uma mulher muito diferente de tantas outras que a ele se entregaram. Ela parecia que flutuava, enquanto seus ouvidos escutavam cânticos e se deleitava com o calor intenso do contato delicioso e se deixou levar, em frenesi, naquela viagem rumo ao desconhecido.
Amaram-se até o esgotamento, dormiram abraçados e só acordaram na aurora. Despediram-se e cada um seguiu o seu rumo, deixando vestígios na relva marcada por acomodar aquele inusitado encontro. Ela recompondo as suas asas de anjo mensageiro, feliz por ter sentido algo maravilhoso, indefinível até então desconhecido, e ele esgotado, por mais uma presa, sentindo que aquela tinha alguma coisa especial, seguiu arrastando a cauda e escondendo os cornos, desvelados. Retornaram cada um ao seu lugar, para nunca mais se encontrar.
Mario Rezende
Enviado por Mario Rezende em 14/07/2006
Reeditado em 31/08/2010
Código do texto: T193953

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mario Rebelo de Rezende). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mario Rezende
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
689 textos (50927 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:04)
Mario Rezende