Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONTOS INSÓLITOS E DUVIDOSOS – IV

 

 

 

 

A Negra do Quilombo e a navalha.

 

 

 

 

Imaruí é uma cidadezinha no sul do Estado de Santa Catarina, mas que na verdade é uma ex-colônia de pescadores que, apesar da escassez do pescado, hoje ainda mantém o mesmo costume do enraizado hábito pesqueiro.

Este enclave que foi abandonado pelo progresso, está contornado pela BR 101 pelo leste e, a oeste e ao norte, pelos contrafortes da esmaecida serra do mar, totalmente desencapada da sua floresta primitiva.

E ao sul, leste e oeste de forma regional, é banhada em todas as suas adjacências pela lagoa de mesmo nome.

É uma região que foi caprichada pelo onipotente Criador por meio das forças telúricas e, todos que aqui aportam, concordam que a sua natureza é exuberante e própria para a interiorização.

Entretanto e infelizmente, para desespero do nativo não tem a vocação turística, em função da má vontade política dessa praga de administradores ineptos que nós mesmos elegemos, e que, por estreiteza intelectual, eles determinam por uma incompetência cega mais ainda o atraso deste município.

Bem, essa região é totalmente cortada pela lagoa e, esta por sua vez, serpenteia a periferia com as suas águas formando os sacos muito conhecidos dos açorianos e dos caiçaras.

Da formação desses sacos, resulta que as pequenas montanhas avançam mar a dentro, sem realmente se constituir num cabo, mas simplesmente uma ponta de terra que invade graciosamente a lagoa.

E a ponta mais conhecida é a ponta do pesqueiro, que também é conhecida por ponta do “Quilombo”, onde pela própria natureza do nome, residia em tempos idos a Negra feiticeira, objeto e foco deste conto.

Contava o meu pai, que contava também o meu avô, o causo da Negra do Quilombo, por isso eu não o chancelo como verdadeiro, porque nessa época eu não existia nem como memória genética.

 

Eis o causo:

 

Dona Maurília, essa senhora que conheci na minha infância, e que na época era bastante idosa, eu acho que ela andava lá pelos seus oitentas anos.

Essa senhora casou-se e, pelo que me contaram, foi lá pelo início do ano de 1870, dizem que foi um casamento muito comentado por tratar-se de pessoas simpáticas e muito conhecidas da pequena sociedade, e que os noivos eram demasiadamente apaixonados.

Dessa abençoada união, segundo as pessoas que comentam, não houve descendentes, em virtude do trágico acontecimento que enlutou e causou pavor em toda a região.

Ela era uma moça prendada e de boa família, cristã fervorosa, muito linda e, de tão linda, despertou a paixão de outro moço também da sociedade e muito conhecido.

O moço apaixonado e preterido pela moça Maurília, inconformado pela situação, devotou um ódio cego ao seu desafeto e que havia se transformado em esposo da moça.

Totalmente envenenado pelas toxinas do ódio e do ciúme, arquitetou de modo sórdido e sem sujar as suas mãos, a morte violenta do seu inocente desafeto.

Miseravelmente corroído pela rejeição e totalmente dominado pela inspiração de satanás, procurou essa Negra do Quilombo, para encomendar a execução do inocente esposo, por meio da magia negra exercida por essa medonha e misteriosa mulher.

Ele sem mais controle emocional e totalmente robotizado por espíritos inferiores, pagou a Negra para induzir o desafeto ao suicídio por degola, através da navalha quando estivesse cortando a barba.

Segundo os antigos que ainda vivem, disseram-me eles que, o meu pai e o meu avô me contaram a pura verdade, e que a Negra pela manhã viu através de um espelho o esposo da dona Maurilia preparando-se para cortar a barba como era de costume.

E, num movimento simulando a degola na imagem virtual do espelho, a Negra executou o serviço.

Pasmem! No mesmo instante em que a Negra fez o gesto da degola, ele, o marido de dona Maurília executou a degola em si mesmo no banheiro.

Acredite se quiser!

 

 

 

 

 

 

 

 

Eráclito Alírio da silveira
Enviado por Eráclito Alírio da silveira em 04/09/2007
Reeditado em 04/09/2007
Código do texto: T638687
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eráclito Alírio da silveira
Imaruí - Santa Catarina - Brasil, 75 anos
889 textos (140934 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 14:47)
Eráclito Alírio da silveira