Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mamãe, o papai brinca com o "viadinho" lá no quarto!


Ciranda cirandinha, vamos todos cirandar.
Vamos dar a meia volta, volta e meia vamos dar.
O anel que tu me deste, era vidro e se quebrou.
O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou...


A brincadeira de roda era cantada alta e com muita alegria pelas crianças, que de mãos dadas pulavam e rodavam cheias de alegria. Todas as que viviam na vizinhança participavam e se divertiam pra valer, mas quem comandava a roda e possuía a maior euforia era o Peixotinho, um jovem “viadinho” que morava naquela rua.
Essa brincadeira ocorria na frente da casa da Tininha, uma das crianças que ali estavam. Ela era uma menininha, bem sapeca, que tinha os cabelos amarelados e todo cheio de cachinhos. Cheia de vida, essa criança possuía um sorriso encantador, quando o dava com seu dente falho, e seus olhos brilhavam refletindo muita esperteza.


Ciranda cirandinha, vamos todos cirandar.
Vamos dar a meia volta, volta e meia vamos dar.
O anel que tu me deste, era vidro e se quebrou.
O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou.


A brincadeira estava no auge, quando uma voz forte e severa assustou a todos que ali brincavam:

     - Tininha, já pra dentro.

Era o pai da criança que a chamava com a voz cheia de raiva. Ela deixou a brincadeira, porque era muito obediente, mas quando chegou perto do pai lhe pediu:

     - Me deixa brincar mais um pouquinho, papai. Ta tão gostoso.

     - Não pode não, o pai falou em tom severo. Eu já te falei que não quero que você brinque onde esse rapaz estiver. Já para o seu quarto e fique lá, anda.

A criança obedeceu ao pai e foi para o quarto, cheia de tristeza.


Alguns minutos depois da Tininha obedecer ao pai à mãe dela foi até lá e a encontrou com os olhos cheios de lágrimas e o nariz todo melado. Falou tentando consolar a filha:

     - Não chora não Tininha, o seu pai é assim mesmo. Você sabe que ele não gosta que você brinque com aquele rapaz. Ele não gosta dele.

     - Por que é então que quando a senhora sai o Peixotinho vem aqui em casa e o pai fica brincando com ele lá no quarto, a criança perguntou? Outro dia eu fingi que tava dormindo e escutei os dois dando risadas e o papai falando pra ele ser bonzinho. Será que o papai tem vergonha de brincar porque é velho e é por causa disso que brinca escondido com o Peixotinho?

CARLOS CUNHA o Poeta sem limites
Enviado por CARLOS CUNHA o Poeta sem limites em 10/10/2007
Código do texto: T688015

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS CUNHA o Poeta sem limites
Japão, 63 anos
369 textos (438358 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 13:34)
CARLOS CUNHA o Poeta sem limites