Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Fim Inaceitável de Cada Um de Nós (Parte II)

E enquanto eu agonizava em meio à destruição absoluta, refletia desesperado sobre todas essas tragédias, e pensava sobre a corrosiva indiferença que foi lentamente carcomendo o espírito humano, a desoladora verdade de que nada era capaz de tocar a sensibilidade das robóticas populações. O homem habituou-se ao horror que dominou os quatro cantos da Terra. Nem a fome, nem a violência, nem o massacre ambiental, nem os genocídios, nem as piores atrocidades, nada, absolutamente nada mexia com os sentimentos da grande maioria da civilização. E o reinado do horror e da morte ascendeu triunfante sobre a humanidade.
E era verdadeiramente intolerável a tristeza que causava a visão de todas aquelas multidões semimortas, escravos da matéria e da vulgaridade mais rasteira, seres que não encontravam o menor sentido para suas vidas e, assim como assassinaram sua alma, acreditavam também que todos os outros seres e astros do universo eram desprovidos de espírito, que não passavam de amontoados, aglomerações de átomos a formar um ser mecânico e insensível como tornou-se a humanidade. Para os humanos, não havia vida no universo, não havia ordem, harmonia ou equilíbrio, somente caos. Como o caos reinou em nossa civilização, assim pensava o homem, deveria ser em todo o cosmos.
E esquecidos de tudo o que era elevado, mortos a tudo que era sublime, cegos à superioridade da alma, a humanidade apenas buscava viver a mediocridade de uma existência imediatista, com a miserável mentalidade de “aproveitar a vida”, sendo este “aproveitar” sinônimo de consumir o maior número de produtos possíveis, entupir-se de alimentos e bebidas, divertir-se bestialmente e despejar no sexo os estresses do trabalho escravizante, das existências vazias, dos problemas eternos, insolucionáveis, até que viesse a morte e acabasse com tudo. Ninguém se importava em buscar um conhecimento superior, em compreender verdades maiores sobre a vida e sobre o universo, em sobrelevar-se espiritualmente sobre a miséria da humanidade. E tal civilização de desalmados herdou a terra...
É lógico que nosso fim chegaria, ainda que todos fingissem que não, que tudo estava muito bem, ou então, fingiam que seria possível resolver a irreversível situação. Aliás, fingir, apresentar grandiosas e irrepreensíveis aparências, tornou-se a maior especialidade desta civilização de víboras. A regra geral era aparentar tudo e não ser nada. O importante era a imagem de honestidade, de bondade, de profundidade, não tais qualidades em si; importava o que os outros pensassem que fôssemos, não o que realmente éramos. Aliás, o que era o homem?
Inquestionavelmente, a humanidade tornou-se egoísta em sua totalidade, ainda que aparentasse um enganoso amor, uma enganosa fraternidade, uma falsa justiça. O ser humano até poderia ser fraterno, desde que com isso ganhasse alguma coisa ou que, no mínimo, não perdesse nenhum centavo com seu ato caridoso. Tinha-se que ganhar algo sempre, o lucro era imperativo, ainda que tal lucro fosse de caráter falsamente espiritual. Porém, o lucro final, o grande lucro definitivo foi o horror absoluto, a desgraça suprema que impera em meu redor.
Todavia, o pior de tudo foi que a maioria esmagadora das pessoas julgava-se correta, ninguém tinha culpa de nada, cada um considerava-se a mais certa pessoa do mundo, sempre se encontrava uma maneira de justificar seus próprios erros, de lavar as mãos, de subtrair-se de sua própria culpabilidade. Quem admitiria sua parcela de culpa no horror que assolava o planeta? Não, ninguém o faria, era preferível colocá-la no vizinho, no estrangeiro, no governo, no irmão, no destino, em Deus, no diabo, mas nunca em si próprio. E até freqüentava-se pseudo-religiões que soprassem nos ouvidos humanos uma vida fácil, isenta de responsabilidade, de culpa, de real compromisso com a humanidade, com o planeta, para que cada indivíduo julgasse o melhor possível de si mesmo. Ademais, muitos pensavam: “Por que devo fazer minha parte se os outros não fazem a sua?” Então, dessa forma irremediável, o planeta foi morrendo, não suportando tão absurdas agressões, e, com ele, morria a humanidade já sem alma, pois “o exterior é o reflexo do interior”...
        E, agora, só o que desejo é a Morte...
Eu ainda poderia falar do sexo, no que ele se transformou, mas estou exaurido, estou morrendo. Portanto, basta. Calo-me.
Apenas finalizo bradando aos negros céus e perguntando onde agora estão os grandes homens... Para onde foram os gênios? Onde estão a elevação da Arte e os grandiosos sentimentos? O que foi feito do verdadeiro homem, meu Deus? O que nós fizemos com ele? O que fizemos com o que havia de melhor em nós?
Mas... agora... agora sei que morro... Vejo aproximar-se uma luz, uma luz tão bela como há anos não vejo, cego que estou em meio a essa medonha escuridão causada pelo inverno nuclear. Ali, ali vejo a luz aproximando-se, serena e sublime... O que será, meu Deus! o que será ela? Distingo algo como olhos, olhos de luz, tão grandes, tão calmos, tão belos... Olhos femininos que agora me consolam tanto! Lá do alto eles vêm, ouço um bater de asas, será um ruflar de asas!? E aquela luz, aqueles olhos calmos, femininos, eles vêm... e eu..
                                                             
Meu Blog: www.poemasdoterminoecontosdofim.blogspot.com.br
Alessandro Reiffer
Enviado por Alessandro Reiffer em 18/11/2006
Código do texto: T294404
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alessandro Reiffer
Santiago - Rio Grande do Sul - Brasil, 38 anos
289 textos (23239 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:58)
Alessandro Reiffer