Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A fazenda macabra

    Em uma certa cidade chamada cosmopolis um certo casal que avia acabado de se casar e comprado resolverao comprar uma casa nessa cidade para entao comesar uma vida,
eles forao  aprocura de uma bela casa onde pudecen ter seus filhos e assim velos crescer felis e contente, procurarao e procurao mas nao foi facil pois todas as casas q eles procuravao era muito alem do preço que eles podiao pagar.
    Ja cansados de procurar eles resolverao se assentar em uma praça e assim pensar no q fazer i onde passar a noite, ja se passavao das 5 da tarde e logo logo eria ficar escuro, ja sem saber oq fazer o jovem Carlos ficara com medo de durmir naquele lugarq  ele mau conhecera e tbm de deixar sua mulher ali para procurar onde ficar.
     Naquele instante um senhor que aparentava ter ums 50 anos de idade estava passando pelo lokal e viu q aqueles rostos erao novos na cidade, ele se assentou ao lado deles e puxou conversa:
 - voces sao novos aqui-disse ele o jovem respondeu:
 - sim somos o senhor falow:
 - deixe me adivinhar voces estao a procura de um lar certo e deu um longo sorriso que para Carlos pareu-se ser muito simpatico entao carlos respondeu:
 - sim estamos mas ate agora nao achamos nada eo senhor respondeu:
 - e voces estao pensando em durmir onde? nessa praça fria e nesses bancos duro? Carlos disse:
 - eh o unico jeito pois estamos sem muito dinheiro se gastarmos em uma pousada nao conseguiremos comprar uma casa pois faltara dinheiro e isso eh tudo oq temos disse ele, esntao o senhor muito pensativo lhe disse:
 - bom entao eu farei o seguinte: ja q eu moro com a minha mulher em uma fazendo q fica um pouco afastada daki chamarei voce e sua esposa para passar a noite conosco dai amanha vcs podem pensar no que irao fazer combinado? carlos felis pois ja avia perdido as esperanças concordou com um leve sorriso.
   Entao o velho se levantou e os convidou para seguilos, logo adiante deparao-se com uma carroça cujo nela estava uma senhora gorda de rosto rosado, essa carroça era puxada por um cavalo preto muito magro e com os olhos vermelhos q para carlos mostrava sinal de cansaço, o velho subiu na carroça e convidou eles para subirem sem pensar 2 vezes pois estavao cansados e famintos os dois jovens subirao na carroça e forao seguindo viagem.
   Logo que a velocidade da carroça ia ficando maior Carlos se deparava com a pequena cidade ficando pra traz, ele olhou para sua esposa e viu no rosto dela um rosto de uma pessoa asustada mas um pouco tranquila pois nao precisariao passar a noite naquela praça, o velho olhou para traz onde os jovens estavao sentados e disse ja estamos perto.
   A sua joven esposa sentiu um calafriu a avistar nao muito lonje uma fazenda com algumas vacas pastando e uma velha casa q aparentava ser muito velha.
a carroça foi diminuindo a sua velocidade ate q parou enfrente a uma porteira velha de madeira, a senhora gorda desceu da carroça e com um epurrao abriu a porteira dando passagem para a carroça q segiu por uma estrada de terra em direçao a casa velha.
   Sem passar muito tempo a carroça parou eo velho desceu, os jovens tbm descerao Carlos olhou para traz e viu a velha gordo do rosto rosado feichando a porteira e encaminhando-se na diresao deles, um velho cachorro branco mas marrom d etanta sujeir apula nas pernas da joven fazendo ea gritar de susto a mulher gorda vendo isso diz:
 - brutuz sai d eperto dela, cachorro imbecil e passando or eles dis - venha vou prepara o jantar.
   Eles a aconpanhao e entranao na casa, assim q entra a joven paula sente calafrios e um cheiro istranho percebendo isso o velho senhor olavo diz:
 - nao se preocupe com esse cheiro um lobo matou um dos meus cavolos i eu ainda nao tive tempo para enterralo amanha o farei, e se afastou da sala em diresao a cozinha onde se encontrava a velha gorda, eles escutarao ruidos de conversa vindo da cosinha logo depois o senhor olavo se aproxima e dis:
 - venhao vou le mostrar o seu quarto e saiu andando en direçao a um corredor q logo na frente avia uma velha escada, o velho se pos a subir bem devagar degral por degral a cada passo q ele dava a escada rangia paressendo q iria quebrar a qualquer momento, os jovems iao acompanhando passo a passo olhando envolta.
