Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SÃO FRANCISCO DE ASSIS

SÃO FRANCISCO DE ASSIS, UM EXEMPLO DE HUMILDADE

Em mil cento e oitenta e dois,     E Jesus crucificado
Num dia muito feliz                    Começou a lhe falar:
De uma família nobre                  "Vai meu filho, bem depressa
Masceu Francisco, em Assis .       Minha Igreja restaurar".

Assis era uma cidade                   Francisco obedeceu
De povo alvissareiro;                   Às palavras do Senhor.
De ilustres comerciantes              E restaurou três Igrejas
e de valentes guerreiros.             Com desvelo e muito amor.

Povo bom, hospitaleiro,               Naquele tempo andavam,
Muito alegre e jovial;                  Por caminhos tortuosos,
Contudo, não se cuidava             Como bichos, escondidos,
Da vida espiritual.                      Os infelizes leprosos.

As preocupações do mundo,        Banidos da sociedade
Prazer, riqueza e ambição.          Por uma doença sem cura.
Muitas vezes abafavam              Viviam os desgraçados
A fé e a religião.                       Uma vida de amargura!

Foi aí nessa cidade                    Um belo dia, Francisco
Que São Francisco viveu            De um leproso se achegou
Com seu pai, homem ambicioso,   E, num gesto de carinho
Que não  pensava em Deus.        Sua ferida beijou.

Francisco também queria,           A partir desse momento,
Como o pai, ser comerciante.      Sentiu a transformação:
Por isso é que ele vivia              Uma paz interior
Só com gente importante.          Invadoiu seu coração.

Alegre, descontraído;               Sentiu que toda a riqueza
Vivia muito contente.               Nada lhe representava.
Foi então que um certo dia,      Despojando-se das vestes
Se transformou de repente.      Ao seu pai as entregava
                                           E com firmeza na voz,
Franciasco foi para a guerra.     Desse jeito ele falava:
Transformou-se num guerreiro.
Porém, seus adversários           De hoje em diante, meu pai,
O tornaram prisioneiro.             Vou tomar a minha cruz
                                           E unir-me aos pobrezinhos
Na prisão, sua alegria              Como um dia fez Jesus.
Animava os companheiros:
Dizia piadas, cantava,             E dizendo essas palavras
Animava o dia inteiro.             Contemoplou a natureza.
                                          Unindo-se para sempre
Mas foi aí na prisão                À sua irmã pobreza.
Que o seu pobre coração
Pelo Senhor foi tocado.           Dominando os instintos
Deus mostrou-lhe a falsidade    Praticou a castidade.
Deste mundo de maldade,        A partir deste momento,
De egoísmo e de pecado.         Sentiu mais felicidae.
                                                 
Saindo, pois, da prisão            Sentiu em seu interior
À sua terra voltou.                 A inspiração celestial:
Foi quando em oração             Precisava restaurar
Uma voz ele escutou.             A Igreja UIniversal!
                                                   
Era a própria voz de Deus        Então a Primeira Oredem
Que Francisco escutava,         Dos franciscanos surgiu,
Para cumprir a missão             Em mil duzentos e dez
que o Senhor determinava.      A dezesseis de abril.
 
Francisco foi se tornando        O Papa os abençoou.
Melancólico, tristonho.            Eram doze os irmãos.
Ele que era tão feliz,               Praticavam a pobreza,
Tão alegre, tão risonho.          Caridade e oração.
                                                 
É que Deus o preparava,         Depois apareceu Clara
Tocando-lhe o coração,          Que aos frades se irmana,
Para uma grande batalha.        Nascendo a Segunda Ordem
Para uma grande missão.         Da família franciscana.
                                                   
Certo dia ele estava               As irmãs de Santa Clara
Na Igreja de São Damião,        Possuem a mesma vência:
Diante do altar sagrado           Pobreza, total pobreza
Prostrado em oração.             Castidade e obediência.
Quando ouviu a voz de Cristo
Falando ao seu coração.         Depois Francisco fundou
                                         A nossa Ordem Terceira
                                         Que foi desde o seu começo
                                         Muito, muito alvissareira.
                                               
                                        Pois essa Terceira Ordem
                                        Que São Francisco fundou.
                                        Pelo mundo,. em pouco tempo,
                                        Com rapidez se espalhou.
                                             
                                        Hoje em dia os franciscanos
                                        São centenas, são milhões...
                                        É o nosso pai São Francisco
                                        Unindo os corações.

                                        Sebastião Gomes de Oliveira
                                         Paraibuna  SP  (12) 3974-3068

 














Antônio Oliveira
Enviado por Antônio Oliveira em 30/09/2007
Código do texto: T674559
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antônio Oliveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 72 anos
702 textos (561046 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/17 22:49)
Antônio Oliveira