Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Estranha Epidemia Sangüínea

A pequena cidade de San Thiago era medíocre. Nada de especial no fato, pois o Brasil inteiro é de uma grandiosa mediocridade. Aliás, a humanidade, em termos gerais, é a própria entronização de tudo o que é medíocre. Medíocre no sentido de que só se valoriza o superficial em detrimento vergonhoso de todas as questões e criações profundas. De modo que os fatos ocorridos em San Thiago poderiam, sem problema algum, terem ocorrido em São Paulo, Rio de Janeiro, Buenos Aires, Nova Iorque, Londres, Paris, Tóquio, Pequim etc. O homem é uma vergonha. E seria imensamente vergonhoso o que aconteceu em San Thiago, não fosse, antes de mais nada, medonhamente horrível.

Sucedeu-se que a cidade foi bestialmente dizimada por uma devastadora epidemia até então nunca vista em todo globo terrestre, cuja origem permanece incógnita até para os mais ferrenhos estudiosos. Após a morte da última vítima da pestilência, não houve registro de nenhum outro caso onde quer que fosse. Alguns moradores próximos ao perímetro urbano de San Thiago (informo que a epidemia afetou somente a região urbana do município) afirmam convictos que a doença misteriosa teve sua origem ligada ao surgimento na cidade de um senhor muito velho, de barba e cabelos brancos, trajando roupas negras envelhecidas, de antigos modelos, cujo ar sinistro e nada amistoso chamava a atenção dos santhiaguinos e simultaneamente os repelia. O velho permaneceu por um dia na cidade, e conta-se que ninguém chegou a ouvir sua voz. Mas um homem a ouviu, e não só a ouviu, como foi incumbido pelo macabro idoso de declarar à opinião pública informações surpreendentes sobre a doença, as quais serão reveladas no momento adequado. O sabido de todos é que o mencionado ancião perambulou pela cidade observando tudo e todos, com terríveis olhares faiscantes, insufladores de verdadeiro pavor, e então desapareceu tão enigmaticamente quanto surgira.

O fato é que já no dia seguinte à partida do velho, ocorreu o primeiro caso da peste em San Thiago. A vítima foi uma jovem de 17 anos que foi levada às pressas ao hospital, e é desnecessário dizer que todos os esforços para tratá-la resultaram infrutíferos. A doença desconhecida era fatal, e em 3 dias a jovem estava morta. Mas o que mais chocou os médicos e familiares foi o comportamento da moça durante a enfermidade, algo absolutamente insólito. Para a vítima, ela não estava doente, considerando-se saudável, apesar dos estarrecedores sintomas. Foi carregada à força ao hospital, tratada à força e morreu sem saber como e por quê. Talvez acredite o leitor ser menos traumatizante morrer na inconsciência... Eu diria que, nesse raciocínio, melhor seria vivermos eternamente bêbados e não teríamos traumas jamais...

Ah, sim, os sintomas da enfermidade? Segundo alguns médicos santhiaguinos já falecidos (pela epidemia, é claro), que ainda tiveram tempo para realizar certos estudos sobre a doença e legá-los à posteridade, o período de incubação do vírus (pois tudo indica ser um vírus o agente causador), é de aproximadamente 24h. Então os olhos injetam-se assustadoramente de sangue, quase se deslocando para fora das órbitas. A febre surge rápida e violenta, ultrapassando os 40ºC. As veias inflamam-se e tornam-se repulsivamente visíveis sob a pele em todo corpo. Isso no 1º dia da enfermidade. No 2º, principiam-se as hemorragias, inicialmente pelo nariz e pela boca e, em seguida, pelos olhos, ouvidos, ânus e órgãos sexuais. A pele torna-se de um tom mórbido, arroxeado e escamoso. O doente então, no 3º e último dia, sofre uma perfuração no peito, que surge de dentro para fora, ocasionando enorme orifício que deixa visível o coração. Por fim, este parece explodir, e pelo orifício projeta-se uma torrente de sangue pútrido com pedaços do músculo cardíaco destruído. É o fim, obviamente. No entanto, o pior de tudo é o absurdo comportamento do enfermo. A vítima aparenta não possuir o mínimo conhecimento de sua própria doença, simplesmente não reconhece a brutalidade dos sintomas, pois não fosse a intervenção desesperada dos familiares e amigos, permaneceria vivendo “normalmente” até o instante inexorável da morte. De modo que  se acredita que o vírus também acometa as células do sistema nervoso central, ocasionando uma extraordinária alteração neurológica, capaz de convencer o próprio indivíduo que está em ótimo estado de saúde e que todos os sintomas são absolutamente inofensivos. O doente ignora sua degradação física e, mesmo com toda a hercúlea perda sanguínea, encontra forças para realizar todos os atos cotidianos. Conclui-se, assim, que um enfermo, se não for impedido, sairá pela rua tranqüilamente, deixando rastros de sangue pelo seu caminho, estando ele próprio embebido em seu líquido vital.

