Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A garota que deixei à minha espera

 

                EXCALIBUR


    Olhando a janela vejo um semblante que escorre em luz. Do seu rosto liso e bonito nascem fios de pelos, uma barba rala que cresce e se fecha em floresta. Na floresta de inúmeras  árvores corre uma mulher no tapete das folhas. A cada passo, as folhas se fecham, dobram sem som e voltam como estavam antes. Os pés saboreiam as ondas de folha e deixam-se levar. Nos tornozelos, haste de copos de champanhe, uma pulseira de ouro veste um dos pés descalços.
    Subindo em brisa minha mão paira em seus joelhos  articulados. Três dedos se prontificam e percorrem aquela dobra em espiral. Como em um buraco negro se desespiraliza e os três dedos em linha sobem pelos brancos pêlos nus de sua coxa.
    Ela veste o algodão sem fibras. De forma branca e transparente o vestido só contorna o ser humano. Os dedos lutam contra os pêlos clareados pelo sol de outono. Cada pêlo transmite ao outro a delícia do toque em forma de pequenas antenas de formigas. Os pêlos engrossam, as antenas tremem.
    Não. Aproveitemos e esperemos que o lago se aproxime. Montanhas em neve circundam o lago que recebe um facho de pequenos cristais de sol. O sol se parte em diamante e reflete os seios que agora estão nus. São seios firmes, arredondados, proporcionais. Como um bebe recém-nascido os dedos buscam em vão os seios que agora mais rígidos que nunca são saboreados pela  água translúcida. Mas não em vão os dedos conseguem dedilhar as costas como um piano que sentem a mão jovem do aluno de primeira aula. As costas
retribuem com um leve eriçar de pêlos num misto de gelo das montanhas e calor das unhas.
    Seus cabelos já  se abrem como um girassol depois de uma longa noite fria; longos, se espalham tomando toda a volta. Ela nada como voa. O sol entranha-se em suas curvas. Os três dedos não a alcançam mais. O vento a acompanha.
    Ficam minhas vestes. Ficam meus olhos que agora se entreolham no espelho da janela que se abre para me entregar … dama do lago ou ... Excalibur.
Lorenzo Giuliano Ferrari
Enviado por Lorenzo Giuliano Ferrari em 16/10/2007
Código do texto: T697246
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lorenzo Giuliano Ferrari
São Paulo - São Paulo - Brasil, 54 anos
1837 textos (51336 leituras)
1 áudios (2457 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 00:32)
Lorenzo Giuliano Ferrari