Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O SONO ETERNO DA MALDADE.

          O sono Eterno da Maldade.


         Houve um tempo em que a maldade cansou-se de agir e resolveu tirar férias.
         Amanheceu o dia e o sol já estava brilhando quando a maldade acordou,abriu os olhos lentamente e viu que ao seu redor a harmonia reinava,os pássaros cantavam em sinfonia,as flores sorriam servindo o nectar as abelhas.As formigas, cedo já estavam trabalhando,preparando-se para o inverno que estava se aproximando, a cigarra como sempre cantando,então a maldade resolveu adormecer, entregando-se à um sono profundo.
        Enquanto dormia. o mundo estava acordado e a bondade se espalhava, numa rapidez e agilidade nunca vista.
        A paz reinou, o ódio sentiu amor, o amor apaixonou-se e se espalhou em forma de solidariedade.
        O céu estava mais azul naquele dia, o sol brilhava intensamente e a felicidade contagiava o mundo.
        A morte observando que tudo estava diferente resolveu ficar parada e naquele dia ninguém morreu... a morte resolveu descansar.
        As horas iam passando e o silêncio era tão alto que nada conseguia acordar a maldade; quando ela  se remexia tentando despertar, seus olhos pesavam e novamente em profundo sono caía, sem imaginar a mudança que estava ocorrendo pela sua ausência, e a maldade serenamente dormia...
        Dormindo começou a sonhar, e viu em seus sonhos: águas cristalinas, pássaros cantando, crianças brincando, casais namorando, o gado pastando, fadas, duendes, bruxas, gmonos, príncipes e princesas conversando;Reis e Rainhas ao redor de uma mesa com os servos brindando.
        E neste sonho jamais sonhado viu também armas de guerra se desmanchando, a ganãncia desaparecendo, o planeta se harmonizando e enquanto sonhava viu a CAIXA DE PANDORA se fechando, com uma corrente dourada sendo transpassada e lacrada.
      Neste momento acordou, lembrou de tudo o que sonhou...levou um susto, gritou!
      Tentou abrir a caixa na qual dormia e da qual havia saído à muitos e muitos milênios atrás; assustou-se pois não conseguiu,novamente gritou, desta vez gritou mais forte, era um grito de pavor...
      A CAIXA DE PANDORA para sempre se fechou, a maldade entristeceu, não poderia mais trabalhar, lembrou-se então do sonho por ela sonhado, e seu coração aquietou-se, tudo estava tão lindo, tão real...
     E a maldade que sempre fôra imortal, novamente adormeceu,na esperança de não mais despertar...
negalopedote
Enviado por negalopedote em 14/12/2005
Código do texto: T85814
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
negalopedote
Bituruna - Paraná - Brasil
118 textos (5468 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:41)
negalopedote