Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

APRESENTAÇÃO



Araucárias
Libélula
Carnificina
Luto no tudo que penso ser nada
Ameba
Bubônica
Atômica
Finezas do homem
Arestas
Cardíacos
Nutridos
Mendigos de alma
Hipocondríacos
Covardes
Similares ao tempo
Envolto mem festas arcaicas
Num solo Beethoven
Surdos
Castrados de histórias imundas
Isentas de castos
Tobias calado cumpriu a promessa
De frente um chacal
Enfrenta um monte de cabras menadas
Sedentas de calma
Manadas em calda
Canastra de tropas
Corocos de roça
No sapo do homem
Mercúrio de Atenas
Merengue de sardas
Na valsa de pepaco
Cortado em tiras
Pedantes de escada
Cardume de lontras
Trambiques de québo
Quebrou-se a cabala
Cachorros passeiam
Campanas na oca
Cocada de queijo
Mineiro sem meiro
Vivente em cena
Orelha cortada
Reconhecer-me-ia Van Gogh
De quatro chorando
Um templo em capela
=Pelada Clarice
Se engana em espeto
Lispector intrusa
Em psíquico terapa
Galinha sem asas com dente
Dendê em farofa
Garrincha na rinha
Maxixe na carne
Cardume de voltas
Tadinha da rima
Calada em regeito
Quevara de quatro
Pintando mi farda
Franceses em calda
Canjica de milho
Tupi na baça
Cabral no suco
Carana de cobra
Finanças de Vermeer
Com filhos da mãe
Nordeste de anjos
Castrados na fome
Da arte Picasso
Amores
Paloma
Azul
Curare
Reparos
Taças ma taça de vinho
No lombo do negro
Pimono Monet
Na cama de tumbas
Em cachos caipira
Caipora
Respira meu tom
Tobias retire-se
Cafano
Cabanas de vento
Memento
Corujas
Burricos em simbo
Logivas de vários
Ministros
Brasil
Governo é tudo
Sátira
Zumbi do cangaço
Virgulas
Desordem
Cabeça na taça
No quepe do astro
Nomia de nomes
Meneias
Segnelas
Vão eu sei
Me chamar talvez
Não sei uma ou várias
Malucos
Birutas
Querendo o quê ?
Carmas de regra
Gramados de ...
Cobertos de lodo
Na querra de grades
À dores de parto
Maria
Véu

Femelos
Distritos
De fritos tomates
Cavalos
Centauro
Tobias
Voltastes
Não queres um gole
Justiça de classes
Adoro dorocas
Camurça no leito
De um seio em liberdade
Pátria amada
Cavalante e extinta
Literatura
Iluminismo do povo
Povão
Povoado
No corte de egos
Que berros escrevem
Cômicos
Ecos
Eletro
Energo
Tobias
De novo
Eu vou te matar
Com a palavra
Albert
Franja
Cinzenta de efeito
Sublime
Perfeito
Senado
Cobrado em termos
Lá vem Tobias
Com cara de Otelo
Tetra...plegia de Ofélia
Em suma um H amlet
Coberto de merda
Na sorte de Willian
Chevantes
Quimeras
Ismirras
Pematras
Alma
Redia
Um verdadeiro Tobias
Coberto de césio
Veneno da alma
Memórias do que somos
Calados em palavras
Incompletas
Chafurdas
Errantes
Banais em mentir
Tulipas de um corvo
Chamado Tobias
Conheces teu cenho
Centelha do vento
No ceticismo do homem
Num mundo fidalgo
O que vale é gritar
Por uma morte Tobias.

PANDORA AEDO
Enviado por PANDORA AEDO em 03/05/2006
Código do texto: T149672
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
PANDORA AEDO
Tangará da Serra - Mato Grosso - Brasil, 33 anos
30 textos (2536 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:53)
PANDORA AEDO