Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Apego

Certa noite sonhei que estava em meu quarto, na penumbra, a vagar.

E uma força, um magnetismo, um apego, um não-sei-o-quê me guiou até a minha parte do armário. Sim, o meu armário barato, mas que me representa em tudo, na completude da minha loucura, da minha qualidade de menina-mulher confusa, pensativa e fugitiva da realidade.

Com um gesto leve e até mesmo gracioso abri as portas... De súbito, luz!!! Luz, tanta luz, de cegar...

Mas ao tentar tatear em meio a luz absurda e quase mística, percebi que não havia mais nada no meu espacinho... Meus objetos tão adorados, partes de mim, não lá mais se encontravam!

Uma decepção tornou-me trêmula, a chorar, a resmungar num murmúrio tolo... Ao pedir a volta dos meus objetos tão queridos, tornava-me eu cada vez mais desesperada...

E de tanto ouvir ecoar em minha mente o meu próprio lamúrio fui tornando-me tonta, até que as vozes do meu desespero silenciaram-se e adormeci apoiada no vazio do armário.

Até que bem baixinho comecei a ouvir música! Sim, e parecia vir da flauta-doce nunca tocada por alguém de minha casa, e que ficava abandonada em meu armário.

Junto à música surgiam cochichos, e tais cochichos aumentavam mais e mais, com o tempo, se é que se podia conceber o tempo em meio a tanto delírio...

Os cochichos mais baixos, na base desse côro onírico, falavam trechos dos livros que estavam guardados em meu armário, até os trechos que eu não havia chegado a ler!

A voz principal, como a de um anjo, algo indefinível entre os dois sexos, dizia: - O que te desespera é a ausência dos objetos? Quanto apego inútil... Todo o conhecimento está aqui! Toda a poesia está aqui! Tudo está em meio à canção inaudível aos ouvidos comprometidos com a matéria... E é tudo seu!

E ao fim da sentença, fui abruptamente jogada em minha cama, como se um vento muito forte tivesse me carregado, assim como prontamente as portas do armário foram fechadas, e a penumbra voltou.

Ao que adormeci na minha cama, adormeci em meu sonho.

Artista Multiface
Enviado por Artista Multiface em 11/08/2005
Código do texto: T41837
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Artista Multiface
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 33 anos
11 textos (746 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:34)
Artista Multiface