Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um Buraco na Sala

   Eu tinha dez para onze anos quando, certa noite, acordei assustado com uns ruídos estranhos vindos da sala de visita. Assemelhavam-se aos sons produzidos por alguém cavando a terra. O medo me invadiu. A escuridão do quarto ajudou a aumentá-lo. Aquilo parecia assombração. Perdi o sono. Para voltar a dormir, cobri a cabeça e procurei  desviar o pensamento daquele barulho assustador. Foi inútil. Subitamente, vozes estranhas misturadas às pancadas chegaram até os meus ouvidos, fazendo-me   lembrar de histórias fantásticas que muitas vezes, ouvira contar sobre nossa casa, uma das mais antigas da cidade. Histórias de alma do outro mundo e coisas do gênero, que eram contadas pelos adultos para assustar as crianças. O medo aumentou ainda mais.
   Minha mãe apareceu no quarto e vendo que eu estava assustado, disse para me acalmar, que o barulho era produzido por dois homens que abriam um buraco na sala.
  - Você não precisa ter medo, falou. Logo que eles acharem o que procuram, irao embora.
   Virou-se, apagou a luz e sumiu, deixando-me em meio a escuridão. Fiquei tonto pensando naquelas palavras. Mas, a informação da minha mãe de que havia pessoas escavando um buraco na sala, me deu a certeza de que era gente da cidade, conhecida do meu pai. Não pensei mais em assombração. Parece estranho, mas a partir daquele momento eu não sentia mais medo. O medo deu lugar a uma enorme curiosidade. Então, decidi verificar o que estava acontecendo na sala. Precisava ver aquilo de perto.
   Saí do quarto e fui na direção da sala. Chegando lá, encontrei dois homens cavando um buraco no meio da sala. Parecia uma cisterna e tinha cerca de um metro de profundidade. O meu pai, também, estava lá. Só que ria deles, dizendo a toda hora que não iam encontrar nada.
   O homem mais velho olhou para mim. Não era ninguém conhecido. Perguntei por que cavavam aquele buraco. Vendo que eu não estava entendendo nada daquilo, se  aproximou de mim e disse que abria aquele buraco, porque queria encontrar um ouro que foi enterrado ali por uma pessoa morta, há muito tempo. Contou que teve um sonho e no sonho, tal pessoa lhe dissera que havia enterrado ouro naquele lugar. Enterrar dinheiro ou ouro, disse-me, era um pecado sem remissão e por isso, essas almas penadas procuravam pessoas corajosas, para arrancá-los da terra e assim livrá-las do peso do pecado da avareza causador de seus padecimentos eternos. É muito comum, disse ele, uma pessoa depois de morta aparecer em sonhos para um vivente e doar uma fortuna, mas são poucos os com coragem para ir arrancá-la. Só assim, podem descansar em paz. Era para ajudar a pobre alma, que ele estava ali fazendo aquele buraco. Mas também, queria ficar rico.  Estes sonhos nunca falham, concluiu. Conhecera muitas pessoas que ficaram ricas, atendendo a pedidos de almas desesperadas.
   Depois, voltou para o buraco e continuou a escavação. Eles não haviam furado mais que dois metros, quando apareceram algumas garrafas. Ficaram eufóricos. Estavam certos de que haviam achado o ouro sonhado. Mas, ficaram decepcionados, ao notarem que dentro das garrafas só havia baratas mortas e outras imundices. Isto, po-rém, não os desanimou. Voltaram a cavar até que surgiram novas garrafas, mas também cheias de baratas. Não sei quantas garrafas encontraram. O certo é que em nenhuma delas havia ouro.
   O homem mais velho começou a esbravejar, dizendo que o ouro tinha se transformado em baratas, porque meu pai ficara o tempo todo rindo deles. Tinha certeza de que a zombaria do meu pai contribuíra, decisivamente, para  transformar o ouro em baratas. Era difícil acreditar na história daquele homem. Mesmo assim, eles não desistiram e continuaram cavando.
   De repente, no fundo do buraco começou a brotar água. No inicio, uma pequena surgência sem importância. Depois, ficou forte e, em poucos minutos, parecia um cano estourado. A água subia com uma velocidade incrível, e os homens, com medo de se afogarem saíram imediatamente do buraco. Meu pai, ao ver aquele mundaréu de água brotando e o poço se enchendo rapidamente, sobressaltou-se e pediu, aos gritos, que os homens tapassem o buraco rapidamente, jogando toda a terra de volta. Nada adiantou. Não conseguiam estancar a água. O poço encheu-se e a água se espalhou pela casa.
   Antes do amanhecer os homens foram embora. Misteriosamente, a água parou de jorrar. O sol clareava a cidade e ainda havia muita água dentro de casa, apesar dos nossos esforços para esgotá-la.  Aqueles homens não levaram o ouro sonhado, mas deixaram um grande problema para o meu pai resolver. Quanto a mim, por muito tempo, uma pergunta martelou a minha cabeça: E aquelas garrafas, cheias de baratas, quem as enterrou ali?

Vanderlei Antônio de Araújo
Enviado por Vanderlei Antônio de Araújo em 26/10/2007
Reeditado em 27/10/2007
Código do texto: T711605

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vanderlei Antônio de Araújo
Goiânia - Goiás - Brasil, 75 anos
82 textos (10575 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 18:01)