Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O misterioso homem da rosa vermelha....( parte 2)

O tempo foi passando... Eu continuava intrigado, o mistério; continuava... Até que um dia recebi a visita de um velho amigo que há muitos anos não o via...
Ele era desses caras bonachão,gozador, descrente  de tudo....
Lubergildo, um cara ateu em todos os sentidos... Nossas famílias moravam vizinhas nos bons temos de infância, Íamos juntos á escola,jogávamos futebol no mesmo time, fazíamos muitas peripécias pelas vizinhanças, ele só não fazia mais sucesso com as meninas do que eu,sem exageros de minha parte, mas sempre me dei bem neste universo.
Um tarde dessas, no horário em que costumava passar o tal homem da rosa vermelha, justamente quando o mesmo passava a frente da varando de minha casa comentei com Lubergildo, o acontecido e apontei para o tal homem, meu amigo riu até engasgar, e prontamente se mostrou interessadíssimo pelo fato e;
Queria ir à mesma hora traz do homem, com muito trabalho consegui acalma-lo e então fazermos então um plano:
Resolvemos fazer um mapeamento do local durante o dia e qual não foi meu espanto; não havia nenhum casarão no local, exeto um terreno baldio sem vestígio humano. Aquilo  me deixou perplexo,afinal ali existia um casarão,eu era prova viva que existia, Lubergildo meu olhou meio descrente, mas devido a credibilidade que tinha com ele, não disse nada de:
- Olha se você esta dizendo que tem, vamos continuar com o plano...
-Tem sim, eu garanto que tem... - vamos continuar.
Eu estava sem ação e ao mesmo tempo sem entender absolutamente nada, como era possível se há tão pouco tempo, eu comprara ali a existência do casarão e agora do nada me aparece um terreno baldio sem qualquer vestígio humano?
Aquilo era muito pra minha cabeça, estava atordoado.
Depois de algum tempo aéreo, voltamos pra casa, a esperar o horário em que o homem religiosamente passava...
E não deu outra; pontualmente ele apontou ao longo da rua, o Lubergildo, não podia acreditar no que via, descemos imediatamente e fomos esperar a beira da calçada...
Ele com o mesmo olhar, mesmo rosto e a mesma rosa vermelha, passou por nos como se não existíamos, imediatamente o seguimos, confesso que me sentia mais seguro na companhia do meu amigo, este por sua vez, estava curtindo toda aquela situação, parecia criança diante de uma vitrine de doces...
Fomos os três andando, eu conversava com o Lubergildo que tentava conversar com o tal homem que por sua vez não olhava e nem respondia uma só palavra...
Quando chegamos ao lugar onde ficava o casarão, que na parte da manha não existia nem vestígios, o lubergildo tremeu na base.
Inexplicavelmente, lá estava o casarão, nossa, meu Deus, aquilo, não poderia estar acontecendo,olhei para o Lubergildo completamente arrepiado, tremulo e suando frio e eu mal pronunciei ...
-Não te disse, ta vendo,acredita agora?
-Vamos nessa, agora vou a te o fim - disse ele.
O tal homem, continuava seus passos e olhar firme em direção ao casarão; à medida que aproximávamos, eu não sentia mais meus pés no chão,estava completamente atordoado e voando literalmente....
Finalmente chegamos, o homem foi entrando sem o Lubergildo entrou junto com ele desobedecendo ao plano em que minha função que era justamente vigiar a saída ao tal homem.....
No exato momento em que entramos no casarão duas enormes luzes surgiram:
Uma do homem misterioso, outra de uma mulher, aquilo foi estarrecedor, tínhamos ali a certeza de que estávamos diante de um fato absolutamente sobrenatural.
O Lubergildo arregalou os olhos, abriu a boca e soltou um berro ensurdecedor que parece não ter sido ouvido pelo homem e pela então mulher que ali surgira...
Os dois ali se olhando apaixonadamente em nos, eu e Lubergildo borrando de medo, o homem a olhava e desta vez sorria, diante da amada ele fez o típico gesto de um cavalheiro, inclinando e beijando suavemente sua mão em seguida oferecendo a rosa vermelha.
O casal se beijou apaixonadamente por um longo tempo, enquanto nos ali estarrecidos, grudados ao chão, sem palavras os observava, quando uma musica suave surgiu tocada por uma orquestra de luzes e homens vestidos de branco em meio a luzes de varias cores... O casal dançava colado... E naquele clima de amor continuaram por um bom tempo... Quando de repente...


( continua parte3).....
BillyPaul
Enviado por BillyPaul em 23/07/2010
Código do texto: T2395105
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BillyPaul
Campo Mourão - Paraná - Brasil
74 textos (3673 leituras)
7 áudios (714 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/10/14 15:29)
BillyPaul



Rádio Poética