Através do exposto, torna-se claro que a misteriosa infecção afeta o aparelho circulatório e, secundariamente, o sistema nervoso. Quanto às formas de contaminação, ainda não foram devidamente esclarecidas, mas, devido à rapidez avassaladora de sua propagação, acredita-se que se alastre pelo ar. Então surge uma inquietante pergunta... Por que somente em San Thiago? Como não se espalhou para outras regiões? De onde surgiu tal moléstia fatal? Tudo o que se sabe é que na noite imediata à partida do enigmático velho, um clima extremamente insalubre se apossou dos ares da referida cidade. Os habitantes, que permaneceram acordados durante a madrugada presenciaram a chegada de nuvens negras, de estranhos formatos, tornando a noite um espesso breu denso e carregado. Do norte, ventava uma brisa quente, úmida, febril, sufocante. O calor era insuportável. Por todos os lados, relâmpagos eram avistados. Um clima angustiante e de maus pressentimentos abateu-se sobre a interiorana cidade. Não se divisava uma estrela, nem o mais tênue brilho da lua. Pelas atmosferas mórbidas, nenhum inseto esvoaçava, apesar de ser verão, e o silêncio sepulcral era quebrado somente pelo inquietante farfalhar das árvores, por uma miríade de berros de gatos desesperados e por lancinantes uivos de cães medonhos, que garantiriam ser de lobisomens, tamanha era a dor daqueles grunhidos. A insônia tomou conta dos santhiaguinos. Impossível dormir em tão pungente tensão e depressão do ambiente e da psique dos habitantes.

Apesar do clima de tempestade iminente, não caiu uma gota d’água. O dia amanheceu nublado, com o típico mormaço, mas estranho, desalentador. Foi o dia do início da epidemia. O primeiro caso já foi relatado. Nesse mesmo dia, mais 64 foram registrados. Os hospitais abarrotaram-se tenebrosamente. A partir do 2º dia da pestilência, o caos imperou na cidade. Eram tantos os contaminados que se tornou impossível controlá-los. Saíam pelas ruas esvaindo-se em hemorragias, era sangue por todos os lados, e julgavam os doentes tudo absolutamente normal, procurando realizar suas atividades cotidianas, sangrando por todos os orifícios corpóreos, sem a menor cerimônia. E todos os infelizes com os olhos injetados, pele arroxeada e escamosa, veias pavorosamente proeminentes, imundos de secreções sanguinolentas, eram monstros do Inferno de Dante. E os dias subseqüentes tornaram-se ainda mais dantescos. A epidemia propagava-se a uma velocidade sem precedentes, e já havia mais enfermos que pessoas saudáveis. Nenhuma medida poderia ser adotada. Ninguém se arriscaria a deslocar-se até San Thiago, e suas “autoridades” já eram vítimas da praga. O pior foi que a perturbação mental dos enfermos se agravou. Antes era apenas uma inconsciência. Esta se transformou em monstruosidade bestial.

