Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

 

      As roupas sóbrias de Lazinha pouco revelavam de seu corpo cheio e mais pesado com o passar dos anos também, ninguém seria capaz de dizer qual a cor dos seus cabelos, tão apertados os levava em coque severo e antiquado todos os dias, desde que era uma menina. Sua rotina imutável, nada denunciava da vida secreta dessa mulher quase invisível quase, pois nos momentos de distração deixava escapar faíscas que só as mulheres entendidas de amores ardentes guardam no olhar. Essa luminosidade fugaz intrigava moradores mais sensíveis, mas pela extrema sutileza nela implícita acabava ignorada. As noites de Lazinha, portanto, guardavam segredos de sabores sofisticados. Sua casa antiga há muitas gerações na família, recebia visitas ancestrais, espíritos de pessoas esquecidas pelos habitantes da cidade.  A cada noite, uma surpresa. Mas, havia as visitas assíduas, como a de um espadachim, amigo de algum parente morto e apagado da memória, que há muito vagava pela casa até se deparar com a moça e por ela se encantar, desde então Lazinha entrava em casa sempre com o coração disparado, pensando se aquela seria a noite da visita preferida.

Quando sentia o cheiro de cigarro a alegria era grande, retirava o grampo que sustentava o penteado e sacudia os longos cabelos que como por magia se tornavam negros e lustrosos. Entrava no quarto, com a blusa desabotoada e olhando para aquele homem um tanto transparente e muito viril, deitado em sua cama de moça intocada, arrancava a blusa, soltando seus seios enormes e voluptuosos a revelar uma mulher linda, em pé, nua o espera e juntos se aproximam do espelho, no qual vê fascinada uma mulher jovem, carnuda, sensual, sendo acariciada pelo homem bonito, forte, apaixonado e sussurrante que preenche suas noites solitárias.

 Ao amanhecer espreguiça-se languidamente e olha para o espelho, onde vê a pequena luz vermelha a piscar. Já sabe que a bateria descarregou, corre até lá e o pequeno aviso ainda pisca: “Sorria, você está sendo filmado.”

 

 

 

célia regina marinangelo
Enviado por célia regina marinangelo em 31/10/2007
Código do texto: T718284

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
célia regina marinangelo
São Paulo - São Paulo - Brasil
32 textos (1414 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 12:26)