Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Aproximando o Final do Ano

Esta se aproximando o final do ano, vem aí o Natal, o Ano Novo... Eu particularmente não gosto do Natal e para falar a verdade o Ano Novo já não é mais como o de antes. O Natal, por exemplo, desde pequena nunca gostei, com exceção aos presentes, afinal qual é a criança que não gosta!

Mas nem sempre esses presentes todos enchiam meu coração de alegria. Sempre observei que o Natal era a festa da hipocrisia. Não se assustem. Eu explico. Quando criança observava como os adultos comportavam-se durante o ano todo com seus entes queridos, amigos, filhos e etc. e com a chegada do Natal aquelas farpas todas haviam dissolvidos como em face de mágica, todos abraçavam se beijavam, trocavam presentes como nada havia acontecido.

Eu não conseguia entender tudo aquilo que eu via. E assim foi sempre sendo a mesma coisa, cresci vendo essas mesmas coisas e o pior de tudo, que ao crescer eu também entrei no rol dos hipócritas e fiquei por muito tempo. Hoje não mais. Comecei a ver a vida de outra maneira, e me perguntei: O que é o Natal afinal?

Foi à comemoração criada pelo homem de uma criança como tantas outras crianças comuns, nascida em dias comuns... Transformaram esse dia na festa para o povo queimar sua grana, tem gente que nem dinheiro tem, mas só porque é natal tem que dá presente, só porque é natal tem se confraternizar com todo mundo mesmo detestando a pessoa. Será que Deus gostaria realmente dessa hipocrisia toda?

Então, aqueles “bonzinhos” que durante o ano todo não esteve nem aí com órfãos, vai até uma creche apadrinham uma criança, levam - na para casa para confraternizar com um monte de gente que não tem nada ver com ela. Ela topa e tenta se ambientar, porém ela tem que sempre estar consciente que quando a festa acabar ela voltará ao lugar de onde sempre viveu.

Ano Novo?... Piorou!...O povo enche a cara porque assim eles podem abraçar beijar até mesmo seu maior inimigo afinal está anestesiado. Colocam mil sonhos na cabeça, vestem roupas brancas como pai de santo, pega o champanhe vão para praia fazer uma porção de sujeira, pulam as sete ondas, fazem um monte de pedidos, acendem velas, para chegar no próximo ano não realizarem nada, ás vezes ficam em situações piores.

É claro que têm suas exceções têm pessoas que são realmente sinceras em suas atitudes de confraternizações, mas a maioria não é. O que o mundo, e o que as pessoas precisam na verdade, é paz, alegria verdadeira, precisam de emprego, amor e respeito verdadeiro por elas mesmas.

As pessoas deveriam se preocupar menos com as tradições fazer seus pedidos em qualquer data no ano, mas não pedindo apenas saúde, amor e paz, mas que todos os homens no mundo se interessem mais pela natureza, pelos animais, pelas crianças maltrapilhas sofridas pela fome e pela guerra.

Que os governantes do Mundo pensem realmente em governar e não brincar de soberanos. Manipulando, usurpando, brincando com a vida humana. Que todos os homens possam refletir que um Mundo Novo se cria com respeito e não com hipocrisia, dissimulação e nem tirando vantagens, que se conscientize que essas coisas estão longe do conceito do que é realmente Amor, Fé e Respeito.

13/11/2005

SBernardelli
Enviado por SBernardelli em 01/12/2005
Reeditado em 13/01/2011
Código do texto: T79295
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
SBernardelli
Caraguatatuba - São Paulo - Brasil
912 textos (289802 leituras)
25 e-livros (11513 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:12)
SBernardelli