Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

26. DE VOLTA PARA O COMEÇO

Este texto é seqüência do texto 25. HOSPITALIDADE GAÚCHA

Nesse dia do mês de março de 1981, estando há mais de três messes distante de casa, em São Leopoldo, há 35 quilômetros de Porto Alegre, eu amanhecera em meu último trecho na BR 116 no Estado de Santa Catarina. Ao despertar, logo ganhara um amigo que mais tarde eu veria ser atropelado por uma carreta e nesse dia também iria conhecer dois extremos da hospitalidade gaúcha, sendo que um deles me deixara profundamente descrente, mas o segundo, pouquíssimo tempo depois, tinha mostrado que vale a pena acreditar nas pessoas, pois elas sabem mostrar solidariedade para com seus semelhantes, socorrendo os pobres aos pobres.
Após comer a comida que os trabalhadores tinham me ofertado no posto em construção, sentindo-me muito constrangido, disse-lhes que ia seguir viagem, mesmo que a chuva viesse sobre mim, pois tinha muito ainda que caminhar e não podia me dar ao luxo de perder uma tarde inteira.
Sob seus protestos, deixei o abrigo da cobertura da construção e tomei novamente a rodovia ruma ao sul, sendo açoitado pouco tempo depois por fortes rajadas de vento que vinham sobre mim trazendo quilos de areia. Cada vez mais o céu escurecido era rascado por relâmpagos poderosos e estrondos retumbantes ecoavam pelas coxilhas adjacentes. Numa curva para a direita fui atingido por um pingo d’água calibre doze, cujo estalo doeu em meu ombro. Logo veio outro e muitos outros começaram a seguí-lo, um aqui e outro ali. Sob esse bombardeio inicial, correndo como se os raios me dessem laçassos pelas orelhas, me acheguei para sob o telhado de uma porteira pretendendo me abrigar. Olhando dali via os pingos gigantescos cair sobre a terra poeirenta como minúsculas bombas, produzindo pequenas nuvens de pó. A intensidade do bombardeio foi aumentando e mostrando que se abrigar sob tão minúsculo abrigo de nada serviria, haja vista que as poderosas gotas caiam em sentido transversal me atingindo de igual modo. Sendo assim, achei melhor seguir viagem suportando os estalos doloridos dos pingos d’água, cuja freqüência aumentou de tal maneira que no asfalto plano a água encobria meus pés enquanto os relâmpagos e trovões pareciam passar cada vez mais próximos à minha cabeça.
Embora temeroso, segui sob aquela pesada chuva fazendo de conta que era dia de sol e percebi que por alguns minutos nem mesmo um carro passou pela rodovia. Pouco mais adiante, numa outra curva, vi um pequeno colégio azul tipo Brizola, de uma sala apenas, mas com uma boa varanda na frente. Para lá me encaminhei sem pressa, sendo que provavelmente a chuva tinha permeado minha pele e me encharcado até a alma.
Sentado no assoalho da varanda da escolinha, permaneci escorado na parede durante a meia hora seguinte, enquanto a chuva foi diminuindo lentamente. Mais tarde vi desembarcar na frente da escolinha um rapaz tipo caipira, que chegou num ônibus da Unesul vindo de Vacaria. Ao descer do ônibus, ele correu na chuva e sentou-se no assoalho da varanda ao meu lado, cumprimentando-me como a um antigo conhecido.
Após observar como eu estava molhado, ele comentou que ainda teria que enfrentar a chuva por uns oito quilômetros numa trilha de carros até chegar em casa, mas por enquanto ia ficar por ali esperando a chuva diminuir mais. Desculpou-se porque não poderia me convidar para acompanhá-lo, pois onde morava era propriedade de seus patrões, mas disse que poderia arranjar pousada numa fazenda há uns dois quilômetros na mesma trilha ao lado direito da escola, onde residia apenas o capataz com a esposa e duas filhas, sendo uma de quinze anos e outra de doze.
Ao saber que nessa fazenda havia uma moça de quinze anos decidi de imediato que lá não pediria abrigo, pois o que poderia pensar de mim com meus andrajos sujos e encharcados. Como poderia encarar uma moça com a aparência infame que me imaginava.
Apesar de minha decisão precipitada, enquanto a chuva demorou-se a passar, fui considerando que pior que enfrentar o possível olhar crítico de uma moça de minha idade seria passar a noite molhado naquela varanda. Por isto, quando o rapaz levantou-se para seguir seu caminho, acompanhei-o sob a chuva já bem calma, ficando à frente da porteira da fazenda que ele me indicou.
Pensava que ele iria me apresentar na fazenda, facilitando a chega, mas ele seguiu seu rumo após me desejar boa sorte. À distância de uns cem metros da primeira porteira havia outra, a qual eu não transpus, sendo que vi distante, a frente de um paiol, um homem com um guarda-chuva dirigindo-se a um mato.
Preferi esperar que retornasse. Assim, permaneci na chuva frente à porteira até que ele voltou tocando algumas vacas para o paiol. Então ele me viu e, dirigindo-se a mim indagou o que eu estaria fazendo na chuva sem entrar para me abrigar. Rapidamente, chegou-se à porteira e abriu-a, convidando-me para entrar no paiol e ir fazendo um fogo no chão enquanto ele iria pedir a sua esposa uma roupa enxuta para eu me vestir.
