Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Confusão na feira

            Na feira de Cavaleiro
            distrito Jaboatão
            resolvi comprar uns baguio
            imagine a confusão

  a feira tava lotada
  o Sol era de lascar
  do bolso tirei dez conto
  o que tinha prá gastar

              Um crente lia na Biblia
              enquanto dava sermão
              Um bebo chei de cachaça
              só gritava palavrão

  Um político fazia promessa
  prá dispois da Eleição
  o Bebo cismou de cantar
  imagine a confusão

              Feira desorganizada
              Isto aqui é um terror
              isso vai se consertar
              quando eu for vereador
 
   O bebo muito ligado
   chapado e muito doidão
   a feira aqui é do povo
   político é tudo ladrâo
         
               o cabra soltou-lhe o braço
               o bebo caiu no chão
               tropeçou em cima do crente
               caiu de bíblia na mão

    O crente ficou irado
    o bebo gritou palavrão
    o crente agarrou o político
    e derrubô-lo no chão

               Veio a turma do Partido
               metero a munheca no irmão
               foi aí que os Mangaiêru
               entraru na confusão

     tinha um tá de Zé nezinho
     que lutava capoeira
     deu munda bunda-as-canastra
     com cangapé e rasteira

                os crente sairu da igreja
                e entraru na confusão
                derú lapada e levaru
                pra socorrer o irmão
     
       E eu que a tudo assistia
       e sorria de montão
       um viado me empurrou
       pra dentro da confusão

                 Levei tapa no toitiçu
                 me derrubaru no chão
                 com raiva ,baixô em min
                 o espitu de Lampião

        Eu fiquei muito arretado
        bati cús pé e cás mão
        Inspirado em Virgulino
        Cangaceiro do Sertão

                  Foi quando chegô a poliça
                  de cacetete na mão
                  distribuindo porrada
                  pra macumbeiro e cristão

       Resultado;nós tudo preso
       fumus pro Delegado
       Magote de desordeiro
       moi de cabra safado

                   Eu queria me defender
                   o doutô num me ouvia
                   Eu fui ali fazer feira
                   e entrei foi numa fria

       Cheguei em casa de noite
       Sujo e todo rasgado
       a mulé tava na porta
       e eu entrei disconfiado

                  Contei somente as vantagens
                  de tudo que assucedeu
                  me achou muito valente
                  e um longo beijo me deu

       Quando passo em cavaleiro
       e lembro o acontecido
       me dá um frio na espinha
       em pensar no ocorrido
 
                  Eu num paro nunca mais
                  pra curiar confusão
                  distante vou muitas léguas
                  de qualquer um valentão

      curiando a vida do zôto
      lasquei-me ,dei-me mal
      não vejo mais confusão
      e sou um cara legal

                           
EDIVALDO COBRA
Enviado por EDIVALDO COBRA em 21/10/2005
Reeditado em 25/10/2005
Código do texto: T61853
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
EDIVALDO COBRA
Recife - Pernambuco - Brasil, 53 anos
6 textos (1371 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:38)