Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ah ci eu foci um jumentu! - setilha

Ci eu fôci um jumentu
A ci eu fôçi um jumentu
Mai qui num fôci franzinu
Eu ia correnu pra ajudá
Os meus irmãos nordestinu.
Cum u’a seca déça danada
Eu ia intrá nu’a xapada
Pra axá água prus mininu.

Pois dá tristeza na genti
Vê tanta lata vazia
A nordestina vai longi
Qui da cansaçu, da gunia
A ci eu fôci um jumentu
Garantu nu momentu
Elas tinha mais aligria.

Tanta genti andanu a pé
Pur esti xão isturricadu
A ci eu cêci um jumentu
Ia ajudá mais us coitiadu
Sei qui duia meu istombu
Dêxava elis subí nu meu lombu
Pa nun vê seus pé inxadu.

Aquelis pé pocadu di bôia
Di andá na istrada a pé
A ci eu cêci um jumentu
Iguá us jegui di canindé
Eu ia cê grandi istoriadô
Pur carregá tanta dô
Das sufredôra das muié.

Num importa u qui cumia
Para a minha limentação
Mia grandi importânça
Era tirá elis daqueli xão
Nem qui a cangaia min botáci
Contantu qui água eu axáci
Pra meus irmão du sertão.

A ci um jumentu eu cêçi
I fôçi juntu com a procição
As criança nordestina
Eu tirava elas du xão
Pra condu na iscola xegaci
Sastifeita elas istudaci
Pra cê arguém da nação.

I condu xegáci mei dia
Eu era rilógio marcadô
Di manhã pra acordá
Eu virava dispertadô
Qui as jegadas du sertão
Viéci di prontidão
Pra min dá o seu amô.

Uma jega eu ia tê
Só pra min fazê carin
Eu ia subi nu seu lombu
Pra lí dá mutios bejin
A ci eu fôci um jegui ruão
Dêcis grandi du sertão
U nordesti num tava ancim.

Eu ia tê u grandi prazê
Di dá a resposta na óra
Qui foi us da mia raça
Qui carregô Nóça Sinhóra
Qui prus roçêru fui u rei
Doendu u lombu bem sei
Mais um jumentu nun xóra!

Sai lágrima seca di dô
Dus garranxu a ispinhá
Mas u fêxu di lenha no lombo
Era u jeitio eu carregá
Só num quiria era vê
U irmão nordestinu sofrê
Nem tombém ci lastimá.

A ci eu ceci um jumentu
Pra nas quebrada du sertão
Buscá em léguas di distança
Um tiquin di água nu xão
Eu ia cê um disbravadô
Daqueli povu sofredô
Us mai sofredô da nação.

Pra carregá um duenti
Ou pra ajudá um tropêru
Cum u’a sela nu lombu
Eu ia nu meu viajêru
Ci um dia eu fôci um jumentu
Axu qui meu paçatempu
Era mijá nus terrêru.

A ci tiveci um incantamentu
I di jegui intão min fizéci
A ci u’a fada madinha
Pur aqui ela viéci
Eu ia cê bem mais filiz
Cê um jumentu nêci país
Pra ajudá a quem padeci.

Drumia in corqué murundú
Usandu a luz du luá
Rilinxanu nas quebrada
Só para as jegas iscuitá
Quarqué coiza era meu rangu
Eu dexava us curiangu
Argum carrapatu tirá.

A ci u’a bruxa quarqué
Viéci aqui min incantá
Eu iria bem sastifeitu
Pru mundu dus animá
Qui nun perciza di baiêru
Ci caga memu nu terrêru
Sem ó menu ci preocupá.

Jumenti num sabi xorá
Mais eu ia tenta aprendê
Pra xorá cum meus irimão
Qui vévi nu nordesti a sofrê
A ci eu fôci um jumentu
Eu istaria nêci momentu
Cum a jeguinha bemquerê.

airamribeiro@gmail.com
www.recantodasletras.com.br
www.usinadeletras.com.br
sabiadamata
Enviado por sabiadamata em 13/11/2007
Código do texto: T735489
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
sabiadamata
Barra da Estiva - Bahia - Brasil, 68 anos
21 textos (8826 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 06:29)
sabiadamata