Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Manitu

 Manitu (Conto Egípcio aos deuses de Amom-Rá)


 O vento soprava como os hieróglifos estampados nas tumbas maravilhosas dos faraós que jaziam mumificados, esperando o retorno do mundo das sombras.
 O arauto do filho bem-amado dos deuses de Rá veio espreitar Manitu em nome daqueles inumados em poderosos sarcófagos.
 Com um espasmo violento ela acordou: o intimo de sua alma foi tocada.
 Seus pensamentos estavam perturbados. Foi se lembrando aos poucos os malditos sonhos que tivera.
 - Anúbis, pensou ou lamentou.
 Pela pena da deusa Maat ela pôs os olhos em à mão direita. Estava seca, murcha, horrível.
 Manitu então se arrependeu de tocar na poderosa Caixa Mística de Anúbis, que feneceu seu membro.
 “ Era uma noite erma e sombria e sob Mênfis encontrou o Tesouro dos Mortos do filho de Osíris que contem os enigmas das esferas transcendentais- o Khert-Neter.
 Em seus olhos ela estava sob o domínio dos mortos, por isso o mensageiro do Duad penetrara em seus sombrios devaneios oníricos.
 Todas as formas antropozoomórficas do mundo - dos homens e dos deuses - passaram por sua vista e ela tudo conheceu.
  A mulher ouviu agônica a palavra silvantes:
 - Manitu! Oh, Manitu! Venha buscar as outras esferas do além-túmulo.
 - Maldito Hórus, o deus-falcão. E malditos aqueles que o encarnou – assim como no deus Seth – nos faraós, pensou.
 Ela fechou um olho e pensou que talvez fosse aquela onda profunda de pesadelos que Hórus lançou em seus descendentes.
 Fechou o segundo olho e tudo na esfera negra se dissipou, como a tempestade que se acalma no deserto.
 Manitu pensou estar louca. Mas a imagem do Ká de Osíris que viu nas dunas vermelhas era real. Imaginava coisas inauditas e nefandas?
 - Ao inferno Anúbis e seus arautos, seus templos dourados e também essas caixas secretas que fenecem o corpo, disse.
 Sentiu-se leve e até feliz ao proferir essas injurias contra os deuses. Depois riu zombeteira:
 - Há, há, há! Há, há,há! Há, há, há, há, há!
 Abriu os olhos e sentiu-se estar três vezes mumificada viva e lacrada em sarcófago quártuplo: havia uma forma negra, com corpo de homem e cabeça de chacal, em sua frente.
 A coisa hibrida ou o deus disse:
 - todas as suas formas, látegos da existência, conspurcam o bem do movimento universal. Venho levar-lhe para que você possa alcançar, nas esferas desconhecidas, todas as suas mil formas e aspectos e assim as profecias dos antigos se cumprirão, siga minha voz ó Manitu metamorfa.
 Manitu realmente achou estar louca. A sombra, que era Anúbis, beijou-lhe a mão e desapareceu. A mulher de mil formas saiu do transe.
 - Foi apenas um terrível sonho.
 Mas um sinal mostrou-lhe toda a verdade: o hieróglifo obscuro do deus da morte, o chacal, se encontrava gravado em sua mão murcha, a mão como a das múmias.
 A voz do deus da morte, Anúbis, no Khert-Neter – a Terra dos Mortos – a chamava para aflorar suas mil formas...
lord edu
Enviado por lord edu em 15/10/2007
Código do texto: T695575
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
lord edu
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 28 anos
65 textos (4663 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 14:24)
lord edu