Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dona Nenê

Relembro tempos alegres
Mistos de amor e xodó
Época descontraída
E a presença da vovó

Doce e meiga criatura
Porte pequeno... capaz
O que não tinha em estatura
Tinha em dobro, de audaz

Já não ouvia direito
E disso fazia humor
As mágoas que trazia no peito
Eram bagagem de amor

Era avó tipicamente
Ralhava e tinha manias
Às vezes, impertinente
Curtia angústia em seus dias

Mas em geral era alegre
Gostava sempre de mimos
À noite, junto às netas
...Adorava cantar hinos!

Nos almoços e jantares
Contava suas proezas
Esses momentos fugazes
Eram nossa “sobremesa”

Tinha sempre uma história
Sempre havia uma lição
Rebuscada na memória
Cravadas em seu coração

Seu amor pela chacrinha
Um lar que lhe foi muito amado
Relembrava nas modinhas
Que traduziam o passado

Havia nela mistérios
Dogmas inesperados
Seu amor pelo magistério
Era evidenciado

Era vida...Sempre vida
Da morte guardava horror
E a derradeira partida
Era-lhe imagem de dor

Tão presente se fazia
Em nosso cotidiano
Que maior foi à agonia
De seu maior desengano

Hoje, desfalecida, esquálida
Sofre tão resignada
Sua figura tão pálida
Repousa inerte, acabada

Relembro tempos tristonhos
Que ao seu lado vivi
No seu leito, quantos sonhos
Junto a ela eu perdi...


Priscila de Loureiro Coelho
Consultora de Desenvolvimento de Pessoas
Priscila de Loureiro Coelho
Enviado por Priscila de Loureiro Coelho em 20/01/2005
Código do texto: T2027
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Priscila de Loureiro Coelho
Jacareí - São Paulo - Brasil, 65 anos
1286 textos (214473 leituras)
1 e-livros (147 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/16 09:15)
Priscila de Loureiro Coelho