Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meu Amor é um Vampiro




Eu era tão inocente àquela época... Tinha em torno de quinze anos, vivia com meus pais e minha irmã mais velha. Minha vida era estudar e jogar vôlei no time da escola. Obediente e comportada, assim eu era. Nem namorado eu tinha. Não me interessava por nenhum daqueles garotos bobos que não conseguiam sustentar um assunto sequer. Era assim a minha vida, na pequena cidade em que eu morava. Lá, nada acontecia. As estações do ano passavam, inverno, verão, outono, inverno. Alguns partiam, mas ninguém chegava. Mesmo assim eu gostava de viver lá.
Um dia ele chegou. Apareceu na cidade em um potente carro negro, que eu jamais vira igual. Alto, elegante, cabelos negros caindo pelos ombros. Apaixonei-me imediatamente. Ele se instalou em uma enorme casa, no alto da colina, um tanto afastada da cidade. Todos estranharam. Por que aquele homem fôra viver lá? Aquele era um lugar maldito. Eram as ruínas de um antigo orfanato que se incendiara, misteriosamente, há mais de 40 anos. De repente, começaram a surgir operários de todos os lados e em pouco tempo, se erguera uma bela casa. Apesar da beleza que ficara o lugar, ficamos chocados. Por que Ian escolhera um local feito aquele?
Ian, este era o nome dele. Viera acompanhado de uma mulher de cabelos vermelhos, tão linda quanto ele era. E ainda é. Abriram um restaurante na cidade e eu não demorei a passar por lá mais vezes que meus pais gostariam. Ian encantou-se logo por mim, apesar da beldade que dividia a cama com ele. Toda as mulheres da cidade sentiam um encantamento por ele, assim como os homens se cutucavam quando viam Verena passando. Eu nunca os via de dia e não estranhava isto, apesar dos comentários. Minhas notas começaram a despencar à medida que meu amor por Ian aumentava e sua atenção por mim era redobrada.
Os animais de estimação da cidade começaram a aparecer mortos. Alguma fera entrava em nossos quintais e jardins e atacava nossos bichinhos com violentas mordidas no pescoço. A rotina da cidade se alterou. Todos ficaram com medo. Menos eu. Conseguia dar um jeito de ir ao restaurante, onde Ian me recebia com toda sua gentileza. Verena parecia nem se importar. Mentia aos meus pais que ia estudar com uma amiga, algo totalmente fácil de desmentir, já que tantos conhecidos do meu pai me viam em torno de Ian quase todas as noites lá no restaurante.
No dia em que fui expulsa do time de vôlei por mau comportamento, as coisas pioraram para o meu lado. Só tinha autorização para ir até a escola e voltar. Meu coração sangrou. E Ian? O que eu faria sem ele? De repente, meus pais descobriram que minhas saídas noturnas eram para outros fins. Eu queria morrer, presa no meu quarto de castigo, sofrendo de saudades de Ian.
Acordei, certa noite, sentindo uma presença estranha no meu quarto. Sobressaltada, sentei-me na cama. Na penumbra, consegui visualiza-lo. Ian estava lá, sentado em uma poltrona, observando-me. Aconcheguei-me nos braços dele, beijamos-nos e ele ignorou minhas perguntas de como havia conseguido entrar no meu quarto. A janela estava aberta, e ele só poderia ter entrado voando! Mas aquilo deixou de ser importante para mim. Ian estava comigo e isto era a melhor coisa do mundo. Ele foi embora depois de algum tempo, não sem antes de me dar uma mordida no pescoço. Gemi, pois senti os caninos dele penetrando na carne. Porém, de tão apaixonada, não me importei.
Ele repetiu a visita noturna várias vezes. E a cada visita eu ficava mais fraca. Lá em casa, notaram que eu parecia um zumbi. Mal tinha forças para ficar em pé. Escondia as mordidas de Ian levantando a gola. Outra noite ele sugou meu sangue pelas veias do meu pulso. Na noite seguinte, não consegui me enxergar no espelho. Meus caninos pareciam que haviam aumentado de tamanho. Sentia sede. Sede de sangue. Eu já sabia no que havia me transformado. Meu amor é um vampiro. E eu também. Descobri isto naquela noite quando me debrucei da janela e sem querer, projetei-me no ar. Não me estatelei como esperava que acontecesse, mas saí voando pela noite, iluminada pela lua cheia, indo atrás do amor que me acompanha pela eternidade.
Hoje, eu e Ian vagamos pelo mundo, com nossa legião de vampiros. Verena também está conosco, mas Ian é meu amor. Ele é o príncipe das trevas e eu sou sua mulher. Apaixonei-me por um vampiro e agora sou uma não-morta. Minha inocência, minha família, abandonei tudo em nome de um amor das sombras. Minha sede de sangue aumenta a cada noite e a nossa legião de vampiros cresce na mesma proporção. E, você, tenha cuidado. Eu estou por perto.
Patrícia da Fonseca
Enviado por Patrícia da Fonseca em 09/04/2006
Código do texto: T136300
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Patrícia da Fonseca
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 46 anos
572 textos (37855 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:38)
Patrícia da Fonseca