Por causa de meu braço destro acidentado, mal conseguia manejar o machado com o braço esquerdo, rachando a lenha com muita dificuldade. Logo o homem voltou e fez esta parte por mim, deixando-me apenas acender o fogo. Enquanto estive só, pensava temeroso na possibilidade de a moça aparecer e me ver em meus andrajos imundos e encharcados. Eu ficaria muito envergonhado. Nem teria coragem de encará-la. Porém, ela não apareceu, não sei se para meu alívio ou para decepção.
Imaginava que o homem me convidaria para jantar à sua mesa. Se fosse assim, então finalmente veria a moça de quinze anos, matando minha curiosidade, mas ficaria muito constrangido frente à ela, visto estar vestido com as roupas de trabalho do seu pai, tendo um barbante no lugar de sito. Após eu me aquecer tomando chimarrão com o homem junto ao fogo de chão, contando-lhe toda minha aventura, ele me veio com uma panela média cheia de comida com pedaços muito grandes de carne. A visão de sua filha fora adiada. Provavelmente ficaria para o dia seguinte, quando eu poderia, talvez, dar umas voltas pela fazenda e a veria no tanque lavando roupas. Após deixar-me a panela de comida, ele despediu-se dizendo que ficasse a vontade, indo dormir sobre algum monte de feno no sótão do paiol.
Deitado sobre um monte de feno, antes de o sono me arrebatar rápido como o fez, estive a pensar como seria estar frente a moça de quinze anos. Torcia que chegasse logo a manhã para vê-la. E se ela fosse linda e gostasse de mim, como eu faria para namorá-la, morando tão distante. O que ela pensaria ao me ver? Talvez me achasse um perfeito ridículo, principalmente vestido com as roupas de trabalho de seu pai, ainda com um barbante amarrado a cintura. Mas na manhã seguinte minhas roupas já estariam secas, posto que as tinha pendurado próximo ao fogo, mas continuariam ainda sujas, embora que fossem bem mais jovens que as do capataz. Decerto a moça não me acharia muito ridículo.
Na manhã seguinte, despertei com o cantar do galo e vi pela janela do sótão que nascia um dia ensolarado. Ao fundo, ouvia os ruídos da fazenda: cachorro latindo, gado mugindo e ruídos de pessoas no paiol tirando leite.
Desci cuidadoso, pensando que veria as mocinhas com a mãe a vendo-me admiradas a descer a escada. Junto às vacas estavam a mãe e a mocinha menor com o pai a tirar leite. Quando apareci, sequer olharam para mim, exceto o pai que me cumprimentou alegremente, apresentando-me a mulher e à filha, que somente disseram bom dia sem tirar a atenção de seus afazeres. A mulher me encheu uma pequena jarra de leite direto dos tetos da vaca, que o homem me alcançou com meio pão caseiro. Ao dar-me o leite fresco, ele cassou, dizendo que então eu sairia soltando puns pelo caminho.
Enquanto comia, procurei com os olhos a moça de quinze anos a tirar leite, mas sem conseguir encontrá-la. Enquanto me fazia companhia, o homem falou que estava precisando justamente de alguém como eu, que tivesse estudo, inteligência, força e fosse jovem, pois havia muito serviço na fazenda e uma moça na idade de casar. Disse que lhe parecera que eu era de boa família, sendo que percebera que eu usava boa linguagem e tinha uma conversa respeitosa.
Falei-lhe da minha honra por seu convite, mas que não poderia aceitá-lo, haja vista que tinha que retornar à casa de meu pai e acertar minha documentação. Na verdade, enquanto comia estive pensando em ficar, mas considerei que seria muito difícil a lida do campo por conta de meu braço ferido, sendo que sabia que essa vida não era fácil nem de outra forma, além que nem conseguira ver a moça de quinze anos, que se eu tivesse visto e me agradado teria me motivado a permanecer, com certeza.
Despedi-me com dois corações. A cada passo rumo à estrada eu pensava em voltar. Ao chegar na trilha, ainda olhei para a trás na esperança de ver a moça curiosa procurando me ver. Uma forte saudade me assaltou e tive a impressão de estar deixado um sonho para trás.
Na rodovia, segui direção ao sul sob um céu azul muito ensolarado. A vontade de voltar ainda era forte, mas continuei meu caminho. Após andar uns quinhentos metros costeando uma roça recém lavrada à direita, deparei-me com uma figura folclórica, um senhor vestido praticamente como o Chaplin, com chapéu coco e tudo, junto a rodovia pedindo carona como se fosse um jovem. Ao chegar, comentei com um sorriso de canto de boca que seria quase improvável conseguir uma carona ali. Ele respondeu com toda a segurança que logo pegaria uma. Mal terminou de falar e fez sinal a um Fiat 147, que parou e o levou. Entusiasmado, ataquei o próximo carro, coincidentemente, outro Fiat 147, que parou e me levou até Novo Hamburgo, onde fiquei na casa de uma das primas do meu pai. Ali tomei banho, ela lavou, costurou e passou minhas roupas. Depois de ouvir incrédula que eu, sendo bem mais pobre do que ela, tinha ido a São Paulo e estava agora retornando, me levou para São Leopoldo.

Wilson Amaral
Romance e Poesia
Enviado por Romance e Poesia em 06/12/2007
Código do texto: T766896
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Romance e Poesia
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil, 51 anos
26 textos (8571 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 02:42)
Romance e Poesia