Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A história do gringo e do vendedor de bode

Esta é uma história louca
envolvendo uma mulher
e dois homens. Coisa pouca,
mas vou meter a colher.

Um gringo teve uma briga
com José pra ter Maria.
Jamais ninguém saberia,
porém deixem que eu lhes diga.

Um triângulo amoroso
a gente vê de montão
quando acontece de não
ser deveras perigoso

como esse que ouvi contar
parecendo capa e espada
lá dos tempos da Cruzada,
quando a luta era vulgar.

Maria, moça donzela
e seguidora das leis,
escandalizou de vez
a pequena cidadela

onde morava com os pais
e uma tia solteirona.
Os pais, coitados, na lona;
a tia, pobre demais.

Foi quando a moça donzela
interessou-se demais
por um gringo e outro rapaz
que moravam perto dela.

O gringo, um homenzarrão,
era bastante educado
mas tinha um cuspir-de-lado
que incomodava um montão.

Era magro, alto, esguio,
barba fechada no rosto.
Não sei que Maria viu,
mas caiu-lhe no seu gosto.

Seu nome era Smith West,
esquisito até demais;
era defensor da paz
mas também cabra da peste.

O outro, um rapaz franzino,
tinha por nome José;
vivia atrás de mulher
mas era muito menino.

Vendia bode na feira
e na folga era palhaço,
saltimbanco de primeira
e muito ágil no laço.

Engraçou-se por Maria
mas ela, muito fogosa
e ladina, não deu prosa,
não fez o que ele queria.

Ela foi pro tal Smith
mas esse viu que a donzela
não conhecia limite
e pra todos dava trela.

Entraram todos no jogo
do amor. Deu pra notar
que Maria, em seu olhar,
aos dois não quis negar fogo.

E ficou um vai-não-vai,
vai o gringo, vai José,
que incomodou o pai,
indo ver como é que é.

Chamou Maria prum lado
e lhe disse: “Minha filha,
o louro é cabra danado,
mas tem fogo na virilha

e não vai levar barato
o desacato dos dois.
Veja logo, pra depois
não jogar tudo no mato.”

José, palhaço e laceiro,
foi com o gringo se entender
mas logo viu o porquê
de Maria agir primeiro.

O gringo, bem educado,
apontou-lhe uma peixeira,
chamou José de safado,
perdeu logo a estribeira.

O palhaço viu o aço
alcançar sua virilha
e ouviu dizer: “eu te faço
um estrago aqui, seu filha...”

Não esperou terminar.
Correu mais de meia légua
e não deu pras pernas trégua
até o corpo cansar.

Voltando, foi logo ter
com o gringo inda outra vez.
Um cano longo o fez ver
o fim que teriam os três,

e desistiu de Maria
pr’outra coisa não perder.
Deu pra vida mais valia
e foi seus bodes vender.

Qual Juliana de Gil,
lá no parque, no domingo,
Maria fugiu com o gringo
e José nunca mais viu.

Se foi capado, não sei,
nem levou do 38
alguma bala (ou biscoito,
dizem os fora-da-lei).

Mas pra que saber daquilo
se Maria não quer mais?
Deixemos José em paz,
para que morra tranqüilo.
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 27/03/2005
Reeditado em 27/04/2006
Código do texto: T8171
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulo Camelo
Recife - Pernambuco - Brasil, 68 anos
909 textos (258330 leituras)
36 áudios (10684 audições)
6 e-livros (1602 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 19:28)
Paulo Camelo

Site do Escritor