Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A conversão de um Caipira


             Eita vida medonha
             era a vida deste peão
             carregar caiga pesada
             nas caatinga do Sertão

     E lá pelo fim da tarde
     bem no fim lá tardinha
     Eu descia pro barracão
     pra tomar caipirinha

              Coitado deu
              naquela minha inocença
              pois aquela caipirinha
              era minha pió doença
   
      Despois de pegar o boi
      e derrubar no arado
      eu caia na carçada
      Eu era pisoteado

               Rezava para vilgem Maria
               pro Santo Bartolomeu
               pra me livrar de sofrer
               eu muito pedi a Deus

      Um boi brabo,um touro forte
      dominei no Araiá
      mas beber me dominava
      caia no matagá

                São severino dos Ramos
                Santa Joana e Santa Rita
                e tudo que foi de Santo
                já caiu na minha escrita

      Mas um dia saí de casa
      com a cabeça zunindo
      só vendo assombração
      e o pai da mata ouvindo

                 Fui a casa dum cumpade
                 a convite de zé joão
                 que me chamou pra ouvir
                 Uma tá de apregação

       Assentei num banco atráz
       falavra um apregador
       qui lia num livrão preto
       e só falava de amor

                  Esse tá de apregador
                  só falava de um Jesus
                  que morreu apregado de prego
                  num sei donde numa cruz

       As perna tava tremendo
       e controlar num pudia
       "a minha vida tem jeito
       suspirei de alegria"

                  E nos ói desse caipiora
                  as agua danou-se a rolar
                  pois a histora do homi
                  era de arrepiar

        e baixou-me a fruxura
        extremeci de cima a baxu
        em nome de jesus cristo
        seu moço eu quero sê machu

                   pra vencer a compulsão
                   vontade forte de beber
                   que me aniquila a vida
                   e destroi o meu viver

        E quando eu saí dalí
        já era um novo Caipira
        com as carça remenda
        de cordão de imbiriba
   
                    Mas cheio de Jesus Cristo
                    um caipira  de valor
                    Um matuto do Sertão
                    Soldado de Nosso Senhor

        Eu continuo matuto
        Tanjo Boi na Caatinga
        mas num caiu na carçada
        nem nunca mais tomei pinga
 
                    Pendurado em meus arforges
                    trago a biblia sagrada
                    sou matuto de Jesus
                    "Eita vida Abençoada"

         E assim o poeta encerra
         A sua inspiração
         Sobre a vida de um Caipira
         E a sua conversão

             Que deus mande estes versos
             Atravessar o Sertão
             que seja Maná do Céu
             palavra pra salvação


       Onde houver um homem Alcoolizado,ao seu alcance,indique Jesus de qualquer forma ,seja atravéz das igrejas Católica ou protestante, de uma Sala de alcoólicos Anônimos ,ou pelas outras formas crenças, em que Deus se revela ao homem ,ou pela simples leitura deste texto,que  acredito  foi apenas um meio, do Ser Supremo ,revelar sua mensagem ,pois uma família ,mulher e crinças ,sofrem imensa dor ,escondida entre quatro paredes.Se demonstrar felicidade ,insista ,é apenas aparente,as cicatrizes estão em toda parte, esta história eu presenciei dentro do meu Lar  de infãncia,e está presente em milhares de Lares deste Paiz.  edivaldo Cobra...
                     
 
     
               
EDIVALDO COBRA
Enviado por EDIVALDO COBRA em 08/11/2005
Código do texto: T68689
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
EDIVALDO COBRA
Recife - Pernambuco - Brasil, 53 anos
6 textos (1370 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:08)