Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESPÍRITO NATALINO

Ontem recebi um e-mail que falava sobre um tema o qual, em outros anos, a esta altura, já me envolvia  por inteira. Uma pessoa, muito feliz, comemorava, antecipadamente, o Natal que vai chegar.
 
Dei-me conta, com tristeza, de que não compartilhava do sentimento de quem me escrevia, tão feliz.
 
O que teria me acontecido?
 
Sempre me senti imensamente bem, alegre e numa viagem encantada vendo as decorações das ruas, ouvindo as canções, chegando quase a dançar sozinha (confesso que cantarolava, baixinho).
 
Descobri-me sem a magia. A fantasia não me alimenta mais?
 
Percebi que, neste ano, não deixei meu sapatinho na janela.
 
Cadê a minha criança? Por que ela não apareceu até agora?
 
Procurei por tudo e a descobri, escondidinha, num canto, com muito medo. Diferente daquela que explodia de ansiedade, numa alegria sem fim a esperar pelo bondoso  Papai-Noel.
 
Questionei-a, carinhosamente, por estar assustada, sobre o que fazia ali, em um lugar tão escuro, sozinha, enquanto aqui fora havia tanta vida e alegria? Afinal, estamos perto do Natal. Uma data que encanta principalmente aos pequeninos.
 
Seus  olhinhos tristes foram  a resposta mais clara e doída que eu poderia receber.
 
Esqueci-me dela... Deixei-a sozinha, enfrentando todas as coisas ruins que este mundo mostra, diariamente, sem protegê-la, acarinhá-la, levá-la para brincar.
 
Durante todo este ano, minha pequena menina assistiu aos terremotos, às guerras entre os homens, à pobreza e às doenças alastrando-se cada vez mais, sem que eu a tirasse da frente da televisão e dos jornais, ou mudasse de canal e lhe desse um lápis para colorir imagens tão feias.
 
Viu, junto comigo, partirem pessoas a quem amávamos muito e  nem sequer afaguei-lhe a cabeça, mostrando que estava ali juntinho dela.
 
O que eu esperava de uma criança abandonada e desprotegida desse jeito? Que ela sorrisse, cantasse e dançasse, alegremente?
 
Todos os dias vejo crianças pelas ruas. Algumas felizes, de mãos dadas com seus pais, voltando da escola, pulando pelas calçadas, rodopiando e rindo muito, a contar-lhes, quase sem respirar entre uma palavra e outra tudo o que lhes aconteceu durante o dia. Outras, tristes, sem sorrisos, com olhares pedintes, mudas, sem ninguém que se interesse em escutá-las, carregando sozinhas sua dor.
 
Por que fiz isso com minha criança?
 
Ela é parte de mim. Como pude esquecer de alguém tão importante?
 
Tomei-a pela mão e, num grande abraço, tentei demonstrar o imenso amor que sinto por ela, pedindo-lhe perdão pelo abandono tão cruel.
 
Choramos ambas, com as mesmas lágrimas e, em seguida, sua  mão entregou-me o sapatinho que já está lá na janela a esperar pelo milagre do Natal.
 
Tania Melo
Enviado por Tania Melo em 01/12/2005
Código do texto: T79653

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (tania melo - www.sitedoautor.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tania Melo
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
17 textos (1187 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:26)
Tania Melo