Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Paranóia ortográfica

Às vezes fico pensando se não estou me tornando chato ou tendo uma crise de paranóia ortográfica. Porém é impossível ler uma publicidade feita pelo governo que além de todos os erros que já cometeu, ainda trata com pouco caso às leis ortográficas oficiais. No momento em que publicou “a evolução dos programas de complementação de renda no Brasil” mostrou também que na sua grafia houve uma pequena “involução” quando a hifenização foi esquecida. Nas duas páginas de propaganda veiculadas em algumas revistas, encontram-se seis substantivos compostos sem o hífen: Auxílio Gás, *Vale Gás, *Bolsa Escola, *Bolsa Alimentação, *Cartão Alimentação e * Bolsa Família. Mesmo assim, muitos órgãos de imprensa levaram em conta as convenções ortográficas, escrevendo de maneira correta.
Auxílio-Gás
Vale-Gás
Bolsa-Escola
Bolsa-Alimentação
Cartão-Alimentação
Bolsa-Família.

Em português “a nossa língua” os substantivos, como regra, não são usados lado a lado sem alguma forma de conexão. Não se diz “Aquela bolsa couro é bonita”, mas “Aquela bolsa  de couro é bonita”.
Os substantivos se associam ou por meio de preposição ou de hífen. bolsa é substantivo, família também. Como não se fala em Bolsa da Família, Bolsa para Família, deve-se empregar o traço-de-união no lugar da preposição: Bolsa-Família.
Esse raciocínio deve ser estendido a vários outros casos de uso freqüente hoje em dia:
vale para gás = vale-gás
vale para transporte = vale-transporte
auxílio para maternidade = auxílio-maternidade
auxílio para funeral = auxílio-funeral
auxílio para refeição = auxílio-refauxílio pelo desemprego = auxílio-desemprego
auxílio por doença = auxílio-doença
licença por/como prêmio = licença-prêmio
licença pela paternidade = licença-paternidade
cartão para alimentação = cartão-alimentação
tíquete para alimentação = tíquete-alimentação
bolsa para alimentação = bolsa-alimentação
bolsa para escola = bolsa-escola
seguro por desemprego = seguro-desemprego
salário por/para a família = salário-família
salário por hora = salário-hora
custo por hora = custo-hora
hora de aula = hora-aula.
São raros os casos de dois substantivos que se associam  sem a intervenção do hífen, o que constitui uma exceção à regra. Isso só acontece quando o segundo substantivo faz as vezes de adjetivo. Por exemplo: efeito cascata = efeito cascateante; carro esporte = carro esportivo (não se trata de carro e esporte ao mesmo tempo, nem de carro para esporte).
"Hora extra" também não tem hífen, porque "extra" é adjetivo, redução de “extraordinário” (plural: horas extras).

Não quero aqui culpar o presidente LULA por isso, até porque ele é semi-analfabeto. Porém, acho que com tantos “aspones” engravatados no Palácio, deve ter pelo menos uma meia dúzia que saibam ler e escrever a nossa língua. Eu cometo erros de português, às vezes por falta de atenção ou até por não ter um conhecimento profundo da língua. Porém, procuro sempre me atualizar, pesquisar, estudar e não publico textos oficiais.
Regras como essa da associação dos substantivos, aprendi no grupo escolar. Será que estou ficando rabugento?





(psiuuu... cá entre nós, a forma mais fácil de aprender é ensinar)








Vincent Benedicto
Enviado por Vincent Benedicto em 21/01/2006
Reeditado em 21/01/2006
Código do texto: T101844
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vincent Benedicto
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
477 textos (144378 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:57)
Vincent Benedicto