Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TUDO QUE EU QUERIA, ERA ATRAVESSAR A RUA!

TUDO QUE EU QUERIA, ERA ATRAVESSAR A RUA!

       Uma linda paixão entre adolescentes acontecia com Oswaldo e Helena, ambos com dezesseis anos de idade, morando numa linda cidade como tantas nesse, não menos lindo país.
       Eram dois estudantes em busca do conhecimento e do prometido futuro melhor, eternamente buscado e raramente encontrado por nossos jovens.
       Manter a ilusão é preciso e, por isso, nós, pais, temos muitas vezes que mentir para não antecipar as desilusões. São reflexos comportamentais do homem contemporâneo que, busca para si, invariavelmente, a melhor fatia do bolo globalizado.
       A paixão fluía maravilhosamente até que, por razões indeterminadas, a família da moça se vê obrigada a mudar, não só da cidade, como também do Estado, afastando-a mais de mil quilômetros do seu primeiro amor.
       Impossibilitados de se verem ou mesmo de se comunicarem, visto que o namoro ocorria às escondidas, Oswaldo e Helena, passam a dedicar-se exclusivamente ao estudo.
       Os anos passam demoradamente. Oswaldo diploma-se em Contabilidade e Administração de Empresas. Muito dedicado e trabalhador, em pouco tempo, torna-se um Empresário bem sucedido. Como de hábito, desde criança, todas as noites após o jantar, dedica-se à leitura, tornando-se fã de uma escritora de pseudônimo “Alma Solitária”, romancista conceituada e que descreve casos de amor.
       Oswaldo continua sua vida e, aproximando-se dos trinta anos de idade, parece não mais, preocupar-se em encontrar alguém com quem dividir seus bons e maus momentos. Assim, vai curtindo suas duas atuais paixões, o trabalho e os romances.
       A demanda e as solicitações por seus serviços transformaram Oswaldo num verdadeiro viajante, pois de cidade em cidade ia implantando sistemas e organogramas de maximização produtiva em muitas empresas e indústrias.
       Certa vez, numa determinada cidade, ao visitar um de seus clientes, Oswaldo aproxima-se do meio fio e, ao olhar para o outro lado da rua, avista aquela moça muito bonita que, coincidentemente, olha em sua direção. - Seu pensamento viaja rapidamente ao passado e instintivamente, deixa escapar em voz alta o nome de Helena. - Volta a gritar: Helena! É você?
       Surpresa e angustiada por aquele chamamento inesperado, a moça fica atônita.
       Oswaldo começa a chorar e grita: eu te amo!
       Sensibilizada a moça também começa a chorar.
       Oswaldo, sai correndo ao seu encontro.
       O caminhão que passa.
       A moça atira-se sobre Oswaldo ainda no asfalto.
       Apenas ela, continua a chorar intermitentemente.
       Oswaldo num último esforço lhe diz: Helena, tudo que eu queria era atravessar rua!
       Mas, quando a moça lhe responde: Eu não sou Helena, sou “Alma Solitária”! Oswaldo nada mais escutava.
       

       



Condorcet Aranha
Enviado por Condorcet Aranha em 22/04/2006
Código do texto: T143558

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Condorcet Aranha
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 76 anos
106 textos (14593 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:12)
Condorcet Aranha