Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

1ª Zona Morta - São Paulo - Zona Leste - Acordando

PRIMEIRO CAPÍTULO

Dormiamos sossegados, eu Nafson e minha esposa Raara. Quando escutamos os cachorros latirem desesperadamente. Eu sonhava que estava em uma fronte de batalha e uma guerra acontecia diante dos meus olhos, ao acordar percebi que o barulho da guerra não havia se discipado, demorei alguns segundos para assimilar, quando minha esposa pulou de sopetão da cama.

Raara - Aaa calem a boca, eu quero dormir.

E correu para fora para chamar a atençao dos cães, assim que ela saiu e os cães começaram a grunir, como se quizessem apenas atenção. Assim que eu sai passei pela cozinha e olhei no relógio, eram 4:32 da manhã. Havia muita fumaça no céu, mesmo por uma escuridão iluminada pelo luar era possível perceber a fumaça e o fogo. Em seguida me atentei ao barulho na rua.
Lola, um cão da raça Mastino Napoletano e que pesa 85 quilos, deitou aos meus pés tremendo como se fosse um gatinho a ronronar. Raara entrou rapidamente em casa, eu dei a volta pelo quintal para tentar ver o que estava acontecendo na rua.
Encontrei Raara saindo pela sala de entrada da casa com uma arma pequena de mão e com balas na boca enquanto colocava balas no coldre.

Nafson - Você não tinha se livrado dessas armas?
Raara - Fiquei só com essa, foi lembrança do meu pai - respondeu sorrindo.

Eu não me zanguei, fiquei feliz por termos uma arma em casa. Ela foi abrir o portão, mas eu a impedi. E disse que ia erguê-la através do muro do vizinho para que ela conseguisse enxergar o que estava acontecendo.

Assim que eu a levantei, sua respiração parou, eu perguntei se estava tudo bem e ela disse que não com a cabeça e pediu para eu levantar um pouco mais, assim que eu a levantei, ela se puxou pelo muro, e eu puxei de volta.

Nafson - Ta louca, volta aqui
Raara - Pérae, eu vou ver se dá para sair

Ela se esgueirou sobre o muro e disse "Da pra sair, não tem ninguém". Ela desceu do muro, eu corri e peguei a chave, ao tentar abrir o portão, percebi que o mesmo estava emperrado. Parecia que estava envergado pra dentro, ela me disse "tem um carro encostado ai na frente, parece o carro do seu pai, acho que é ele". Eu dei um tranco no portão e o mesmo tombou em minha direção, mais apoiei as mãos nele e consegui encosta-lo de volta e deslizando-o consegui abri-lo.

Saímos, eu entre o carro e o portão e ela por cima do capô do carro. Logo constatamos que não era o carro do meu pai, mas sim uma outra Zafira, branca, táxi muito parecida.

A rua estava um caos, fogo para todos os lados, havia um carro tombado no final da rua, e era possível ainda ouvir gritos ao longe, explosões e barulhos de carros freando também eram freqüentes. Achei tudo esquisito, quando vi três pessoas se aproximando lentamente pelo outro lado do carro em direção a nós. Minha esposa foi em direção deles e perguntou "Vocês sabem o que esta acontecendo aqui?" e eles nada responderam, pareciam normais, apenas olhavam meio esquisito, um olhar como poderia dizer (...) morto.
Os três começaram a se aproximar mais e minha esposa chegou perto, e disse "hei, to falando com você", quando eu percebi a pessoa levantando a mão, dei um puxão nela, e a mão do cara passou raspando, como se quisesse agarrá-la. Puxei-a novamente e disse, vamos entrar rápido. Voltamos e entramos na casa, a muito custo consegui puxar a droga do portão para o lugar, estranhamente só conseguia pensar que tinha pagado três mil reais naquela droga de portão e não fazia nem uma semana que havíamos mudado para aquele lugar. Minha esposa correu em direção ao fundo do quintal e disse "espera ai que eu ja volto". Escutei uma batida no portão, e outra. Quando percebi, o portão se inclinava para o meu lado, e vi os 3 caras forçando o portão para dentro. Tentei segurar, mas estava inclinado demais e pesado demais, não consegui e o portão caiu em cima de mim, me dando uma forte cacetada na cabeça.

Acordei no que eu acredito ser segundos depois, com um grito e tiros. Arrastei-me por baixo do portão desesperadamente, creio que perdi o couro de minhas costas no desespero para sair debaixo. Corri até o fundo do quintal e lá estava ela, cercada pelos três caras, que caminhavam devagar e agora emitiam gemidos terríveis, como se estivessem com a garganta enferrujada. Ela deu mais um tiro e um deles caiu, eu peguei um cano de aço que serviria para uma antena da construção, corri em direção a um dos caras e dei uma cacetada no pescoço dele, percebi que ele não parou. Dei outra cacetada bem forte agora na cabeça e o cara caiu, quando eu corri para acertar o outro cara, escutei minha mulher puxando o gatilho e "click", ela estava sem balas.
Imediatamente eu joguei o cano e acertei o cara nas costas, mas assim que o cano atingiu o cara, eu vi um vulto grande seguido de vários outros pulando e derrubando o cara, rolando com ele para lá e para cá. Então eu pude ver realmente, eram os cachorros, um Mastino Napoletano Gigante, Uma smooth colie, dois poodles e dois vira latas, eles pegaram o cara e o destroçavam no chão, ele se lentamente se mexia tentando reagir. Corri e peguei minha mulher que estava no canto da parede observando a cena. Chegamos na parte da frente da casa ela estava desesperada:

Raara - Mas que merda ta acontecendo?
Nafson - Eu não sei, esses caras parecem uns zumbis, iguais aos filmes do George Romero
Raara - Que zumbis nada, tamo fudido, os cachorros mataram um a gente matou outro, vamos ser presos
Nafson - Calma, vamos tentar entender o que esta acontecendo.

Nesse momento, os cachorros vem para perto de nóis, e minha esposa se abaixa para "falar" com eles, e pergunta "Vocês estão todos bem?" e abraçava-os. Eu disse “Não deixa eles te lamberem, pois a gente não sabe o que ta acontecendo, vai ver é uma doença”.

Levantamos o portão e colocamos de volta no lugar, entramos e fomos ver TV e ouvir radio para ver se nos passavam mais informações, estávamos tensos, cansados, apavorados e não sabíamos o que estava acontecendo e voltar a dormir realmente não era uma opção.

-- POR FAVOR, FAÇAM COMENTÁRIO. SUGESTAO, CRITICA, QUALQUER COISA É BEM VINDA, ABRAÇO--
R R Solaris
Enviado por R R Solaris em 04/09/2007
Reeditado em 19/09/2007
Código do texto: T637881

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
R R Solaris
São Paulo - São Paulo - Brasil
8 textos (1167 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 08:33)
R R Solaris