As linhas que se seguem constituem uma débil tentativa de se descrever algumas cenas daquele cenário apocalíptico... Já é sabido que os infectados julgavam-se saudáveis e buscavam realizar os atos do dia-a-dia de forma inalterada. No entanto, por ignotos motivos, tornaram-se violentos ao extremo, capazes de ações diabólicas. Talvez a enfermidade tenha liberado nos doentes seus instintos mais animalescos, tamanha era a inconsciência dos desgraçados. Assim, por exemplo, aqueles que almoçavam em finos restaurantes, continuaram a fazê-lo, comendo o que havia, e se não havia nada, comiam com pão o próprio sangue e o dos companheiros, ou assassinavam-se para saborear a humana carne. E morriam por ali mesmo, tendo o coração jorrado em pedaços pelo orifício surgido no tórax.

Aqueles que diariamente bebiam cerveja com os amigos, bebiam agora cerveja com sangue. Ao acabar o alcoólico líquido, abriam o estômago dos parceiros já mortos e saciavam-se com a “cerveja” que ali estava. Na prefeitura e na câmara, os políticos  continuavam com seus tratos, tratados, trambiques, trapaças e tramóias, alagados no líquido sanguíneo, fétido, coagulando-se. Ali, realizavam, talvez, o grande sonho: comer o coração do adversário. As badaladas festas sociais, naturalmente tiveram prosseguimento, e, claro, toda a elite social, patricinhas e mauricinhos, os ainda vivos, estavam presentes, e, agora, a disputa de beleza era com relação aos olhos: quem os teria maiores e mais congestionados de sangue, o que para os doentes constituía-se autêntica maravilha. Então, na orgia sangrenta, delicadamente arrancavam-se os globos oculares, na invejosa briga para ver quem sairia em mais colunas sociais dos jornais santhiaguinos, que já tinham deixado de ser publicados, pois somente serviam para limpar sangue...

Os respeitáveis senhores que normalmente freqüentavam as casas de prostituição, logicamente, mantiveram a intocável tradição e penetravam as míseras prostitutas ejaculando... adivinhem... sangue! Isso mesmo! Enquanto pela boca, como tuberculosos terminais, asfixiavam as donzelas com violentas golfadas. Não, as meretrizes não os beijavam, o sangue é que jorrava implacável. E assim faleciam... Os amigos que idolatravam uma caçada, não a abandonaram. Só que agora partiam para matar e acabavam mortos, no meio do mato, servindo de repasto para urubus e graxains, numa  trágica situação inversa.

E a peste ceifou todas as vidas, enquanto para os infectados tudo não passara do comum e corrente da existência, o cotidiano. Eu disse que San Thiago era uma cidade medíocre. E morreram todos, não sobrou ninguém. Ninguém.

Ah, quase ia me esquecendo! Quem era o velho sinistro? Não sei. Mas prometi revelar as suas palavras dirigidas a um indivíduo habitante de uma cidade vizinha. Foi o seguinte: “Nesta cidade (San Thiago) será realizado um teste. Amanhã, recairá sobre ela uma peste infernal, mas que só afetará determinadas pessoas. Somente adoecerão aqueles que, em seu íntimo, julgam não possuir nenhuma responsabilidade com relação ao estado atual do mundo, morrerão unicamente aqueles que têm plena certeza que não possuem culpa alguma em absolutamente nada e que suas vidas normais em nada afeta o planeta e a humanidade, pensando serem exemplos elevados de homens e mulheres honrados e magnificamente dignos.”

Meu Blog : www.poemasdoterminoecontosdofim.blogspot.com
Alessandro Reiffer
Enviado por Alessandro Reiffer em 12/08/2006
Reeditado em 23/08/2006
Código do texto: T214874
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alessandro Reiffer
Santiago - Rio Grande do Sul - Brasil, 38 anos
289 textos (23235 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:57)
Alessandro Reiffer