Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O lagarto e o fósforo

Moro ao lado do baldio, moro ao lado do sabiá, infelizmente outros moram, nem notar que os pássaros cantam pra mim e pra eles, sem cobrar.

São quatro, se não mais; uns velhos, outros jovens, rabo curto, rabo comprido. Se ameaçados, soltam a extremidade, mantendo a ingenuidade de morar, no baldio, abandonado pelas obras, porque de íngreme, não gera voto, não ganha eleição.

Certo dia, depois de uma roçada, nem desmatar e descobrir o lagarto, seu fósforo, morador do cume, falou pros dedos, pedindo lume. Seu dono, inconformado pelas pontas da seringueira, que atrapalham e sujam seu veículo, bateu na cabeça dele, armando grande fogueira.

A fumaça veio participar, entrando nas janelas e cômodos e os restos da roçada, vendo a morte na espreita, ligaram pro seu Zé, pedindo uma gota de água.

Seu Zé, dono do fósforo, não se incomodava, morava longe, não temia o fogo, que mesmo de perto, lhe parecia vassoura a queimar as folhas, da seringueira que vive, ao lado do abacateiro, vizinha da goiabeira, que divide o pátio com a pitangueira, que alimenta a carruira, o pica-pau, o joão-de-barro, o canário e o beija-flor.

Seu lagarto, que não é amigo do seu fósforo, correu pro outro lado e batendo na minha porta, gritou por amparo, porque via sua casa, seu jardim e seus filhos, ao lado de seringueira, pretos e duros, tostados, pobres coitados.

Sorte foi o balde e o regador, que vendo a água, pediram socorro e se lançaram morro acima, invadindo o baldio, soterrando com suas gotas, o fogo que ardia, que consumia, que matava.

Se o doutor ou autoridade, mandasse na capina, o baldio não ardia, sem seu Zé, riscando no fósforo, queimaria, a tudo e a todos, matando o seu lagarto, coitado.

Que me ouçam os que mandam, esquecendo do imposto, que saiam de suas salas e vem, ao nosso socorro, roçar o baldio da Paraíso, no bairro das antigas laranjeiras, que diz Pinheiro, sem ter a árvore em si.

E torço pro seu Zé, perder o fósforo e quem sabe, jamais queimar o pé, quanto mais o resto, tal qual este, que em verso, viu o fósforo matar e passou a viver em dor. Agora que o sol castiga, que a chuva tarda, rezo pro seu Zé, abandonar o fósforo, por debaixo da pedra, longe dos dedos e que viva sem remorsos.
Oscar Schild
Enviado por Oscar Schild em 31/01/2006
Código do texto: T106601

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site www.grandesvendedores.com.br). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Oscar Schild
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil, 60 anos
98 textos (4840 leituras)
1 e-livros (52 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 03:54)
Oscar Schild