Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A sereia e as princesas


Era uma vez, um rei que tinha duas filhas. A mais velha era alta e esbelta, muito linda, tinha longos cabelos negros era também muito orgulhosa, vaidosa e má, porém ela fingia-se de boazinha para ter os agrados do pai, chama-se Ofélia; a irmã mais nova era igualmente bonita, porém, nada tinha de malvada, pelo contrário era muito boa com as pessoas, fossem reis ou escravos, e também com os animais, tratava todos com carinho e respeito chama-se Rosa; por ser ela tão singela era alvo principal das maldades da irmã mais velha, esta,tinha muito ciúmes por Rosa ser a queridinha de todo mundo principalmente do rei.
Numa bela tarde de primavera Rosa passeava pela praia, quando viu sentada sobre uma pedra, uma belíssima sereia penteando os longos cabelos verdes com pente maravilho, ele reflectia todas as cores do arco íris, ela nunca tinha visto nada tão lindo, como era curiosa, foi até ela, com um pouco de medo, pois ouvira falar que as sereias são, traiçoeiras e agressivas, e quando não gostam de uma pessoa a transformam em pérola e escondem numa concha no fundo do mar.
— Olá linda sereia, falou Rosa, como sempre muito simpática.Como são lindos seus cabelos, devem ser os mais belos de todo o mar.
_Nossos cabelos fazem parte do mar, respondeu a sereia, não vê como se misturam as ondas? De fato não se podia ver onde terminavam os cabelos pois eles se perdiam pelo mar a dentro; neste momento uma onda mais forte arrancou o pente da mão da sereia e jogou-o na areia, não podendo sair da água, pediu a Rosa que apanhasse o pente,ela prontamente pegou e devolveu-lhe o pente que a onda jogara a seus pés; muito grata a sereia tocou-lhe os cabelos e disse:
_De hoje em diante seus cabelos serão os mais lindos da face da terra, terão cor de ouro, que se misturarão aos raios do sol, dito isso afundou nas águas azuis do mar.
Rosa voltou para o castelo e todos ficaram admirados da beleza de seus cabelos, ela contou então o que aconteceu e mostrou o pente que a sereia lhe dera. Porém Ofélia ficou com muita inveja da irmã e decidiu que no dia seguinte iria até a sereia
e conseguiria cabelos tão lindos quanto os de Rosa, e um pente igualzinho.
Logo que o dia amanheceu Ofélia foi até a praia, e lá estava a sereia, sentada na pedra a pentear os lindos cabelos. Ofélia aproximou-se devagar e disse:
_vejo que tem um belo pente, nunca vi nada tão bonito! Será que posso pega-lo? A sereia julgando que ela também fosse uma pessoa boa estendeu-lhe o pente, mas assim que ela pegou-o saiu correndo, para bem hoje da praia, rindo-se as gargalhadas da ingenuidade da sereia; esta então levantou-se da pedra e gritou;
_de hoje em diante, seu cabelo caíra todinho e em sua cabeça crescerão verrugas horríveis. A princesa não deu bola e foi embora rindo as gargalhadas; qual não foi a sua surpresa quando no dia seguinte olhou-se no espelho e viu o quanto estava horrível, sem cabelos e cheia de verrugas na cabeça, ela ficou com tanta vergonha de sua aparência que se trancou na torre mais alta do castelo e nunca mais saiu de lá; Já Rosa passa as tardes de primavera passeando na praia com seus lindos cabelos dourados que se misturam com os raios do sol.


Fim
Vera Lucia Trindade
Enviado por Vera Lucia Trindade em 16/10/2006
Código do texto: T266208
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Vera Lucia Trindade
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 44 anos
11 textos (933 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 06:01)
Vera Lucia Trindade