Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nu perante a multidão

Quando vem a madrugada, vagueio por aí. Te busco nos mundo dos sonhos. Na noite passada, fiquei nu em público. Me lavei sem pudor perante uma multidão, que não se importava. Mas tu pedias para eu não fazer isso. Não era necessário.

Mas eu não me sentia digno de estar perante ti daquele jeito. Estava sujo. Ferido. Perdido.

Tu te aproximaste de mim. Me envolveste com uma toalha, depois um cobertor. Cuidou de mim, remediou as feridas, me deu abrigo e comida.

Quando, enfim, eu estava limpo, curado, com as chagas fechadas e voltando a sorrir, disseste para eu seguir meu caminho.

Estou sentado à beira da cama, a mesma cama que repousei quando me acolheste, o leito quente que me confortou na dor.

Já não sei se continuo. Não se se deito pra não mais levantar.

Curaste meu corpo, mas o vazio que deixas na alma dói mais que  dor  pungente.
Luiz Antonio Teccau
Enviado por Luiz Antonio Teccau em 06/11/2007
Código do texto: T725482

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Antonio Teccau
São José - Santa Catarina - Brasil, 49 anos
14 textos (1110 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 02:08)
Luiz Antonio Teccau