Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O HOMEM DE MOHR (PARTE II)

...Antes mesmo de distinguir o que o atacara na escuridão, Heitor luta por sua vida...
Após alguns instantes, ele sabe que se trata de um homem, embora que muito grande e transfigurado. Então Heitor desfere um chute na criatura e obtém considerável sucesso, pois a criatura desaparece subitamente em meio à escuridão da caverna.
Depois de andar alguns metros, alcança a nascente e após retirar uma faca de sua cintura senta-se em vigília, mas logo é vencido pelo cansaço e adormece ali mesmo.
Ao amanhecer...
Heitor acorda faminto, come alguns frutos que estavam próximos dali. Logo observa alguns homens com vestes estranhas adentrando a caverna.
_ Quem serão esses homens? Pensa ele. _ Será que estão perdidos?
Dali de onde estava logo escuta um homem dizer:
_ Deixem a água profana para o homem de Mohr!
Heitor não sabe e nem imagina do que se trata. Nesse momento, a criatura dantesca sai das trevas da caverna e vem buscar sua água... O arqueólogo logo reconhece aquele rosto, apesar de parcialmente transfigurado!
_ Dom Henrique! Grita Heitor.
A terrível criatura se vira em sua direção... Agora olhando com mais atenção ao rosto da criatura, o arqueólogo decifra parte do mistério. De alguma forma Dom Henrique de Castilha cresceu e tornou-se insano!
Naquele instante, enfurecida pela voz de Heitor, a criatura avança em sua direção com as garras à mostra.
Antes de se tornar arqueólogo, Heitor já havia trabalhado em um circo como atirador de facas... Agora se vê obrigado a lançá-la para deter o monstro descomunal.
_ Sinto muito, amigo! Lamenta Heitor.
A faca é lançada com toda força em direção ao Bispo desfigurado... Mas felizmente, a parte da faca que acerta a coisa é o cabo desta e devido à violência do impacto, Dom Henrique tomba emitindo um terrível grunhido.
Após o tombo do gigante, um dos homens de vestes estranhas aparece disposto a eliminar o invasor e com ódio o arqueólogo recolhe sua faca curva e rasga o ventre do homem que pretendia matá-lo. O homem cai morto, mergulhado em uma poça cada vez maior de sangue.
_ Heitor, é você? Pergunta uma voz trêmula.

Continua... (Aguardem a parte final)
Felipe Corrêa
Enviado por Felipe Corrêa em 02/11/2006
Reeditado em 07/11/2006
Código do texto: T280429

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (André Felipe Cruz Corrêa). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Felipe Corrêa
São Luís - Maranhão - Brasil, 27 anos
21 textos (1698 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:57)
Felipe Corrêa