Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sexto sentido ( Menção ao Texto "Cheiro de safadeza no ar" de Tarcísio)

Era cega a velha dama!
Enxergava pelo ouvido,
pois via qualquer ruído
até dum lençol na cama.
Fosse a boca na mama,
o abrir duma braguilha,
o roçar duma forquilha,
o bulinar duma mão...
Lá se ia, em oração,
soletrando o Cê cedilha.

Rezava pela cartilha
do padre Romão Batista,
desde que perdera a vista
no chifre duma novilha.
Soletrava, em redondilha,
o missal do Padrim Ciço
e firmava compromisso
com os seus ensinamentos;
bania os maus pensamentos,
que logo dava sumiço.

E talvez por causa disso
mais aguçou os ouvidos;
alijou seus "possuídos"
e logo perdeu o viço.
Valei-me meu padrim Ciço...
Quase sempre repetia
quando algo acontecia
que lhe ferisse o pudor...
Assim levava o andor
como a vida lhe pedia.

Era, a Tia Maria,
-como era conhecida-
cuidava toda comida
da gente e da montaria,
trabalhando dia à dia
nas providências do lar,
mas não deixava passar
um nada, despercebido,
lá estava o seu ouvido
no ponto pra escutar.

Pois agora vou narrar
em redondilha maior.
A estória eu sei de cor,
mas careço anunciar.
Ouvi Tarcísio contar
bem antes deste cordel.
Deixo pra ele o troféu,
por ser dele a criação,
mas, pelo sim pelo não,
mando tinta no papel:


"O quarto de dona Irene
era mijo amanhecido!"
Também cheirava a libido
de mulher sem higiene.
O odor era perene,
dia e noite, noite e dia,
fazendo tia Maria
praguejar indignada,
xingando cada mijada
que dona Irene vertia.

Apesar da arrelia,
ela fazia o serviço
orando pra padrim Ciço,
como sempre ela fazia.
—Inda pego essa vadia!
Saía balbuciando...
—Se te pego, desgraçada,
te enfio no penico
te meto mijo no bico
e tolete na rabada".

(Essa estória foi contada
por Tarcísio Zacarias)

Amigo de confraria
e das linhas mau traçadas;
Cabra de verve afiada,
poeta de muita arte
a quem eu, modéstia à parte,
pretendo interpelar,
como se pode explicar
que uma velha quase cega
ouve, aspira e enxerga
a safadeza no ar.
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 28/04/2006
Reeditado em 29/04/2006
Código do texto: T147061
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Herculano Alencar
São Paulo - São Paulo - Brasil, 62 anos
1335 textos (57835 leituras)
5 áudios (264 audições)
13 e-livros (3207 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:35)
Herculano Alencar

Site do Escritor