Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Depois da Revoada

     Uma garotinha de uns cinco anos de idade estava sozinha, sentada em um velho banco da praça. Olhava os pombos bicarem o chão à procura de migalhas. Seu semblante era sereno e nele estampava-se um singelo sorriso. Suas curtas pernas, penduradas por não alcançarem o chão, cruzavam-se à altura dos tornozelos. Um homem, já idoso, que costumava se sentar ali todos os dias, observava a cena intrigado.
     – Olá mocinha! Desculpe-me a intromissão, mas não é hora de uma criança tão linda estar na escola?
     A menina desviou seu olhar para o velho, porém permaneceu muda.
     – Seus pais não ligam de você estar sozinha no banco de uma praça em pleno horário de aula?
     A garota tornou a observar os pombos.
     – Eles são incríveis, não são? – Comentou o homem, sentando-se ao lado da menina – Adoro observar os pombos. Faço isto todos os dias desde que minha esposa faleceu.
     A garotinha permaneceu em silêncio, admirando a bela natureza daqueles pássaros.
     – Ela fora a melhor esposa que um homem poderia ter. – Falou num tom nostálgico – Pedi-lhe em casamento sentados neste banco.
     Um sorriso mais aberto irradiou o rosto da menina.
     – Ela tinha longos cabelos negros e pele bem alva, assim como a sua. Em quarenta e dois anos de casamento, tivemos dois filhos e estes nos deram cinco netos. Uma tem mais ou menos a sua idade.
     O homem tentava de todas as formas um diálogo com a garotinha, no entanto ela insistia em seu silêncio plácido e sorridente. Ele então abriu um saco de papel que trazia consigo e começou a jogar farelos de pão aos pombos.
     – Quer me ajudar a alimentá-los? – Estendendo um punhado de migalhas para a menina.
     No mesmo instante, o velho senhor soltou o invólucro de papel e as migalhas espalharam-se pelo chão. Sua mão enrugada levou ao peito e sua face expressava dor. Um suspiro profundo e um breve gemido... Ele recostou-se no banco. A menina assistia à cena apreensiva.
     – Não se preocupe, pequena flor! Isso não é nada. – Tentava não afligir a garotinha – É apenas coisa de velho, daqui a pouco estarei melhor.
     Uma brisa suave soprou naquele momento e com ela, a revoada dos pombos. A doce criança fechou os olhos e respirou profundamente aquele ar divino.
     – Está na hora. – A menininha ergueu-se e, finalmente, findou seu calar – Você está bem agora?
     Ele, já se sentindo melhor, estendeu sua mão à garota e ficou de pé, mas seu corpo permaneceu caído ao assento. Um desespero lhe tomou de súbito: sua velha imagem sem vida naquele banco... Era, sem dúvida, a sensação mais aterrorizante de sua existência.
     – Você é algum anjo da morte? É isso? – Perguntou temeroso à menina.
     – Sou o anjo da sua vida, assim como você é o da minha.
     Foi quando ele se deu conta de que não mais era um velho e que sob a jovialidade daquela linda garotinha, encontrava-se sua tão amada esposa.
     – Todos nós voltamos a ser crianças após a morte, minha querida? – Perguntou ele, bem mais tranquilo.
     – Não, meu amor! Não voltamos a ser crianças, porque nós dois jamais o deixamos de ser. – A paz transmitia-se em plenitude na delicada voz daquela alma menina – Para onde vamos agora, somente crianças podem ir.

Júlio A S Crisóstomo
Enviado por Júlio A S Crisóstomo em 12/04/2011
Reeditado em 20/04/2011
Código do texto: T2903476
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Júlio A S Crisóstomo
Caucaia - Ceará - Brasil, 34 anos
32 textos (4627 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/09/17 10:44)
Júlio A S Crisóstomo