Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Viagem Fantástica



Vem de anos… eu sonhava que havia um lugar tão lindo, que era quase paradisíaco. Possuía águas cristalinas, dava para enxergar os pés. O mar era uma piscina. Na tormenta em que eu passava, aquilo deveria representar o meu porto seguro, o lugar onde eu queria estar para fugir das coisas que me amedrontavam, que me faziam chorar todas as noites, com a cabeça enfiada no travesseiro para que ninguém percebesse que eu tanto sofria. O único problema é que nesta minha viagem pelo mundos dos sonhos, até isto não me era permitido. Eu chegava aos portões do paraíso. Via a tudo que me encantava. Podia até estender a mão. Mas nunca podia entrar. A minha viagem terminava ali. E então eu acordava de manhã, lembrando dos lugares lindos por onde eu havia passado, dos muros que me impediam de alcançar a felicidade que o mundo real também teimava em me negar.
Uma noite meu sonho foi bondoso comigo. Eu ultrapassei os portões. Quando me dei conta, estava lá dentro. Ainda bem que não acordei. Pude caminhar pelas ruas de um lugar que só existe quando você dorme. Ele não pode ser real. É lindo demais para ser verdadeiro, foi o que pensei quando lembrei de tudo, ao acordar de manhã. Eu me banhei em uma praia que nunca havia ido. Conversei com pessoas que nunca vi. Amei um homem que nunca existiu. Certamente que acordei com um vazio no coração. Dizem que o sonho dura segundos. Eu vivi uma noite inteira. Vivi como nunca havia vivido minha vida até então. Briguei com Deus porque ele não me dera uma vida igual como aquela. Bom, de qualquer forma, nunca mais sonhei com aquele lugar. Minhas tristezas passaram, voltaram, eu ri, eu chorei, amei, perdi amores também. Lutei contra meus medos, imaginando se um dia eu retornaria àquele lugar que existe só quando eu fecho os olhos à noite para dormir ou sonho acordada tentando fazer da minha realidade uma viagem fantástica.
Só que eu nunca desisti de bancar meus sonhos, estes que a gente enxerga quando está de olhos abertos, no meio da multidão, do transito, no chuveiro ou ao lado do homem amado. Eu jamais para lá voltei e meus sonhos nunca mais foram como aquele. A diferença é que nesta viagem que faço pela vida, eu me agarro em tudo aquilo que pode me fazer feliz. E eu tenho certeza que um dia eu vou ultrapassar novamente aqueles portões.  Desta vez, eles serão reais.

Patrícia da Fonseca
Enviado por Patrícia da Fonseca em 10/09/2006
Código do texto: T236826
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Patrícia da Fonseca
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 46 anos
572 textos (37855 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:44)
Patrícia da Fonseca