Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conto Publicado pela primeira vez no Arscientia em agosto/2005



UM ÁTIMO FORA DO TEMPO-ESPAÇO

Houve um instante em que percebi com toda a clareza da consciência, que existiam dimensões diferentes daquela na qual respirava. Como quando dentro do táxi, subindo uma das principais avenidas da cidade, o trânsito quase engarrafado.
 
A via era de mão única. Naquele instante tudo pareceu não convergir para um só ponto: ao fim daquela reta, qualquer rota poderia ser tomada por cada cidadão. O todo era somente aparência, sim, aparência essa coisa linear da vida, eu soube.
 
O céu pincelado de azul e branco apagados era como uma tela velha ao fundo da ilusória concretude da cidade grande. Veio a sensação apurada de um saber que antes só aventara na imaginação, quando lia sobre mundos paralelos ou com eles sonhava. Lá estavam, pois, o céu e tudo mais em volta: pessoas, carros, calçadas, lojas, poeira, sons de buzinas, vitrines, semáforos, e até o silencioso motorista do táxi, o taxista e seu silêncio, pareciam irreais, ou pelo menos não exatamente os mesmos agora.
 
Eu estampava uma fisionomia grave, mas a alma estava tranqüila. Naquela luz de segunda-feira à tarde, em pleno trânsito, fui capaz de entrever outra configuração da realidade, e nem pensava àquela hora em tal possibilidade. Apenas fazia o percurso do Centro até minha casa, calada e cansada, quando a coisa se deu: percebera a transparência entre uma e outra dimensão, ou a fluência entre elas. Ainda não podia entender em palavras o evento.
 
Comoveu-me mais foi a estranha certeza que, após o fenômeno, poderia evocá-lo quando quisesse. Sabia que estava sendo abençoada com uma espécie de Iluminação. Pensei que o fenômeno pudesse ser uma resposta ao meu processo de buscas inquietas, os mistérios que lhe marcavam a existência.
 
O que ocorreu foi quase como a superação da dor, como a superação de todo o peso que havia entre ser e não ser, passado, presente e futuro, tempo e espaço. Ao refletir sobre isso, senti certo medo. Seria medo de não mais sentir? Teria de aprender outra forma de sentir. Isto aconteceria se agora pudesse, de fato, perceber diferente...
 
As coisas não eram apenas o que pareciam ser. Mais que nunca, agora sabia.
 
By Tânia Barros –


 

TB
Enviado por TB em 03/09/2005
Reeditado em 30/10/2008
Código do texto: T47395

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite nome da autora, país, Estado, e e-mail. Também deverá enviar para brazil_dos_livros@hotmail.com - dia e endereço de publicação do texto para consulta da mesma e verificação do conteúdo.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TB
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
54 textos (45374 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 20:14)
TB