Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O nepotismo

   As pessoas que ocupam cargos públicos, ou seja, aquelas que são empregadas do governo, os ocupam para prestarem um serviço público.
   Entende-se por serviço público aquele que se destina ao ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES DO CIDADÃO, quer no âmbito municipal, estadual ou federal, mediante o recebimento de uma remuneração.
   Alguns desses cargos públicos são ocupados por magistrados, parlamentares e funcionários do  executivo que detêm algum tipo de poder ou autoridade, peculiares ao cargo.
   E são os ocupantes desses cargos aqueles que, exatamente pela qualificação requerida, deveriam ter em mente, com absoluta clareza, a responsabilidade do exercício da função, responsabilidade esta que envolve conceitos de natureza ética.
   Ao alcançar um cargo de maior hierarquia em qualquer um dos poderes, ou mesmo em empresas ou autarquias governamentais, o indivíduo, com exceções, é claro, procura por todos os meios tirar o maior proveito em benefício próprio. Um desses benefícios é, sem dúvida nenhuma, o NEPOTISMO. Como ele alcançou aquele cargo, por mérito ou não, acha-se no direito de dar emprego a familiares e amigos, nos chamados cargos de confiança. Ora, de que tipo de confiança estamos tratando? É evidente que, se sou casado e tenho filhos, essas pessoas são, sem dúvida, de minha inteira confiança. Então, nomeio-as para os cargos de confiança. Para os que não são de confiança, há que conseguir o emprego através de concurso público. O nepotismo é uma forma vergonhosa de tirar proveito do cargo.
   O Conselho Nacional de Justiça, recém criado, como órgão de controle externo do Judiciário, vem de condenar e tentar por um fim à execrável prática do nepotismo. A resistência da grande maioria dos magistrados foi geral. Instruíram os seus parentes e amigos e ingressar em juízo contra a decisão do CNJ. Convém lembrar a enorme dificuldade para se criar o CNJ. Os magistrados, com algumas exceções, se opuseram frontalmente em relação a ter um órgão de controle externo. Eles não querem saber de nenhum controle. São os donos da verdade e do saber. São a expressão máxima da auto-suficiência.
   Pois bem. Diversas liminares foram concedidas para que os parentes e amigos dos magistrados continuassem a ocupar os tais "cargos de confiança". Claro. Quem concede essas liminares são os próprios magistrados.
   A sociedade civil, representada por alguns órgãos de classe, levou o assunto ao Supremo Tribunal Federal, porquanto os senhores magistrados alegavam que o CNJ havia tomado uma decisão inconstitucional.
   Felizmente, por nove votos a um, o STF julgou constitucional a medida do CNJ. Isto significa que aqueles que ocupavam "cargos de confiança" e foram nomeados sob a égide do nepotismo terão que deixar os cargos. Foi uma grande vitória do povo brasileiro. Agora, vamos ver se a coisa vai de fato acontecer, conforme decisão do STF.
   Sugiro aos senhores parlamentares, da Câmara Federal ou do Senado, que também adotam a prática do nepotismo, que tenham a coragem de criar e aprovar uma lei que impeça, de uma vez por todas, em todos os níveis da administração pública, a prática do nepotismo, de tal forma que, qualquer cidadão, para ingressar no serviço público, se submeta a concurso. E que esses concursos tenham também um sistema de controle externo e deixem de ser um jogo de cartas marcadas.
   
Augusto Canabrava
Enviado por Augusto Canabrava em 16/02/2006
Reeditado em 08/03/2008
Código do texto: T112833
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Augusto Canabrava
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
77 textos (10684 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:09)
Augusto Canabrava