   A casa era velha nas paredes erao pintades de bege uma cor bem gasta com marca de umidade pro todos os lados, nas paredes tbm aviao quadros bem velhos em q nas maiorias aviao buracos causados por bolor, a jovem sentiu um leve cheiro de coisa velha, um cheiro diferente lembrava cheiro de couro velho ela se lembrou disso pos sua mae tinha uma bolça q tinha um cheiro semelhante.
  O velho foi se aprocimando de um quarto ele levou a mao a maçaneta e abriu ela no quarto avia um guarda roupa uma cama de casal e um criado mudo o velho disse:
 - eh aqui q voces vao passar a noite se acomoden logo chamarei pro jantar deu um sorriso e se afastou e fechou a porta.
   A joven paula lançou seu olhar pelo quarto ela nao gostava nada nada de passar a noite ali mas se sentia aliviada de nao ter q durmir na rua e se sentia segura pro ter Carlos aos eu lado para protege-la ela ficsou seus olhos sobre uma mancha de bolor e umidade que avia sobre a cama, ela vendo isso olhou para Carlos e disse:
 - nos vamos durmir sobre isso? vai q o teto cai sobre nossas cabeças enquanto durmimos indagou ela o marido a olhou e disse:
 - nao temos escolha ou eh aqui ou  naquela praça suja oq vc prefere? ela olhou e com e disse:
 - é vc tem razao aqui esta bem melhor e se asentou na cama, eles ouvirao passos e depois a velha os chamando:
 - venhao comer ja esta pronto.
    Os dois forao decendo as escadas a joven na frente e Carlos bem atraz dela, chegando na cosinha os dois se deparao com uma mesa farta cheia de comida e com uma garrafa de vinho, os dois se asentarao e sem exitar a mulher gorda disse coma avontade podem comer e beber, o velho olhou para a senhora gorda e deu um belo sorriso macabro sem deixar que os jovems percebesem.
    Os jovems comerao beberao mas mau repararao eles que o casal nao avia comida aquele tipo de comida mais sim uma parte q estava separada em um pote roxo uma espece de canja q tinha uma cor diferente e um cheiro tbm, a joven paulo olhou para Carlos e disse:
 -preciso me deitar nao estou muito bem carlos a olhou e viu q seus olhos estavao semelhantes ao do cavalo vermelhos e com aparencia de cansaço, pegando a pelo braço foi subindo a escada levando-a em direçao ao quarto chegando lah ele deitou ela na cama ajudou ela a tirar suas roupas e cobriu ela, em ceguida desceu para dar boanoite ao casal de senhores chegando na cosinha ele encontrou um ambiente totalmente diferente ja arrumado como se naquele lugar nao tivesse um banquete, achando muito estranho ele resolveu anda pela casa a procura de alguem ele foi seguindo pela casa procurando comodo por comodo ate que se deparou com uma porta de metal ele sentiu um cheiro diferente como se fosse de carne podre, logo ele pensou que ali nao poderia estar pois ninguem suportaria ficar em um lugar com um cheiro desses, mas quando ele estava saindo ouviu um barulho como se alguma coisa caisse no chao e logo ouviu a voz da senhora dizer:
 - seja mais cuidadoso eles podem ter ouvido e logo depois algums resmungos q nao deu para entender muito bem, Carlos lançou a mao a maçaneta e abriu a porta o cheiro ficou mais forte ele deparou com uma longa escada e la embaixo uma sala toda branca muito bem iluminada diferente de todo o comodo da casa, sem fazer barulho o jovem foi decendo degrau pro degrau ate chegar na beira da escada ele olhou os lados sem deixar que alguem visse o rosto dele olhando para o lado mais iluminado ele se deparou com o senhor ea senhora parados enfrente de uma mesa de metal com alguma oisa deitado sobre ela, ele nao conseguia ver direito por que na direçao em q ele olhava avia uma pequena bancada com augumas ferramentas entao ele se abaixou e foi se aproximando devagar sem fazer barulho ele levantou a cabeça e viu q paressia ser um corpo mas nao tinha certeza pois o velhoe stava tampando toda a visao dele.
   Quando o velho se afastou ele se assustou com oq vira e semquerer derrubou uma faca velha enferrujada q estava encima da bancada, o velho ouvindo o ruido olhou para traz e percebera que alguem estava ali, Carlos levou sua mao a boca e tentou diminuri sua respiraçao ao maximo para nao deixar o velho escutar, o velho lançou um olhar pela sala e  se calou Carlos esperou algums minutos e levantou a cabeça para se sertificar que estava tudo bem, quando ele olhou so avia o velho na sala a senhora tinha sumido.
