Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O casal

Um casal de noivos estava no altar. Ela belíssima. Loira de olhos verdes, cabelos dourados e ondulados, seios volumosos e corpo de deusa. Ele, bem apanhado e de bela estatura. Chamam a atenção dos presentes na igreja de nave gótica. Ele é latino de pele morena e cabelos muito pretos. Um casal pouco convencional naquelas bandas. Parecem muitos felizes.
Umas 7 a 8 pessoas os acompanham à porta da igreja para jogarem arroz antes de saírem na limousine preta alugada.

Em frente à janela do quarto do hotel, olhando a paisagem enquanto ela ainda dorme,  ele comemora em pensamento o sucesso do verdadeiro projeto que foi casar-se com uma americana e conseguir o green-card. Ainda mais “aquela mulher”.  Alimenta esse pensamento até para esconder de si mesmo que sua emoção tem outra razão. Não se atreve a racionalizar, mas a emoção é envolvente demais para uma cidadania. Está imensamente feliz, mesmo tendo que lidar com um temperamento um pouco oscilante como o dela: hora cantarolando blues, hora mais compenetrada, introspectiva... Mas nada que realmente preocupe.

Ele a conheceu na saída do seu trabalho numa noite de chuva esperando a um táxi na calçada.
A atração instantânea os  fez dividir o táxi de forma quase imprudente e agora estava ali sem lembrar se já tinha estado tão excitado assim antes.

Dois meses depois...

-Vamos cara, temos que comemorar. É só dois drink’s.
- Está bem, mas só vou porque esta é a 3ª vez que você me chama e vou ganhar crédito para me recusar por um ano.
- Você só precisa ir lá uma vez.
- E se eu gostar?
O bar estava enfumaçado. O som de “dancing” e as luzes reportaram-no há outros tempos em seu país.
Deixou a mesa onde estava com os amigos e foi ao banheiro. De sua entrada se via a porta de acesso ao corredor que dava nos camarins e na sala da gerência, de modo que se via funcionários e dançarinas que passavam rapidamente sem necessariamente sair por aquela via.
Deteve-se por momentos olhando o fluxo. De repente, uma mulher, vestida de preto no estilo molhado-liso / decotado / curto passa com os dois braços enlaçando o dono da  casa noturna no corredor.
Seu rosto embranquece. Suas mãos suam. Sente-se fraco. Sua mente não consegue mais decifrar o que vêem seus olhos, ocupada em gravar e repassar mil vezes em um segundo aquele breve momento.
Não volta mais à mesa. Vai direto para casa. Sua mão desliza no bronze dourado e liso da maçaneta, tal a falta de firmeza e a violenta distonia porque foi tomado.

Abre a porta... E lá está sua amada sentada e com expressão de expectativa pelo seu pequeno atraso.
Abraça-a como quem quisesse desmentir o princípio que não permite dois corpos no mesmo espaço.
Embora estivesse convencido de que as mulheres não poderiam ser as mesmas algo lhe inquietava. Talvez fossem os gestos... Talvez a semelhança absurda. Não conseguiu dormir àquela noite.
No dia seguinte, aproveitando-se da ausência temporária da mulher, decidiu bisbilhotar seus objetos. Havia uma mala. Vivia trancada. Ele, quase com uma espécie de febre, a forçou e a abriu. Não percebera que havia um perfume naquela noite do bar. Um perfume que somente agora voltara a sentir. Levantou a capa  do interior da mala e lá estavam: o vestido preto, outras roupas no mesmo estilo, meias com espartilho, o vidro do perfume e mais ao fundo, entre estojos de maquiagem e peças íntimas pretas um retrato em preto e branco de duas meninas loiras. Idênticas.
A frase do seu amigo veio-lhe à mente:  “Você só precisa ir lá uma vez”.

Ele não percebera que ela havia chegado. Arrumou rapidamente a mala, fechou-a e arremessou-se à cama com um terremoto a sacudir-lhe as entranhas. Do quarto escutou-a caminhando pela casa cantarolando uma canção. A canção blues ouvida no bar.
Edbar
Enviado por Edbar em 22/11/2006
Reeditado em 22/11/2006
Código do texto: T298405
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edbar www.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edbar
Recife - Pernambuco - Brasil, 65 anos
2870 textos (82798 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 12:10)
Edbar