Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Crise Aérea e suas consequências

Antes de começar minha canção
Queria me apresentar a vocês
Prazer, aqui quem fala é o João
E vim falar do assunto do mês

Pra quem não está informado
É a chance de ficar ligado
Pois a crise aérea brasileira
Não se trata de qualquer besteira

Por isso preste muita atenção
Para entender o que aconteceu
Dois acidentes de avião
Onde ninguém sobreviveu

Muito pior que um furacão
Foi essa queda do avião
Sepultou o desejo mais profundo
De 200 seres humanos do mundo

Pedro, João, qual seria o nome?
Ninguém sabe bem ao certo
Em suas mães um coração aberto
Aberto de tristeza e com fome

Com fome de vingança
Vingança desse destino
Que tirou delas sua criança
Que tirou delas seu menino

E agora? O que fazer?
Quando olhar seu retrato?
Quando na mesa ver seu prato?
A vida não é justa de viver...

Uma dor que nunca vai passar
Não adianta pagar indenização
É muita coisa pra um só coração
Vira e mexe dá vontade de chorar

E agora? O que fazer?
Sem vida e com morte
Muito azar e pouca sorte
A vida não é justa de viver...

Voltando a crise do avião,
Devemos pensar com a razão
Achar os motivos reais
E deixar de lado coisas banais

O que aconteceu não volta mais
Mas podemos corrigir nosso futuro
Pra que nenhum avião acerte outro muro
E não deixar isso repetir jamais

Pra não ter que ver essa cena :
Uma mãe chorando por uma criança
Ah...doce ilusão... pequena esperança
Mais fácil acertar na mega-sena

Se não é vítima de avião, é de assalto
"Perdeu playboy! Mãos para o alto!"
Mais uma vítima de um mundo violento
Se Deus é justo, quem fez o julgamento?

Quem julgou quem merecia morrer?
Quem julgou quem merecia viver?
Por que morrer uma pessoa de bem?
E não foi uma, foram mais de cem

Ouvi dizer que em pane de avião
Todo mundo deixa de ser ateu
E de que adiantou? Tudo morreu
E onde fica o tão falado perdão?

Perdão sem ter errado
Perdão sem ter pecado
Perdão por ter entrado num avião
Perdão por ter perdido um coração

E agora? O que fazer?
Seu filho virou presunto
Seu filho é um defunto
A vida não é justa de viver...

E por grande ironia do destino
No meio da festa dos esportes
Aconteceram centenas de mortes
Tirando a vida de um menino

Enquanto no Rio acontecia o Pan
Em Congonhas caia o avião da Tam
Deixando o Brasil dividido
Deixando o Brasil mais sofrido

Nosso Brasil que já é sofrido
Nosso Brasil que já é f...
Sem merecer recebeu esse castigo
E agora com quem eu brigo?

Com quem eu vou brigar?
Com o piloto que tá no céu?
Colocá-lo na cadeira de réu?
Às vezes é muito fácil falar...

E agora com quem eu brigo?
Com o Deus que eu não conheço?
Com o Deus que eu não "mereço"?
Talvez eu que fique de castigo

E agora? O que fazer?
A quem devo implorar?
A quem devo me desculpar?
A vida não é justa de viver...

Mas nem por isso deixo de viver
Mesmo sabendo que vou morrer
Em uma queda de avião
Ou num infarto do coração

Desculpe o tom da mensagem
Mas preciso passar essa imagem
De indignação com os ocorridos
Num país dos mais sofridos

Não podemos deixar na lembrança
É pequena, mas tenho esperança
De que o Brasil melhorará
Do Rio Grande do Sul ao Pará

Por isso, preste muita atenção
No que eu vou falar agora
Veio na cabeça, meio que na hora
Uma mistura de razão com emoção

Pois não adianta olhar pra cima
Se não fazemos nossa parte
Deus existe? Então deve tá em Marte
A vida é nossa escola que ensina

Ensina a viver, ensina a morrer
Só não ensina a perder
Não esquece de ensinar o viver!
E muito menos de nos fazer sofrer

E agora? O que fazer?
Pois eu lhe digo o que fazer :
Viva sua vida! Até morrer!
A vida não é justa de viver...

Não é justa, mas é preciosa
Muito bonita e perigosa
Só precisamos decidir
Por qual caminho seguir

E agora? O que fazer?
Deixa sua vida escolher
É ela quem te faz viver
É ela quem te faz morrer
JoaoEbling
Enviado por JoaoEbling em 11/10/2007
Reeditado em 13/08/2009
Código do texto: T690334

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JoaoEbling
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 27 anos
20 textos (2967 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 15:55)
JoaoEbling