Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CASAS MAL-ASSOMBRADAS

      Ainda hoje é comum, no interior do Nordeste brasileiro, suponho que em todo o País, ouvir-se falar de casas mal-assombradas. Em geral, são casarões antigos, à maneira das casas-grandes, propriedades de senhores semifeudais, com ruínas de senzalas ao lado, onde se presume ter havido alentada safra de escravatura ou onde ali haja residido algum gajo endinheirado, protetor de jagunços, usurário, bem unha-de-fome, ou de índole sanguinária.

      Na Capital, essa tradição das “visagens” é muito menos e, quando elas acontecem, têm uma particularidade: a virulência e o espalhafato dos fenômenos. Estes se dão com semelhanças de fenômenos paranormais e não são nada toleráveis. Os acontecimentos daí decorridos são traumáticos, arrepiantes e causam um tremendo rebuliço à vida dos moradores da casa que sedia as assombrações.

      Os fatos mal-assombrados e as fantasmagorias de antigamente eram, ao que nos parecem, de muito menos aterrorizar e giravam em torno de “almas penadas”, que ainda viviam no limbo, sem proporcionar danos materiais ou físicos às pessoas; entidades que, se não eram de bom viés, também não se tornavam visagens ou “coisas do outro mundo” tão espalhafatosas e ocasionadoras de mórbido pavor.

      Nos velhos tempos, às altas horas noturnas, geralmente por volta da meia-noite, os habitantes de uma casa em que havia aparições, ou visagens, apenas ouviam passos, alguém a arrastar cadeiras, batidas suaves na mesa ou no fogão, uma voz cavernosa, à distância, uma tosse seca de indivíduo tísico, um vulto indefinido passando, e assim por diante.

      Dessa forma, as almas penadas eram, por assim dizer, personagens do além, mas com um nível razoável de tolerância e civilidade. Davam preferência para aparecer às visitas, muito menos aos da casa. Assim, amedrontavam, contudo não infernizavam os habitantes, como nas “lendas urbanas”, onde estas se fazem com feio fuzuê, supõe-se que mediante a presença do capeta, ele mesmo em pessoa, pura e simplesmente. E outra coisa: de muito em raro as visagens rurais apareciam às crianças. Respeitavam-nas, com carinho.

      Minha mãe tinha um tio, com propriedade plantada num sítio muito ermo, de nome Calção, no qual afirmavam que as pessoas que lá dormiam ou viam e/ou ouviam coisas estranhas. Até mais se futricava que no casarão havia era dinheiro enterrado, uma baita botija, cheia de moedas de ouro e muitos patacões de cobre e prata. Acho que esta invenção era para valorizar mais ainda o mal-assombro da casa de Seu Malaquias, lá entre socavões de serras e tão afastada da civilização.

      Certa feita, sendo ainda muito verde, uma bobagem de menino miúdo, e nem me recordo em que circunstâncias, junto com um meu irmão, lá na tal casa do tio Malaquias eu pernoitei e nada vi de anormal nem paranormal. Também, ainda projeto miúdo, àquela época eu dormia era sob um sono de chumbo. Além de nem saber dessas histórias que só depois passei a ouvir da casa do sítio Calção, eu lá me ia importar com visões contadas pelos adultos! De jeito nenhum, que menino é bicho pragmático e dorme feito uma pedra.

      Já desfiei, nestas mesmas páginas, assunto sobre o “cão da Itaoca”, um bairro de Fortaleza, cujo personagem dançante, numa residência, era bastante tinhoso e pregava sustos homéricos no coitado do pessoal, onde ele, coisa-ruim e muito revel, aparecia. Eram objetos voando, dançando a valsa vienense, e focos de incêndio, aqui e ali, e por aí vai. Noutro bairro, o São Cristovão, faz menos de década, idem – uma série de danações, até com o testemunho da imprensa.

      Este ‘causo’, aqui, ó, a respeito de casa mal-assombrada, vem ao encontro de uma notícia ouvida, ontem, domingo, num programa local, de tevê. O apresentador, cheio de prosa, municiado de um repórter que esteve ‘in loco’ e uma testemunha ocular do acontecido, fez praça de guerra de um fenômeno paranormal que se vinha passando, até a última terça-feira, no 1º de junho, e antes seguidamente por mais de uma semana, em um lar, na cidade de Tabuleiro do Norte, que, por sinal, está comemorando os seus 52 anos como município. A casa, segundo os dois informantes, repórter e mocinha assustada, fica bem ao pé de um campo-santo, tal se diz ainda no interior.

      A moça apresentada no programa de auditório revelou que, estando dentro de um carro, à porta da casa eleita pelo mal-assombro, teve o seu corpo todo enlaçado por uma corda que voara não se sabe de onde. O repórter-radialista e a dita jovem sentenciaram – de quebra – que um padre, Igreja da Romana, e um pastor evangélico, chamados para exorcismar o que de errado fosse, presenciaram vários objetos dentro e/ou vindos de fora da casa jogando-se ao ar, que nem numa guerrilha de brincadeira de crianças.

      Estrago freio nos eletrodomésticos da dama ofendida, a dona da casa. Uma danação grande de prejuízo fora efetivado nos trecos da família, que já não aguentava mais a multidão a invadir tudo quanto eram dependências do lar possuído, quiçá pelo coisa-ruim. E um filtro de água pegou fogo e várias peças de roupa queimaram parcialmente, sem nem ninguém passar o ferro; e até coisas da geladeira pulavam fora; e uma faca velha enferrujada voou e feriu de leve um curioso que se metera a ser besta.

      Outro sujeito que fora para constatar a ocorrência, desses bobões metidos a cético, dissera que só acreditaria vendo a coisa com os próprios olhos. E, ali na tocaia da espera, ao tomar uma xícara de café, zás, o bule, já em repouso, saltou e foi-se ao longe.

      Ave, cruzes!... Coisa mais estapafúrdia. Rapaz!... Meus irmãos de crença nessas de exotismo e transcendência, não estou nem aí para saber dessas coisas, não. Em pessoa, por mim mesmo, e com licença de vossemecês, eu creio em mal-assombro, com toda fé de verdade; mas, já desacreditando, vou sempre é crendo, outra vez, sim e não. Só não meto é a minha santa mão no fogo por tais e quais arrumações.
                                                                          Fort., 07/06/2010.
Gomes da Silveira
Enviado por Gomes da Silveira em 07/06/2010
Reeditado em 07/06/2010
Código do texto: T2304895
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gomes da Silveira
Fortaleza - Ceará - Brasil
2531 textos (107498 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/11/14 20:56)
Gomes da Silveira



Rádio Poética