Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quem promete tem que cumprir

Chico Brás um motorista
Com muitos anos de direção,
Casado com dona Júlia,
Morando no maranhão.
Pai de  três filhinhos homens
Criados com educação.

Um dia viajando
Com o carro a cem por hora
Tendo o maior cuidado
Pois sua vida ele adora.
Entrou na sua frente um jumento,
E colidiu no carro, sem demora.

Chico saiu bem
E o carro só amassou
Viu o pobre do animal morto
E com pena dele ficou
Levou pra casa um remorso
Que de tristeza chorou.

Chegando a casa disse:
Mulher. Acabei com uma vida,
Entrou na minha frente um jumento
Aconteceu uma batida.
Vi a cabeça do coitado
Em duas partes divididas,

Abalou-me o coração
Ver aquela cena esquisita,
Com fé em deus eu não preciso
Ver aquilo de novo, nem que do carro eu desista
Se for por minha vontade nada mais barruarei
Com aquelas quatro rodas malditas.

Passando três meses depois
Ele voltou a trabalhar no seu carro
Desta vez levando frete
Duzentas caixas de cigarro,
Entregou no prazo certo
Voltou levando barro.

Um dia chegando em casa
Soube de uma notícia ruim,
Em seu aparelho de tv,
Um ladrão deu fim.
Perguntou pra sua esposa:
Como foi acontecer assim?

A mulher dele disse:
Eu não vi Chico Brás
Eu sei é que teu irmão,
Saiu correndo e foi atrás.
E você fica em casa!
Se ele achar ele traz.

Chico disse:
Ah!Eu vou
Daqui a pouco eu chego
Com a TV que me roubou
Trazendo o meu irmão
Que com prazer me ajudou.

Nisso pegou o seu carro
Saiu ciscando na rua
Andou vários minutos
Não achou a TV sua
Até aí nem sombra dela
É a verdade nua e crua.

Quando passava na rua
De são Bartolomeu
Ele viu o ladrão
Levando o aparelho seu.
Chico gritou: para aí!
O ladrão deu dois tiros, furou um dos pneus,

Aí correu desesperado
Sem camisa ele estava
Chico ficou trocando,
O pneu que ali secava.
E com uma raiva absurda
Em besteira ele pensava..

O ladrão tomou seu rumo
Levando o aparelho de TV,
Chico então novamente
Saiu procurando sem saber
Se ia então achar
E se achasse o que fazer..

Pouco tempo depois
Ele ainda atordoado
Viu na sua frente um homem
Levando o aparelho roubado,
Ele então pensou:
“agora ele ta lascado,

Vou chegar a traição
A minha TV deixa pra lá
Esse ladrão dos infernos
Nunca mais vai roubar
Vou fazer o que não quero,
Mas ele eu vou matar.

Então acelerou o carro
E seu olho então fechou.
Sentiu o impacto da batida,
O carro ele parou
Desceu das quatro rodas
E do homem aproximou,

O homem ainda com vida
O televisor ele perdeu
Virou de frente aquele homem,
Viu o irmão seu,
E sem culpa nenhuma
O coitado padeceu

Antes de falar qualquer coisa
O inocente então ficou
Deitado naquele chão frio
Veio a morte e o levou
Chico morreu de remorso
E seu irmão acompanhou.

A viúva de
Chico Brás
Continuou criando seus filhos
Triste coitadinha pois aquilo,
Era demais
Ela perdeu o seu marido
Tentado por satanás.

Mas um dia ele vai parar
De tentar o s filhos de deus
Nada de ruim vai acontecer
Eu vos digo leitores meus
Pois o pai vai voltar
Pra levar os filhos seus.
Leandro Reis
Enviado por Leandro Reis em 15/11/2007
Reeditado em 26/12/2010
Código do texto: T737735

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar a autoria de Leandro dos Reis Santana). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Leandro Reis
Imperatriz - Maranhão - Brasil
27 textos (1610 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 21:33)
Leandro Reis