   Carlos logo lembrou se sua mulher e saiu do jeito q tava daquela sala para correr ao quarto para se sertificar de q estava tudo bem, chegando la ele deparou com a cama vazia e toda arrumada e com um bilhete encima da cama q dizia assim:
 " me cansei de vc pensei q daria certo mas eu estava errada me perdoe fui embora pra nunca mais volta".
   Ele lendo aquilo nao acreditou pois a letra na era de sua mulher e tbm ela nao poderia fazer isso com ele nao agora nao naquele lugar ele sai correndo do quarto e se deparou com o velho trajando um avental branco e com um oculos velho e com um olhar diferente, olhando para ele Carlos perguntou:
 - onde esta paula? o velho com um tom de cinismo respondeu:
 - nao sei eu ouvi gritos e vim conferir se estava tudo bem, esta tudo bem? quando o velho perguntou isso Carlos viu uma sobra crecer por traz quando olhou para traz tomou uma garrafada q fez ele cair logo na primeira pancada, quando ele acordou se viu amarrado pelas maos e pindurado sem conseguir encostar os pes no chao, com do na cabeça ele olhou ao seu redor e viu paula tbm amarrado a algums metros a frente dele.
   Ele logo q viu ela começou a gritar por seu nome mas ela ainda estava desacordada, percebendo isso começou a chorar temendo a morte da moça, olhando ao redor procurando por alguma forma de se livrar dali enquanto olhava reparou que estava em outro lado daquela msm sala q ele vira antes, ao seu ladod eparaou com outros compors q tinhao seus membros removidos.
   Ele ouviu ruidos que vinha do andar de sima logo ele avistou a senhora trajando um avental branco e com oculos bem antigos e portando uma longa faca de ponta afiada, ela foi andando endireçao a paula e encostou a fana na perna da moça, vendo isso Carlos gritou:
 - se afsate dela sua louca, ela o olhou com odio e disse:
 - calesse pois voce sera o proximo, carlos começou a tentar se soltar mas foi em vao pois estava muito bem amarrado a mulher velah começou a cortar partes das pernas de paula que fez ela despertar com um grito muito assustador, carlos vendo isso começou a chorar e gritar, a mulher largou a faca e pegou uma serra e com ela começou a cortar a perna da moça, a moça desmaiara de tanta dor, a perna da moça caira ao chao com um som forte, a velha recolheu a sua perna e colokou sobre uma pia que ali dolado se encontrava entao  avelha se abaixou e pegou um pequeo machado virou o corpo da moça que ja estava semi nu e começou a golpialo com furia fazendo jorrar sangue por todos os lados.
    Carlos estava imovel sem saber oq fazer le faltava voz ele sabia q gritar pro socorro seria inutil, o velho a paresseu com uam serra nas maos e foi indo na diresao de Carlos que ja estava so de cueca, carlos gritando e chorando começou a sentir aquela serra lhe cortar um dos pes enquanto o cortava o velho ria, ria de um jeito que ele nunca tinha visto antes, le começou a gritar mais do que o normal o velho se infurecendo o soltou dali e deixou o joven sem um dos pes no shao sangrando muito, o jevem fez um esforço ara correr mas foi em  vao pois a dor era muito forte e intensa o velho o puxou pela perna Carlos percebeu que o velho nao estava mais com a serra na mao mas agoar portava uma pequena marreta.
    O velho o puxou para mais perto o virou e se asentou emcima dele de pernas abertas o velho levantou a marreta e começou a golpear a sua cara com toda sua força fazendo assim o rosto de Carlos ficar totalmente desfigurando, ainda com um pouco de vida ele olhou para o lado e viu a sua esposa tendo os seus olhos arrancados por um garfo e logo depois viu a velha comer os seus olhos equanto cortava asua cabeça, para Carlos aquele era o fim ele olhou para o velho e com um ultimo esforço perguntou:
 - por que? antes q pudesse recuperar folego recebeu uma marretada que pos fim a tudo
 ate hoje se tem historias desse casal de velhos que morao em uma fazenda afastada da cidade, se os fatos sao verdade isso ninguem sabe mas ningeum tem corajem o suficiente para ir lah investigar, o casal d evelhos nunca mais foi visto pela cidade ninguem mais tem noticias deles a anos, se estao vivos? ningeum sabe ninguem tem corajem d eir lah investigar, vc teria?
Gaara
Enviado por Gaara em 11/06/2006
Código do texto: T173604
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gaara
São Paulo - São Paulo - Brasil, 27 anos
1 textos (271 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 17:49)
Gaara