Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RAPADURA, RAPADURA DE VERDADE, EU COMI QUANDO CRIANÇA NO SERTÃO

Eu morava com minha família na Europa e como todo nordestino morria de saudade da comida da terra. A rapadura era uma das coisas que eu lembrava depois do almoço e não tinha coisa nem parecida para matar a saudade. Escrevi a uma amiga no Brasil e ela (mulher da capital) carinhosamente me mandou umas rapaduras "tipo exportação", pensando, dessa forma, satisfazer os desejos de um sertanejo criado no tempo que a rapadura era produzida no no engenho puxado a boi. Sairam esses versinhos "martele agalopado" com o mote que dá título aos versos:

1.Quem nasceu no sertão como eu nasci
Viu moagem como eu vi com um boi puxando
E a madeira do engenho ranger chorando
E bebeu da garapa que eu bebi
Não se esquece como eu nunca me esqueci
Das vasilhas, dos tachos, do fogão
Dos bagaços de cana pelo chão
Chega o doce na boca dá saudade
RAPADURA, RAPADURA DE VERDADE
EU COMI QUANDO CRIANÇA NO SERTÃO

2.Quando o caldo no fogo engrossava
O meu pai separava para mim
Um bocado pra fazer um alfenim
Numa vasilha a parte ele deixava
Quando estava mais frio ele puxava
Que ficava “branquim” feito algodão
Eu fazia uma rosca com a mão
E guardava pra levar para cidade
RAPADURA, RAPADURA DE VERDADE
EU COMI QUANDO CRIANÇA NO SERTÃO


3.Quando a seca no sertão tudo arrasava
E os meninos já não tinham o que comer
Nem a mãe sabia mais o que fazer
O alimento do pobre se acabava
Num bisaco na parede inda restava
Misturada com farinha a solução
Da família do pobre a salvação
O alimento perfeito em qualidade
RAPADURA, RAPADURA DE VERDADE
EU COMI QUANDO CRIANÇA NO SERTÃO

4.Rica em cálcio, em ferro e vitamina
Em açúcar uma fonte de energia
Ideal pra comer durante o dia
Contém fósforo, potássio e proteína
Bom pra velho, pra menino e pra menina
Pra mulher na menopausa ou gestação
Pra quem tá com muita fome com feijão
Ou raspada com cuscuz mata a vontade
RAPADURA, RAPADURA DE VERDADE
EU COMI QUANDO CRIANÇA NO SERTÃO

5. Nordestino antes de tudo é muito forte
Essa fama se ouve até no estrangeiro
Quando querem contratar um brasileiro
Lhe perguntam primeiro se é do norte
Ninguém sabe o porquê da nossa sorte
Mas explico em poucas linhas a razão
Quem comeu rapadura com feijão
Sai do mato e é respeitado na cidade
RAPADURA, RAPADURA DE VERDADE
EU COMI QUANDO CRIANÇA NO SERTÃO


6.Hoje a indústria fabrica a rapadura
Põe produtos pra ficar mais atrativa
Amarela, cor de rosa ou verde oliva
Com corantes ou qualquer outra mistura
Hoje em dia não se come mais tão pura
E a pior é a do tipo exportação
Pois na boca se desmancha como pão
Chamar isso rapadura é até maldade
RAPADURA, RAPADURA DE VERDADE
EU COMI QUANDO CRIANÇA NO SERTÃO
djalma marques
Enviado por djalma marques em 23/03/2006
Código do texto: T127591
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
djalma marques
Recife - Pernambuco - Brasil
67 textos (7455 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:36)
djalma marques