Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Sacerdote da Dor - Cap. I " O Chamado"

  Passos rápidos rasgam a calçada num ensolarado e quente dia, o dono dos passos adentra um antiquario. André. Esse é o nome dele.
Entrou e foi logo perguntando se alguma novidade havia chegado ao dono da loja, um senhor judeu com cerca de 60 anos, chamado Sorel.
  André estava atrás de jogos. Era um apaixonado por quebra-cabeças dos mais variados tipos. Era uma forma de amenizar, ou as vezes até mesmo esquecer suas dores, tanto as fisicas como mentais. Estava sempre com dores. Ou uma crise de enxaqueca alucinante, ou seus nervos e musculos sendo repuxados, ou sua consciencia pertubando-o.
  O velho Sorel, lhe mostrou um pequeno globo de madeira, com inscrições, junto com ele um livro chamado " O Sacerdote da Dor", escrito em diversas linguas, segundo o velho se tratava de um jogo de origem persa. Instigou. André sentiu um desejo incontrolavel. Comprou.
Uma pequena fortuna. Seria válida? Parecia estar certo que sim.
  Chegou em casa foi direto para seu quarto. Deixou o jogo e o livro sobre a cama, ligou a tv, colocou um dvd, " Pulse", deu play e se jogou na cama. Abriu o livro.
   " Aqueles que querem prosseguir devem abdicar de sua alma" . Riu. Sempre ria de jogos que tentavam lhe assustar.Não acreditava em lendas, feitiços e coisas assim. O mais estranho é que só aquela frase estava em português, e parecia que se repetia em centenas de linguas por todas as paginas do livro. Examinou melhor o globo, parecia sólido com varias inscrições sem significado aparente.Desmontou-o. Remontou-o. Nada. O que queria dizer aquela frase nas paginas do livro?
   - Ok. Eu abdico minha alma pra entender os mistérios desse jogo!

  Desmontou-o novamente. Parecia saber o que estava fazendo. Consultou o livro. Arrepio. Estava tudo lá. Segundo aquilo havia duas formas de resolver o jogo, ou transformando o globo num cubo ou em uma piramide. Com resultados diferentes pra cada formação. Ao "fechar" a figura devia se ler a inscrição na figura.
  André não deu a minima bola pra aquilo tudo. Se sentou na cama e passou horas a fio desmontando e remontando. Até que chegou em uma encruzilhada. Duas peças faltando. Formar o cubo ou a piramide?
Piramide. Decidido. Feito.
  - " Ao abdicar de sua alma, abdicou também de sua existencia nesse plano.Rhodes o espera" - André leu a inscrição que circundava a piramide.
   Barulho.Parece tecido sendo rasgado.Gargalhadas,correntes.Medo.
Frio percorrendo a espinha. O espelho de frente a sua cama tremendo.
Correntes saindo dele.Quatro.Ganchos na ponta. A primeira se prende aos labios de André. A segunda em seu ombro esquerdo. A terceira no direito. A quarta e ultima em seu abdomen. É arrastado pra dentro do espelho. Sangue no chão. Pouco. Mas vermelho vivo. Cacos do espe-
lho. É tudo o que resta no quarto vazio. Nada mais jazia ali.

                     *** Fim do Cap. I ***
Arashi
Enviado por Arashi em 12/10/2007
Código do texto: T691286

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Arashi
Sumaré - São Paulo - Brasil, 32 anos
12 textos (1866 leituras)
1 e-livros (44 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 04:02)
Arashi