Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A escadaria e a maçã

Compras: suco, bolachas e maçãs. Na verdade era só desculpa para sair de casa e ver olhares diferentes. Ou tomar um ar – desculpa conveniente. Não demoraria para a noite chegar, e suas perspectivas para o final do dia beiravam zero. Plano: ficar em casa, tv e comida. Tudo na tentativa – mais uma vez frustrada – de esquecer aquelas dores sem explicação. Dia deprimente, de solidão gradativa.

A praça está movimentada, ao contrário da onde está indo. Então pára e senta numa escadaria. Pessoa com sacola sobe, pessoa sem sacola desce, cachorro pára, a olha, e corre atrás da pessoa com sacola que subiu. Pensa em todos os bons lugares onde poderia estar, e nas companhias que poderia estar tendo. Não foi convidada para nada. Ouve uma música triste tocando em sua cabeça, aquele tango que tocou no supermercado. E olha para o chão.

Sentia cada vez mais a falta da alegria, e não demoraria para que tal situação a colocasse para baixo de vez.

De saco cheio, quer voltar. O ar que não veio tomar está frio, incômodo. Vontades brigam com a preguiça. Grande coisa: o dia está horrível mesmo. A música continua triste, e o cabelo está castigado pelo vento. Seus pés se voltam ligeiramente para dentro. Uma maçã vermelha na mão: grande e perfeita, brilhante e suculenta.

O tédio está no controle, dominando, provocando. E agora, ela daria qualquer coisa por uma aventura. Colocaria asas e pularia de uma montanha, feliz e livre. Tranqüilamente voaria com as andorinhas, e depois, já exausta, pousaria numa grande cabeça cheia de cabelos verdes. Lá moraria com sua maçã, e quando quisesse, com ela pularia numa piscina cheia de cerejas com cabinhos compridos, onde seria abraçada por cada uma delas.

Tudo seria perfeito. As reclamações não seriam ouvidas – nem as dela! Suas falhas quebrariam paredes, mas ninguém perceberia. Sua falta de coragem e esperança e seu sufoco seriam substituídos por uma inexplicável e gratificante paz interior.

Toda manhã ela acordaria num lugar diferente: novo o suficiente para lhe provocar curiosidade; velho o suficiente para não lhe causar medo e estranhamento. O tempo agiria conforme suas vontades, a comida seria do jeito que ela gosta, e seu cheiro delicioso ficaria no ar até ela enjoar. O sol e a chuva seriam seus amigos, sinceros e fiéis, que a admirariam. Com eles a felicidade seria plena. Os belos jardins recitariam poesias e esconderiam livros fabulosos. A maçã, afinal, esconderia seu verdadeiro amor. Esperando somente uma observação mais atenta para que pudesse se revelar. Ele a amaria para sempre.

Se algo está perdido, só precisa ser achado. Para ela, a mentira está em cada buraquinho que a gente não consegue ver, muitas vezes ajudando quando a verdade não precisa, e não merece, ser dita.

Ela se sente desnorteada, mas ainda é a mesma... sentada na escadaria e segurando uma maçã. Observa um pouco os contrastes: algo tão longo e rústico, apoiando algo tão belo e delicado. Já é noite, e o lugar é inapropriado. Se move, ignorando os planos felizes. Se movimenta, voltando à realidade. Vai embora, na amarga expectativa de haver algo, ou alguém, suficientemente nublado que possa enxergar sua luz.
Francisca
Enviado por Francisca em 27/09/2007
Código do texto: T671345

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Francisca
São Paulo - São Paulo - Brasil, 28 anos
7 textos (308 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 10:33)
Francisca